Internacional

Pedidos semanais de seguro-desemprego nos EUA vão à mínima desde junho

Registros marcaram 310 mil novos pedidos na última semana, abaixo da estimativa em pesquisa Bloomberg de 335 mil

Pedidos diminuíram de forma constante à medida que o progresso da vacinação e as reaberturas aumentaram a demanda por trabalhadores
Por Jill R. Shah
09 de Setembro, 2021 | 10:44 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O número de americanos que deu entrada em pedidos de seguro-desemprego na última semana teve a maior queda desde o final de junho, à medida que o mercado de trabalho continua em plena recuperação.

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego em programas regulares do governo diminuíram para 310.000 na semana encerrada em 4 de setembro, segundo dados do Departamento do Trabalho divulgados nesta quinta-feira (9). A estimativa média em uma pesquisa da Bloomberg com economistas pedia uma ligeira redução para 335.000 novos pedidos.

Pedidos iniciais de seguro-desemprego nos EUA tiveram a maior queda na semana passada desde o final de junhodfd

Os pedidos contínuos de benefícios caíram para 2,78 milhões na semana encerrada em 28 de agosto.

Os pedidos iniciais diminuíram de forma constante à medida que o progresso da vacinação e as reaberturas aumentaram a demanda por trabalhadores. Ainda assim, as reivindicações são mais altas do que os níveis pré-pandêmicos, e os economistas esperam que o crescimento econômico diminua no terceiro trimestre, à medida que os gastos de estímulo diminuem.

PUBLICIDADE

Veja mais: Criação de empregos nos EUA decepciona em agosto e alivia pressão sob o Fed

O recente surto de infecções por Covid-19 corre o risco de interromper uma recuperação estável no mercado de trabalho, especialmente se os surtos levarem os distritos escolares a reconsiderar o ensino presencial.

Pedidos iniciais não ajustados em Missouri, Geórgia e Nova York registraram as maiores quedas na semana passada. Os registros aumentaram em mais de 7.200 na Louisiana, um dos estados mais afetados pelo furacão Ida na semana passada. A tempestade causou mortes, danos e grandes quedas de energia ao passar pelo leste dos Estados Unidos.

Os auxílios federais de desemprego iniciados na pandemia terminaram em 6 de setembro em todos os estados. A Casa Branca disse que não vai estender mais a ajuda aos desempregados, mas os estados podem usar fundos de ajuda pandêmica para fornecer assistência adicional aos trabalhadores desempregados.

PUBLICIDADE

Os pedidos de assistência ao desemprego pandêmico caíram em mais de 6.000, à medida que o programa é eliminado.

Os dados seguem o relatório de empregos da semana passada, que mostrou que as contratações nos EUA diminuíram abruptamente em agosto, com o menor ganho de empregos em sete meses.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Principal do dia: exterior segue negativo com cautela por retomada econômica

Braskem fecha acordo para produção de ‘polímeros verdes’ na Tailândia

Warren anuncia aquisição da corretora e distribuidora Renascença

PUBLICIDADE