Soldados americanos e europeus deixam o país
Tempo de leitura: 4 minutos

A comunidade jihadista global teve uma reação mista à notável ascensão do Taliban ao poder no Afeganistão.

A Al-Qaeda - alma mater de Osama bin Laden - transbordava de entusiasmo, anunciando uma nova era triunfante de governo islâmico que prova que a jihad, e não o “jogo da democracia”, é o caminho para alcançar o poder. A agência de notícias ligada à Al-Qaeda, a Frente de Mídia Islâmica Global, divulgou uma declaração de parabéns que dizia: “Que Alá conceda aos mujahideen na Somália, Sahel africano, Iêmen, Síria, Paquistão, o subcontinente indiano e em todos os lugares a mesma vitória. "

PUBLICIDADE

Hay’at Tahrir al-Sham, a facção dominante nas regiões controladas pelos insurgentes da província síria de Idlib, também ficou impressionado, descrevendo a vitória do Taliban como um exemplo de firmeza em face de uma ocupação estrangeira.

O Estado Islâmico (EI) não foi tão positivo.

PUBLICIDADE

Como o especialista jihadista e membro do Centro de Política Global com sede em Washington, Aymenn Jawad Tamimi, observa em seu blog, o EI argumentou que as ações do Taliban não foram tanto uma conquista quanto uma aquisição coordenada com os EUA. O caminho dos Estados Islâmicos foi melhor, argumentou o grupo, porque “apoiar o Islã não passa pelos hotéis do Catar nem pelas embaixadas da Rússia, China e Irã”.

É aqui que o Taliban pode ter alguns problemas próprios. Já está tentando -embora sem sucesso até agora- jogar dos dois lados, tentando manter a comunidade internacional de lado com suas promessas de uma versão mais moderada de si mesma -completa com imagens de meninas sendo conduzidas para as salas de aula- enquanto seus soldados fortemente armados detêm direitos ativistas e jornalistas espancados nas ruas.

PUBLICIDADE

Agora, houve um ataque a um dos portões do aeroporto de Cabul, onde milhares se amontoaram com punhados de documentos e na esperança de uma passagem segura. Antes das explosões de quinta-feira, declarações dos EUA e do Reino Unido indicaram que a principal ameaça vinha do IS-K ou do Estado Islâmico de Khorasan, um grupo afiliado à organização que invadiu grandes partes da Síria e do Iraque em 2014 e 2015 com o objetivo de estabelecer um denominado califado. O alvo - civis vulneráveis, tropas estrangeiras e combatentes do Taliban - claramente provou ser bom demais para deixar passar.

Estabelecido no leste do Afeganistão em 2015, IS-Khorasan vê o Taliban como seu inimigo, e os dois grupos entraram em confronto repetidamente ao longo dos anos.

PUBLICIDADE

Enquanto o Taliban está olhando para dentro - suas ambições se concentram apenas no Afeganistão - IS-Khorasan tem sonhos transnacionais e atrai seus novos apoiadores das fileiras do Taliban que rejeitaram o processo de paz liderado pelos EUA.

Organizou vários grandes ataques à capital, incluindo atentados consecutivos em 2018 que mataram 29 pessoas, incluindo nove jornalistas no ataque mais mortal à mídia do Afeganistão desde 2001. Dezenas mais foram mortas no ano passado em um cerco de 20 horas em uma prisão no leste do país, quando militantes do EI tentaram libertar centenas de seus membros.

Durante os primeiros quatro meses de 2021, a Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão registrou 77 ataques reivindicados ou atribuídos a IS-Khorasan. Seus alvos? A comunidade minoritária muçulmana xiita, mulheres, infraestrutura civil, incluindo a maternidade de Médicos Sem Fronteiras, e militares.

Se esses dois grupos travarem uma batalha, as principais vítimas, como sempre, serão os civis. Eles sofreram o impacto do regime brutal do Taliban de 1996 a 2001 e, em seguida, a invasão das forças dos EUA e da OTAN, com seus ataques aéreos e terrestres, e o ressurgimento dos ataques suicidas que se seguiram. Mais de 47.000 civis afegãos foram mortos no conflito - quase 1.700 deles apenas nos primeiros seis meses deste ano - enquanto cerca de 66.000 militares e policiais foram mortos, de acordo com o projeto Costs of War da Brown University.

E depois há o transbordamento - para o Paquistão, Ásia Central, China e Índia. Nova Delhi conhece o terrorismo transfronteiriço, e o Taliban provavelmente será um refúgio para grupos terroristas anti-indianos, como Lashkar-e-Toiba e Jaish-e-Mohammed. Há preocupações genuínas de que esses grupos usem o Afeganistão como base para lançar seus ataques na Caxemira, como fizeram na década de 1990.

Adicionando lenha a esse fogo está a crença cada vez maior - especialmente entre aqueles que se inclinam para a jihad e a violência, mas ainda não chegaram lá - de que a política não funciona, nem a democracia ou o Estado-nação conforme definido pelo Ocidente. Eles podem ver o Taliban como um modelo e alternativa, diz Rasha Al Aqeedi, analista sênior e chefe do programa de atores não-estatais do Newlines Institute em Washington. “Certamente”, diz ela, “a ideia será glorificada novamente e o apetite para fazer algo estará presente - e isso é sempre um problema”.

Al Aqeedi diz que as ações do SI realmente ajudarão os novos governantes de Cabul. “Na verdade,” ela diz, “isso fortalece o posicionamento do Taliban como um mal menor”. Pense nisso: o Taliban como o mal menor. Se há algo que simboliza o fracasso da campanha dos EUA no Afeganistão, é esse.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Ruth Pollard é colunista e editora da Bloomberg Opinion. Anteriormente, ela foi líder da equipe do Governo do Sul e Sudeste Asiático na Bloomberg News. Ela tem trabalhado na Índia e em todo o Oriente Médio e se concentra em política externa, defesa e segurança.

Veja mais em bloomberg.com/opinion

Leia também:

China mira US$ 1 tri em depósitos minerais no Afeganistão

Caos, mortes no aeroporto de Cabul e risco político no mercado: a situação no Afeganistão

Abordagem mais dura para o Afeganistão também não teria funcionado: Tyler Cowen