ESG

Mulheres na diretoria amenizam custos de empréstimos das empresas

Instituições financeiras começam a vincular prazos de pagamento e taxas à diversidade de gênero dentro das companhias

Empresas são pressionadas a aumentar o número de mulheres em cargos de gestão
Por Jacqueline Poh
06 de Setembro, 2021 | 10:24 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — As empresas em todo o mundo estão cada vez mais dispostas a vincular seus custos de empréstimos à igualdade de gênero à medida que são pressionadas a aumentar o número de mulheres em cargos de gestão.

A Majid Al Futtaim Holding LLC, empresa de shoppings sediada em Dubai, tomou um empréstimo de US$ 1,5 bilhão vinculado à sustentabilidade na semana passada, concordando em pagar taxas de juros extras se não conseguisse aumentar para 30% a participação de mulheres em suas diretorias ou em cargos sênior. A empresa o fez depois que a cadeia de supermercados australiana Coles Group Ltd. tomou uma atitude semelhante com seu empréstimo de A$ 1,3 bilhão (US$ 1 bilhão).

As vendas de empréstimos com termos vinculados a metas de gênero subiram para US$ 19 bilhões até agora este ano – mais de quatro vezes o total de 2020, segundo dados da BloombergNEF. Esse tipo de crescimento é excepcional mesmo dentro do mercado de dívidas éticas em expansão, refletindo o impulso para levar em conta a justiça social, que decolou desde a pandemia, e o movimento #MeToo.

“As empresas estão usando esses produtos para ajudar a impulsionar o desempenho e a mudança cultural segundo suas estratégias corporativas”, disse Tania Smith, diretora de finanças sustentáveis do Australia & New Zealand Banking Group Ltd., que liderou o empréstimo da Coles. “A diversidade aprimorada no local de trabalho pode aumentar a retenção da equipe, melhorar a colaboração, enriquecer a tomada de decisões e permitir o acesso a um pool de talentos mais amplo”.

PUBLICIDADE

O volume dessa dívida ainda é apenas uma fração dos US$ 231 bilhões em empréstimos feitos neste ano com métricas para metas ambientais, sociais e de governança (ESG). É uma proporção ainda menor no mercado de títulos, somando cerca de US$ 3 bilhões – ou 5% dos títulos vinculados à sustentabilidade, nos quais predominam as métricas envolvendo o meio ambiente.

Veja mais: Como as mulheres lutam para recuperar a força econômica perdida na pandemia

Os bancos que concedem empréstimos esperam mais transações desse tipo, devido ao aumento das pesquisas sobre métricas de gênero. As dívidas com foco social chamaram a atenção dos investidores no ano passado, quando a União Europeia quebrou recordes de demanda com sua estreia.

“Nos últimos dois anos, vimos um número significativo de tomadores que desejam demonstrar que possuem uma abordagem holística da sustentabilidade”, disse Hedi Ben Salem, chefe de empréstimos corporativos para a Europa e Ásia no Banco Bilbao Vizcaya Argentaria SA. “Acreditamos piamente que a tendência deve continuar.”

PUBLICIDADE

Isso está levando as empresas a combinar metas ambientais e sociais durante a tomada de empréstimos vinculados à sustentabilidade (SLL, na sigla em inglês). Mulheres em cargos de gestão e segurança no trabalho são os KPIs sociais mais usados nos financiamentos recentes, disse Ben Salem. O Reino Unido também planeja combinar benefícios sociais e ambientais na estreia de seus títulos ESG neste mês.

As exigências regulatórias para que as empresas listadas divulguem a representação feminina em cargos sênior em países como o Reino Unido, EUA, Hong Kong e Japão ajudaram as empresas a melhorar, disse Nneka Chike-Obi, diretora de finanças sustentáveis da Fitch Ratings.

Um acordo recente da Enbridge Inc., empresa de gasodutos dos EUA, no qual apenas um dos três objetivos de seu título vinculado à sustentabilidade estava atrelado às emissões, mostra “uma evolução no foco na diversidade e na inclusão”, disse. Os outros objetivos tinham como foco a diversidade racial e étnica e mulheres na diretoria.

Nos EUA, a proporção de mulheres na maioria das diretorias de empresas do índice S&P 500 subiu acima de 30% pela primeira vez no mês passado – resultado de anos de pressão dos investidores e regulamentações. O CEO da Majid Al Futtaim, Alain Bejjani, está no caminho certo e quer atingir esse percentual em cinco anos.

É difícil saber se o risco de custos de empréstimos mais elevados melhorou a igualdade. A dívida vinculada à sustentabilidade em geral sofreu duras críticas devido ao fato de algumas empresas terem estabelecido metas fáceis de alcançar ou que já iriam atingir de qualquer maneira.

Veja mais: Merkel não conseguiu eliminar a desigualdade de gênero na política alemã

PUBLICIDADE

A Suez Environnement tomou um SLL em 2019, e os dados de 2020 mostram um pequeno aumento no percentual de mulheres na alta administração, mas ainda abaixo da meta de 33%, disse Nneka, da Fitch. Da mesma forma, o SLL de 2019 da Continental AG estabeleceu uma meta semelhante de 25% de mulheres na alta administração até 2025 e relatou um aumento de apenas 0,3% de 2019 a 2020.

“A maior parte dos produtos ligados à sustentabilidade foram lançados a partir de 2020, então é muito cedo para dizer se houve algum impacto”, disse ela.

Europa

O mercado primário da Europa está vendo algumas ofertas raras da Ilha de Man e da East Japan Railway Co.

  • A dependência da Coroa Britânica busca um acordo de sustentabilidade denominado em libras, sua primeira emissão de títulos desde 2002.
  • A East Japan Railway Co. planeja um acordo também denominado em libras, o primeiro na moeda britânica desde 2007, além da estreia com títulos em euros.
  • Em outros locais, o Gabinete de Gestão da Dívida do Reino Unido ordenou aos bancos que liderassem seu primeiro título verde.
  • A Mondelez International Inc. planeja buscar mais dívidas que incentivem a melhoria de práticas ESG em toda a sua cadeia de suprimentos após a venda de seus primeiros títulos verdes na quinta-feira.

Ásia

Novos problemas no China Evergrande Group surgiram esta semana, quando credores não bancários exigiram o reembolso imediato dos empréstimos e o desenvolvedor endividado alertou que corre o risco de inadimplir os empréstimos.

PUBLICIDADE
  • Enquanto isso, pelo menos oito emissores asiáticos podem vender títulos globais nas próximas semanas e meses, incluindo a Chindata Group Holdings e o Zensun Group, da China.
  • A Great Eagle Holdings, de Hong Kong, determinou uma emissão, ao passo que a Kawasan Industri Jababeka e a Perusahaan Pengelola Aset PT, da Indonésia, também planejam novos acordos.
  • A própria Coreia do Sul contratou bancos para administrar uma venda de títulos offshore, enquanto os dois maiores credores do país, Hana Bank e Industrial Bank of Korea, fizeram planos de dívida.

Veja mais: Gigante indiana contrata primeira mulher para mina subterrânea

EUA

As estimativas de Wall Street para a oferta de títulos com grau de investimento em setembro giram em torno de US$ 140 bilhões, segundo pesquisa informal com subscritores de dívidas.

  • As empresas continuarão com os empréstimos agressivo visto durante a maior parte de 2021, incentivadas pelas taxas baixas e impulsionadas pela necessidade de financiar um fluxo crescente de atividades de M&A.
  • A varejista norte-americana Nordstrom Inc. teve sua classificação de crédito reduzida para junk pela Moody’s após decisão semelhante da S&P no ano passado.
  • A dívida bruta da Levi Strauss & Co. voltará aos níveis pré-pandemia depois que a empresa resgatar os US$ 200 milhões restantes de seus títulos de 5% com vencimento em 2025, disse a empresa em um comunicado na quarta-feira. A fabricante de jeans estava entre a multidão de empresas que entrou para o mercado de junk bonds no ano passado para aumentar a liquidez durante a pandemia.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Finlândia quer envolvimento feminino na reconstrução econômica

PUBLICIDADE

Empresas latino americanas resistem a divulgar dados sobre riscos climáticos

Mulheres argentinas ficam para trás na recuperação pós-pandemia