Minério indica outra baixa semanal com restrição ao aço na China

Futuros em Singapura caíram pelo terceiro dia na sexta-feira e acumulam perdas de 10% esta semana

Minério de ferro perdeu quase metade do valor desde o pico em maio com expectativas de demanda mais fraca
Por Krystal Chia e Ann Koh
10 de Setembro, 2021 | 08:56 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os futuros do minério de ferro apontam para a sétima queda semanal em oito semanas devido às expectativas de que as metas de cortes de emissões do governo chinês continuarão a reduzir a produção no poluente setor de aço.

Os futuros em Singapura caíram pelo terceiro dia na sexta-feira e acumulam perdas de 10% esta semana, pois as medidas da China para produzir menos aço, manutenção das usinas e níveis elevados de estoques nos portos pioraram a perspectiva de demanda. Investidores também monitoram a situação da oferta global em meio a sinais de que grandes produtores correm risco de não cumprir as estimativas de embarques anuais. Em agosto, as exportações de agosto de Port Hedland caíram na comparação anual.

Veja mais: Mais restrições à produção de aço na China derrubam minério

O minério de ferro perdeu quase metade do valor desde o pico em maio com expectativas de demanda mais fraca. Henning Gloystein, diretor de energia, clima e recursos do Eurasia Group, acredita que as restrições à produção de aço vão continuar, visto que reduzir a poluição do ar é uma grande preocupação do presidente Xi Jinping antes da Olimpíadas de Inverno na China no início do próximo ano.

PUBLICIDADE

“Xi manterá forte pressão política para atingir as metas de emissões da China”, disse. As autoridades também têm incentivado usinas a usarem sucata nas operações de produção de aço, o que reduz a demanda por minério de ferro importado, disse Gloystein.

Os futuros do minério de ferro mostravam queda de 0,4%, para US$ 129,05 a tonelada às 16h22 em Singapura. Na China, o minério de ferro fechou em alta, enquanto os futuros do aço recuaram.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Principal do dia: carta de Bolsonaro e exterior positivo trazem alívio para mercados

CSN compra operação brasileira da suíça LafargeHolcim por US$ 1 bi

Mensagem do BCE e esforços dos EUA para imunizar a população aliviam mercados internacionais



PUBLICIDADE