promo
Tech

Facebook é alvo de novo caso antitruste nos EUA

A ação é parte de um amplo esforço de legisladores e autoridades da concorrência para controlar o poder das maiores empresas de tecnologia no país

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Autoridades antitruste dos EUA recorreram nesta quinta-feira de um processo concorrencial contra o Facebook Inc., buscando retomar um processo histórico que um juiz rejeitou em junho.

A FTC (Federal Trade Commission) entrou com nova queixa no tribunal federal de Washington, alegando que o Facebook violou leis antitruste ao comprar o Instagram e o WhatsApp para eliminá-los como concorrentes. A nova ação, assim como a anterior, pede ao tribunal a anulação das aquisições.

As ações do Facebook subiram 0,08% nesta quinta, mas acumulam alta de cerca de 30% neste ano.

Veja mais: Facebook diz que sua carteira digital está ‘pronta para chegar ao mercado’

A agência está tentando retomar o caso, rejeitado pelo juiz distrital dos EUA James Boasberg em junho, dizendo que não forneceu detalhes suficientes para apoiar sua alegação de que o Facebook tem o monopólio no mercado de mídia social. Boasberg deu à FTC 30 dias para corrigir o erro e recorrer do caso, e a comissão ganhou um prazo até 19 de agosto.

O caso do Facebook, apresentado pela primeira vez em dezembro, representa um teste inicial para a presidente da FTC, Lina Khan, que foi nomeada chefe da agência em junho pelo presidente Joe Biden. Khan é um dos principais defensores de uma postura antitruste mais enérgica contra as empresas e já está tomando medidas para reforçar a autoridade da agência.

O Facebook está tentando impedir Khan de participar do caso, argumentando que seus escritos acadêmicos sobre a empresa e seu trabalho no painel antitruste da Câmara, que investigou o Facebook e outras plataformas de tecnologia, mostraram que ela é tendenciosa.

A ação é parte de um amplo esforço de legisladores e autoridades da concorrência para controlar o poder das maiores empresas de tecnologia dos EUA. Além do caso do Facebook, o Departamento de Justiça e procuradores-gerais de todo o país têm vários processos pendentes contra o Google, enquanto democratas e republicanos no Capitólio estão avançando com uma série de projetos de lei que imporiam novas restrições à forma como as empresas fazem negócios.

Apoiadores do processo do Facebook disseram que a decisão de Boasberg ilustrou as barreiras legais que o governo enfrenta para abrir casos de monopólio. Os defensores da reforma dizem que as decisões dos tribunais ao longo de décadas permitiram efetivamente que as empresas dominantes se engajassem em táticas anticompetitivas e que o Congresso deve dar aos seus aplicadores nova autoridade.

Boasberg não apenas descartou o caso da FTC. Ele também rejeitou um caso paralelo de procuradores-gerais estaduais liderados por Nova York, sem lhes dar a oportunidade de tentar novamente. O juiz disse que os estados esperaram muito para contestar as aquisições do Facebook. O Facebook comprou o Instagram em 2012 e o WhatsApp em 2014. A doutrina jurídica aplicável aos estados não se aplica à FTC.

Boasberg também estreitou o caso da FTC. Além de tentar desfazer os dois negócios, a FTC disse que o Facebook tentou frustrar a concorrência apenas permitindo que aplicativos de terceiros se conectassem à sua plataforma com a condição de que não competissem com o Facebook e não se conectassem a outras redes sociais.

A FTC argumentou que a política impedia os aplicativos de oferecerem recursos que poderiam competir com o Facebook e impedia que aplicativos promissores evoluíssem para concorrentes que poderiam ameaçar o monopólio do Facebook.

Boasberg rejeitou essa parte do caso FTC. O juiz escreveu que, de acordo com a lei antitruste existente estabelecida pelos tribunais, as empresas não têm a obrigação de fazer negócios com outras empresas e podem “recusar-se a negociar” até mesmo para evitar que um rival possa concorrer.

“Um monopolista não tem obrigação de negociar com seus concorrentes e a recusa em fazê-lo geralmente está dentro da lei”, escreveu Boasberg. “A FTC, portanto, não pode chegar a lugar nenhum ao reenquadrar a adoção do Facebook de uma política de se recusar a lidar com todos os concorrentes como a execução de um esquema ilegal de manutenção de monopólio”.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Plano da Amazon de abrir lojas de departamento assusta setor

Citi contrata executivo do BofA e traz chefe de ações da América Latina a SP