Internacional

Nova Orleans se fecha enquanto furacão Ida ganha força no Golfo do México

A tempestade pode danificar cerca de 1 milhão de casas ao longo da costa se se intensificar como previsto, com custos potenciais de reconstrução estimados em mais de US$ 220 bilhões

Neva Orleans se prepara para fortes tempestades no final de smeana
Por Brian K. Sullivan
28 de Agosto, 2021 | 08:08 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

O furacão Ida está crescendo em tamanho e força à medida que se move para o norte através do Golfo do México em direção à Louisiana, e Nova Orleans está se preparando para um desastre, já organizando enfermarias de hospitais, fechando refinarias de petróleo e forçando residentes de áreas mais baixas a deixarem esses locais.

O Ida ganhou força neste sábado, conforme percorreu parte das águas do Golfo do México, após ter atingido Cuba na noite de sexta. O furacão está se movendo para o norte em direção à costa dos EUA com ventos que devem chegar a 130 milhas (209 quilômetros) por hora, abaixo da previsão de 140 milhas da manhã deste sábado. A expectativa é que chegue ao continente entre a noite de domingo e a madrugada de segunda-feira.

A cidade de Nova Orleans está pedindo aos residentes que evacuem o mais rápido possível locais de maior risco ou sigam para abrigos na noite de domingo, de acordo com um alerta de texto enviado na sexta-feira.

A tempestade pode danificar cerca de 1 milhão de casas ao longo da costa se se intensificar como previsto, com custos potenciais de reconstrução estimados em mais de US$ 220 bilhões, de acordo com a CoreLogic.

PUBLICIDADE

Com ventos fortes o suficiente para destruir residências e desligar a energia por semanas ou mais, as áreas que sofrem um impacto direto podem ficar “inabitáveis por meses”, de acordo com o centro de monitoramento de furacões.

Há muito pouco que o possa impedir o furacão Ida de atingir a segunda categoria mais destrutiva de tempestade, dada a temperatura elevada da água por onde o furacão passará antes de chegar ao continente, disse Todd Crawford, diretor de meteorologia da Atmospheric G2. Água quente é como combustível para ciclones tropicais.

“Em um caso infeliz de muito azar, a trilha esperada de Ida o levará diretamente sobre uma região de água geralmente quente no norte do Golfo no domingo, que é a principal razão para a rápida intensificação”, disse Crawford.

Os ventos da tempestade não têm se fortalecido tão rapidamente quanto previsto na sexta-feira, mas dá sinais de que pode crescer em breve, disse o centro de monitoramento de furacões. Embora os ventos possam não atingir o máximo anterior de 140 mph, ainda assim trarão uma onda devastadora para a costa e levarão fortes chuvas para o interior.

PUBLICIDADE

A capital de Lousiana, Baton Rouge, pode enfrentar chuvas e enchentes históricas, disse Crawford.

O Ida atingiu a província cubana de Pinar Del Rio pouco antes das 19h30 (hora local), com ventos de 80 mph. Espera-se que chegue a Nova Orleans no 16º aniversário do furacão Katrina, um dos desastres naturais mais devastadores da história dos Estados Unidos.

Bloqueios de hospitais

Os preços do petróleo e do gás aumentaram conforme as empresas de energia fecharam instalações e retiraram os trabalhadores de suas unidades. O Centro Médico Infantil da Louisiana está enviando alguns pacientes para casa e vai colocar seus seis hospitais da área de Nova Orleans de prontidão na manhã de domingo. Em sua trajetória atual, a tempestade pode causar de US$ 10 bilhões a US$ 30 bilhões em danos e perdas, disse Chuck Watson, um modelador de desastres da Enki Research.

“Pequenas oscilações são muito importantes”, disse Watson. “Se for a leste de Nova Orleans, haverá o risco de bombear água em Pontchartain e ultrapassar os diques e todas as apostas serão canceladas.”

A partir das 10h30 (horário local), 226 voos de e para Nova Orleans foram cancelados no domingo e segunda-feira, de acordo com a FlightAware, um serviço de rastreamento de companhias aéreas. Viagens para outros aeroportos ao redor do Sul também estavam sendo suspensas.

PUBLICIDADE

Um alerta de furacão foi publicado em grande parte da costa do estado, incluindo Nova Orleans, disse o centro. O Ida poderia empurrar uma onda de água do oceano de 3 a 5 metros acima do normal de Morgan City até a foz do rio Mississippi, e quantidades menores até a baía de Mobile.

Inundações pesadas

Alguns diques fora do Sistema de Redução de Risco de Danos de Furacões e Tempestades podem ser cobertos pelas águas das enchentes. Cerca de metade de todas as mortes por furacões são causadas por enchentes.

O presidente Joe Biden declarou estado de emergência para a Louisiana. Nova Orleans, frequentemente chamada de NOLA, está abaixo do nível do mar e depende de diques e bombas para manter-se livre das águas do oceano e do rio.

PUBLICIDADE

NOLA é sempre um lugar onde as coisas podem dar errado”, disse Watson da Enki Research.

Mesmo que o sistema de diques segure a demanda e mantenha as ondas sob controle, Nova Orleans poderia enfrentar um grande risco de enchente somente com a chuva, disse Ryan Truchelut, presidente da Weather Tiger LCC. A Federal Emergency Management Agency mobilizou cerca de 2.500 pessoas para Louisiana e estados, incluindo Alabama, Flórida, Geórgia, Mississippi e Texas. Equipes de busca e resgate urbanas estão sendo enviadas para Louisiana, acrescentou.

Óleo, Culturas

Os exploradores de petróleo estão se preparando para a tempestade e já interromperam o equivalente a mais de 1,2 milhão de barris de produção diária de petróleo. A Royal Dutch Shell Plc, BP Plc e outras empresas estão fechando plataformas offshore e evacuando tripulações desses locais.

PUBLICIDADE

O Golfo concentra 16% da produção de petróleo dos EUA, 2% da produção de gás natural e 48% da capacidade de refino do país. Depois que o Ida passar pela região, ele também poderá inundar as safras de algodão, milho, soja e cana-de-açúcar, disse Don Keeney, meteorologista da Maxar.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia mais

Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

Eduardo Leite diz que terceira via só vai se viabilizar em março

Hidrelétricas podem ser desativadas por conta da seca, avisa Bolsonaro