Internacional

Principais líderes afegãs femininas estão fugindo ou se escondendo

Protestos nas últimas semanas tiveram como ponto de convergência a exclusão das mulheres do novo gabinete

Ex-membro do Parlamento, Farid fugiu do país temendo por sua segurança e de sua família
Por Archana Chaudhary e Eltaf Najafizada
13 de Setembro, 2021 | 07:05 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Mesmo enquanto o Taliban tenta convencer o mundo que se tornou mais moderado, a maioria das principais líderes femininas do Afeganistão que surgiram nas últimas duas décadas fugiram ou se esconderam.

Nas últimas semanas, combatentes do Taliban deram alerta para dispersar protestos de mulheres em Cabul e em outras cidades que exigiam participação no governo, bem como direitos à educação e a empregos. Um importante ponto de convergência para esses protestos foi a exclusão das mulheres do novo gabinete divulgado na semana passada, um retrocesso em comparação aos governos apoiados pelos EUA, que incluíam legisladoras e tecnocratas do sexo feminino.

O Taliban disse que respeitaria os direitos das mulheres dentro dos limites da lei islâmica, permitindo que trabalhassem ou estudassem, desde que não se misturassem com os homens – um acordo que nem sempre funciona na realidade. O grupo também tentou mostrar ao mundo que tem apoio feminino por meio de combatentes armados no último fim de semana acompanhando centenas de mulheres totalmente cobertas que carregavam faixas de apoio ao Taliban e dizendo que as líderes femininas que fugiram do Afeganistão não as representam.

Veja mais: Taliban afirma que mulheres poderão trabalhar, mudando sua posição pré-11 de setembro

PUBLICIDADE

Estas são algumas das mulheres políticas proeminentes que deixaram o Afeganistão ou se esconderam por medo de represálias do Talibã:

Fawzia Koofi, ex-membro do Parlamento, 46 anos

Koofi, que representava a província de Badakshan no norte, era a vice-presidente da Assembleia Nacional do Afeganistão. Nos meses anteriores à tomada de Cabul pelo Taliban, ela havia participado de conversas com o grupo para pedir que as mulheres tivessem mais voz nas decisões políticas.

Como mãe solteira, sua defesa das questões femininas a tornou impopular entre os conservadores – levando a várias tentativas de assassinato, incluindo uma no ano passado. Indicada para o Prêmio Nobel da Paz em 2020, Koofi deixou o país duas semanas depois que o Taliban assumiu o controle e agora está fazendo lobby para que governos forneçam ajuda humanitária ao Afeganistão.

Naheed Farid, ex-membro do Parlamento, 37 anos

Farid foi presidente da Comissão de Assuntos Femininos do parlamento e representa a cidade de Herat ocidental desde os 27 anos. Ela é formada em relações internacionais pela George Washington University e é conhecida por suas opiniões progressistas. No ano passado, ela redigiu e implementou com sucesso uma proposta que permitia constar os nomes das mães nas certidões de nascimento.

PUBLICIDADE

Farid alertou que um governo do Taliban sem supervisão das Nações Unidas, dos EUA e de outras nações será um “regime de terror”. Ela fugiu do país temendo por sua própria segurança e a de seus filhos, informou a BBC.

Sima Samar, Comissária de Direitos Humanos, 64 anos

Médica da comunidade Hazara, Samar tornou-se refugiada pela primeira vez quando foi forçada a fugir para o Paquistão na década de 1980. Como ministra dos assuntos femininos no governo interino liderado por Hamid Karzai no início dos anos 2000, Samar supervisionou a reinserção das meninas na escola e das mulheres na força de trabalho.

Veja mais: EUA deixam o Afeganistão e encerram presença militar de 20 anos

Samar sobreviveu a tentativas de assassinato durante seu mandato, embora tenha renunciado ao cargo de ministra por questionar as interpretações conservadoras da lei islâmica e defender o direito das mulheres de não usarem a burca – uma cobertura da cabeça aos pés que esconde todo o rosto. Desde então, administrou hospitais no Afeganistão e chefiou a comissão independente de direitos humanos. No momento, seu paradeiro é desconhecido.

Habiba Sarabi, ex-negociadora nas conversas com o Taliban, 65 anos

Líder da etnia Hazara e médica, Sarabi foi uma das quatro mulheres líderes nas negociações de paz antes da retirada dos EUA, durante as quais pleiteou um papel maior para as mulheres no Afeganistão.

Sarabi foi ministra dos assuntos femininos por dois anos em 2002 e foi a primeira governadora da província de Bamyan, a oeste de Cabul. Ela recebeu elogios por seu trabalho com os direitos das mulheres e continua a criticar o Taliban de um local não revelado no Afeganistão.

PUBLICIDADE

Shukria Barakzai, ex-embaixadora da Noruega, 51 anos

Barakzai, jornalista afegã que virou política e atuou como embaixadora da Noruega, fugiu do Afeganistão depois que o Taliban voltou ao poder. Ela sobreviveu a um ataque mortal de homem-bomba em 2014.

Da etnia Pahstun de Cabul, Barakzai tem sido uma das principais defensoras dos direitos das mulheres desde 2001, quando os EUA destituíram o Taliban. Poucos meses após a queda do regime, ela fundou a Aina-e-Zan, ou Women’s Mirror, uma revista semanal nacional com foco em assuntos femininos.

Veja mais: Taliban promete abordagem mais suave para contrapor ceticismo do ocidente

Barakzai participou de uma loya jirga – uma grande assembleia nacional – para discutir assuntos cruciais. Ela ajudou a aprovar uma nova constituição moderna em 2004, mesmo ano em que foi eleita legisladora de Cabul.

PUBLICIDADE

Zarifa Ghafari, ex-prefeita, 29 anos

Ghafari foi a prefeita mais jovem da cidade de Maidan Shahr, ao norte de Cabul, antes de ela e sua família fugirem para a Alemanha no mês passado. Como prefeita, ela sobreviveu a seis tentativas de assassinato, e pistoleiros desconhecidos mataram seu pai no ano passado em uma tentativa de forçá-la a desistir do cargo.

O Secretário de Estado dos EUA, Michael Pompeo, deu a Ghafari o prêmio International Woman of Courage em 2020 por sua bravura e determinação em manter as mulheres no espaço público.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDADE

Biden acredita em novo atentado em meio à saída do Afeganistão

A carnificina que se aproxima entre o Taliban e seus rivais jihadistas: Ruth Pollard

Biden reconhece queda em pesquisas e sinaliza luta por agenda econômica

PUBLICIDADE