Mercados

Mercado de ações pesa diferentes riscos após temporada recorde de lucros

Variante delta, inflação, retirada de estímulos pelo Fed e aperto regulatório na China preocupam investidores

Investidores seguem preocupados com ritmo da retomada econômica
Por Joe Easton e Kit Rees
28 de Agosto, 2021 | 10:39 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Variante delta. Inflação. Retirada de estímulos pelo Fed. Aperto regulatório na China. Essas são algumas das razões pelas quais os investidores podem ficar mais nervosos em breve com os negócios no mercado de ações.

O S&P 500 bateu outro recorde na sexta-feira, depois que o discurso dovish sobre retirada de estímulos monetários de Jerome Powell tranquilizou os investidores. No entanto, o clima parece mais cauteloso em comparação com algumas semanas atrás, quando as empresas estavam no meio de uma temporada recorde de lucros.

Todas as preocupações se resumem a um grande debate: a recuperação da pandemia já atingiu o pico? Essa é uma pergunta que só será respondida nos próximos meses. Por enquanto, os investidores dizem que estão analisando os comentários das empresas e dados econômicos em busca de qualquer dica sobre o que está por vir.

“Não estou totalmente pessimista, mas vejo riscos no horizonte que precisam ser observados”, disse Marcus Morris-Eyton, gerente de portfólio da Allianz Global Investors.

PUBLICIDADE

Aqui está um resumo dos principais riscos à frente:

Variante do vírus

  • Mesmo com a variante delta em alta em muitos países, a sabedoria convencional entre os investidores sobre a pandemia neste momento é que a vacinação manterá o coronavírus sob controle.
  • O risco é que os hospitais voltem a ficar sobrecarregados, forçando outra rodada de restrições globais que abalem a economia e setores-chave como o de viagens, que já é um dos de pior desempenho na Europa e nos EUA no segundo semestre.


Fed Tapering

  • Claro, se a economia continuar expandindo, isso aumenta a perspectiva de que o Fed acelere seus planos de retirar o estímulo econômico em uma tentativa de manter a inflação sob controle.
  • Os preços das ações se beneficiaram de mais de uma década de custos de capital extremamente baixos que levaram os investidores a investir em ações.
  • As taxas mais altas atingiriam especialmente as ações com as avaliações mais elevadas. “Qualquer aumento correspondente nos rendimentos dos títulos de uma decisão potencial de redução gradual de estímulos pode levar a uma redução das ações”, Tommy Faber, gestor de fundos da Waverton Investment Management.
  • O presidente do Fed, Jerome Powell, disse na sexta-feira que o banco central poderia começar a reduzir suas compras mensais de títulos neste ano, embora não tenha pressa em começar a aumentar as taxas de juros a partir de então.

Lucros recordes

  • A temporada de lucros do segundo trimestre foi recordista - 87% das empresas no S&P 500 relataram resultados melhores do que o esperado, um número recorde não igualado em quase 30 anos de dados históricos, de acordo com Karolina Noculak, diretora de investimentos na Aberdeen Standard Investments.
  • Com as batidas tão difundidas, existe o risco de que as expectativas para os próximos trimestres sejam muito altas. “Os investidores agora se acostumaram com as empresas que superam as projeções dos analistas”, disse ela.

Falta de chips e insumos

  • A escassez de semicondutores está afetando a todos, desde gigantes da tecnologia até montadoras.
  • O chefe da maior empresa de chips da Alemanha, a Infineon Technologies AG, espera que o episódio dure até 2023. Isso significa que o crescimento dos lucros para vários setores está em risco por muitos trimestres à frente.

Aumento de preços

  • A escassez de insumos não se limita aos chips. Uma oferta insuficiente de matérias-primas, contêineres e mão de obra está atingindo uma série de indústrias, causando um aumento nos preços.
  • A fabricante da Lysol Reckitt Benckiser Group Plc, a Toshiba Corp., a Tyson Foods Inc. e a Henkel AG estão entre os grandes nomes que foram atingidos pela preocupação de que um aumento nos custos pudesse prejudicar as margens.

Aperto regulatório na China

  • A recuperação econômica da China está desacelerando à medida que as variantes do vírus perduram, e isso já está se infiltrando nos comentários de gestores corporativos e investidores.
  • Estrategistas da Jefferies alertam que a desaceleração do crescimento chinês deve pesar sobre os lucros globais, e potenciais surpresas negativas podem ser vistas já no quarto trimestre.
  • Isso se soma ao recente aperto de Pequim a setores como tecnologia, educação e setor imobiliário. Louise Dudley, gerente de portfólio de ações globais no negócio internacional da Federated Hermes, disse que está feliz por manter uma posição menor de investimentos na China. “A regulação que vimos até agora está bastante concentrada na tecnologia”, disse ela por telefone. “Nossa expectativa é que isso se amplie.”

-- Com assistência de Farah Elbahrawy, Jan-Patrick Barnert, Joanna Ossinger e Julia Fanzeres.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia mais

Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

Eduardo Leite diz que terceira via só vai se viabilizar em março

Hidrelétricas podem ser desativadas por conta da seca, avisa Bolsonaro

PUBLICIDADE