promo
Agro

Agfintech LeveAgro quer captar R$ 10 milhões ainda em 2021 para expandir atuação

Empresa que atua na compra e venda de fertilizantes quer elevar faturamento a R$ 200 milhões nos próximos 12 meses, incluir novos insumos no portfólio e lançar token no mercado de criptomoedas

Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — Com pouco mais de 12 meses de vida e um faturamento de R$ 5 milhões, a LeveAgro está indo ao mercado em busca de R$ 10 milhões de investidores para expandir seus negócios. Desse total, R$ 2,5 milhões serão captados por meio de uma oferta pública de ações via crowdfunding (investimento coletivo), onde venderá 3,57% das ações da empresa. Os demais R$ 7,5 milhões serão oferecidos a investidores institucionais ainda este ano, assim que a primeira rodada terminar.

Com os aportes e o plano de negócios embaixo do braço, a empresa prevê faturar R$ 200 milhões nos próximos 12 meses. Para isso, além dos fertilizantes, a LeveAgro quer incorporar à plataforma outros insumos, como defensivos.

“Cerca de 50% desse capital será usado para a compra de matéria-prima. Estamos em uma situação em que fizemos um churrasco, chegaram mais pessoas e ficamos sem dinheiro para comprar mais carne”, afirma Eduardo Nunes, presidente da empresa.

Veja mais: Bayer investe em startup que busca reduzir uso de fertilizantes

Hoje, a LeveAgro é uma plataforma que permite fazer em tempo real cotações de fertilizantes, um dos segmentos mais concentrados do agronegócio. Na outra ponta, a empresa também atua na importação direta desses insumos, o que garante uma melhor margem de negociação junto aos produtores e também nas vendas aos clientes institucionais.

Mas a expansão não se restringe ao aumento da venda de fertilizantes e inclusão de outros insumos. A LeveAgro pretende dar os primeiros passos no universo das fintechs e das criptomoedas. “Queremos trazer uma estrutura alternativa de financiamento para o cliente final. Além de fazer a cotação e compra de insumos, o produtor poderá ter sua análise de crédito feita, gerar um rating, emitir uma CPR e já sair com o título registrado no cartório e na B3, em um processo mais rápido do que geralmente ocorre”, afirma Nunes.

Veja mais: EuroChem compra operação de fosfato salitre da Yara no Brasil

Mas as expectativas não param aí. No plano de negócios da LeveAgro está também a entrada no mercado de criptomoedas. A empresa pretende emitir tokens para que possam ser negociados no mercado de cripto. Não à toa que a escolha do parceiro para fazer a captação via crowdfunding foi a Clearbook, empresa certificada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e que tem como controlador o grupo 2TM, mesmo dono do Mercado Bitcoin.

Apesar de uma operação relativamente pequena, a LeveAgro nasceu a partir da NPK, empresa que atuava como uma revenda de fertilizantes e que faturou R$ 13 milhões em 2019. Nunes, aliás, era responsável pela comercialização de fertilizantes da Louis Dreufys Commodities (LDC). Com o processo de digitalização iniciado em 2020 por conta da pandemia, a empresa mudou a forma de atuar, deu um passo atrás, redesenhou toda a operação e mudou de nome. Com sede em São Paulo, a LeveAgro tem filiais em Catalão, Cuiabá e Curitiba.

Leia também

Quem são e o que pensam os líderes em criptomoedas da América Latina em 2021

Produtores de soja do Maranhão recebem primeiro pagamento sobre serviço ambiental

El Salvador faz lançamento de bitcoin com 200 caixas eletrônicos

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.