PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Milho e soja ficam estáveis com investidores avaliando consequências do furacão Ida

Futuros das commodities agrícolas caíram nesta segunda com a interrupção dos embarques em Nova Orleans, na Louisiana

Futuros da soja e do milho caíram na segunda, com a perspectiva de que a interrupção dos embarques na Louisiana
Por Bloomberg News
31 de Agosto, 2021 | 08:56 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os preços da soja e do milho operavam próximos à estabilidade em Chicago, enquanto os investidores avaliam as consequências do furacão Ida nos principais terminais agrícolas dos EUA.

Os futuros da soja e do milho caíram na segunda-feira (30) com a perspectiva de que a interrupção dos embarques em Nova Orleans, na Louisiana, fará com que o fornecimento doméstico recue, embora as consequências também possam prejudicar a disponibilidade global. Algumas das maiores corretoras estão avaliando danos a elevadores de grãos e terminais portuários.

PUBLICIDADE

“Embora as empresas em questão estejam tentando por conta própria redirecionar suas exportações para outros terminais, a perspectiva é de redução das capacidades de exportação e menor oferta dos EUA nos mercados mundiais”, disse a analista do Commerzbank AG, Michaela Helbing Kuhl, em uma nota.

Veja mais: Diques e bombas resistem, mas energia falha em Nova Orleans

Os futuros da soja subiram 0,2%, para US$ 13,055 em Chicago, após uma queda de três dias, enquanto o milho também foi negociado com poucas mudanças. Os futuros do trigo caíram ligeiramente. As avaliações semanais da safra do governo dos EUA na segunda-feira mostraram que as condições da soja e do milho se mantiveram estáveis desde a semana anterior.

PUBLICIDADE

Já o Canadá, o maior produtor de canola do mundo, espera colher sua menor safra da oleaginosa em nove anos, depois que o calor e a seca reduziram a produtividade. A produção de trigo pode chegar ao mínimo em 14 anos.

Leia também

Inflação da Zona do Euro de agosto sobe para o maior nível em uma década

Vacina contra Covid: Brasil supera os EUA na contagem da primeira dose

PUBLICIDADE

O que pode limitar o PIB do estado mais rico do Brasil? Seade responde