Internacional

Entregadores de Nova York enfrentam baixos salários, mesmo com aumento dos riscos

Trabalhadores e legisladores locais buscam medidas para regular atividade

Estudo estima que existam cerca de 65.000 entregadores em Nova York
Por Jackie Davalos
12 de Setembro, 2021 | 02:41 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — Os motoristas de entregas de comida eram elogiados como trabalhadores essenciais enquanto transportavam refeições para os clientes em meio a bloqueios da Covid-19 que paralisaram a cidade de Nova York. Um ano depois, os entregadores que alimentam plataformas como a DoorDash Grubhub e Uber Technologies são afetados por baixos salários e falta de proteções básicas, mesmo com o aumento dos riscos, mostra um novo relatório.

Antonio Solis, 34 anos, estava entregando refeições em Astoria, Queens, quando as tempestades torrenciais do furacão Ida dispararam alertas de tornado e causaram inundações históricas em Nova York. Mesmo com o aumento do nível da água ameaçando danificar o motor de sua scooter ou fazê-la perder o controle, ele continuou. “Olhando para trás, a maioria dos pedidos nem valia a pena. Um custava US$ 5“, disse ele. “Mas quando você precisa do dinheiro, você não tem escolha a não ser correr o risco”, completou.

Veja mais: Biden reconhece queda em pesquisas e sinaliza luta por agenda econômica

Solis é uma das dezenas de milhares de entregadores que continuavam entregando refeições aos clientes no auge da pandemia. Depois de contabilizar despesas como bicicletas elétricas e baterias, o salário médio por hora para entregadores na cidade de Nova York é de US$ 7,94, sem gorjetas, de acordo com um estudo realizado pelo grupo de defesa Worker’s Justice Project em parceria com a Escola de Relações Industriais e Trabalhistas da Universidade Cornell. Devido à grande variabilidade na quantidade de gorjetas dos clientes e irregularidades na capacidade dos trabalhadores de cobrá-las, incluir gratificações não é uma forma confiável de medir os salários dos trabalhadores, disse Maria Figueroa, autora do estudo e reitora do SUNY Empire State College.

PUBLICIDADE

Cerca de 38% dos entrevistados relataram estar parcial ou totalmente sem suas gorjetas e outros ganhos, descobriu a pesquisa, com base nas respostas de 500 mensageiros baseados em aplicativos.

“Os trabalhadores de aplicativos da cidade de Nova York já enfrentavam más condições de trabalho antes mesmo do Covid-19”, disse Figueroa. “A pandemia só os fez piorar”, completou.

Veja mais: Israel se prepara para garantir quarta dose da vacina contra a Covid-19

Em particular, um número crescente de roubos e assaltos de bicicletas tem se acumulado aos custos dos trabalhadores de entrega, que são em média cerca de US$ 339 por mês, descobriram os pesquisadores. Mais da metade dos entrevistados tiveram suas bicicletas roubadas enquanto trabalhavam e, destes, quase um terço foram agredidos fisicamente durante o roubo. O preço de uma bicicleta elétrica varia de US$ 1.300 a US$ 2.500, de acordo com o estudo.

PUBLICIDADE

O relatório surge no momento em que legisladores da cidade de Nova York se movem para regular as empresas do setor depois que o boom induzido pela pandemia na entrega de alimentos expôs vulnerabilidades para os restaurantes e trabalhadores que mantêm as plataformas funcionando. Um conjunto de projetos de lei pendentes na Câmara Municipal visa melhorar as condições de trabalho dos entregadores, incluindo um pagamento mínimo por viagem e uma medida que exige que os restaurantes forneçam acesso aos banheiros aos entregadores de comida. Na sexta-feira, DoorDash, Grubhub e Uber processaram a cidade de Nova York por causa de seu limite recém-estabelecido na quantidade de serviços de entrega de refeições que podem cobrar dos restaurantes.

Veja mais: Ex-chefe da Starbucks investe US$ 1,7 bi em empresa de segurança cibernética

Uma porta-voz da DoorDash classificou as descobertas do estudo como “enganosas” e disse que os entregadores da empresa recebem 100% de suas gorjetas e ganham US$ 33 por hora em Manhattan. “Estamos ativamente engajados com a comunidade Dasher e ansiosos para nos envolver com os formuladores de políticas sobre como todas as partes interessadas podem apoiar melhor os trabalhadores de entrega da cidade de Nova York”, disse ela.

Grubhub e Uber não responderam aos pedidos de comentário.

O número total de trabalhadores de entrega em Nova York não é claro, no entanto, com base em números anteriores do Departamento de Transporte da Cidade de Nova York, o estudo estima o tamanho dessa força de trabalho em cerca de 65.000. A cidade de Nova York é o maior mercado para o Grubhub, adquirido no ano passado pela Just Eat Takeaway.com NV da Europa, e pela UberEats, e o segundo maior para o DoorDash, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado YipitData.

As empresas há muito argumentam que a maioria de seus funcionários usam a plataforma como um recurso secundário. No entanto, 85% dos entregadores entrevistados disseram que a entrega era seu principal e único trabalho, com outros dois terços relatando trabalhar um mínimo de seis dias por semana. E devido ao seu status de contratantes independentes em um setor de baixa renda da economia, os trabalhadores carecem de proteções como seguro-desemprego e proteção salarial de que desfrutam as pessoas classificadas como empregados.

PUBLICIDADE

A esmagadora maioria dos trabalhadores de entrega baseados em aplicativos na cidade de Nova York são imigrantes do México, América Central, Sul da Ásia e África Ocidental, de acordo com o relatório. Como resultado, os entregadores enfrentam desafios e barreiras únicos para buscar responsabilidade por questões de pagamento ou lidar com furtos e agressões. Cerca de 35% dos entrevistados que relataram incidentes à polícia disseram que os policiais não apresentaram queixa.

O Workers Justice Project e seu grupo organizador Los Deliveristas Unidos pressionaram os legisladores municipais e estaduais por mais direitos e proteções nos últimos meses. Este ano, Nova York emergiu como o centro de uma estratégia de barganha entre empresas e trabalhadores para organizar os trabalhadores de aplicativos de comida sem ter que lhes conceder o status de pleno emprego. Esses planos foram cancelados em junho, depois que grupos quase sindicais como os Deliveristas se opuseram à proposta e estimularam outros grupos como o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte a retirarem o apoio.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Transportadoras de contêineres marítimos têm maior lucro desde 2008

Cotas não aumentam presença de mulheres na política da América Latina

PUBLICIDADE