promo
Negócios

Plano da Amazon de abrir lojas de departamento assusta setor

Notícia de possíveis unidades físicas da varejista ajudou a derrubar ações de concorrentes nos EUA

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A notícia de que a Amazon.com planeja abrir lojas de departamento sacudiu ações de varejo justo quando alguns dos maiores nomes do setor mostram fortes lucros, um sinal de novos desafios à frente.

A Amazon abrirá várias unidades físicas que irão competir com lojas de departamento, segundo artigo do Wall Street Journal publicado nesta quinta-feira (19), citando pessoas não identificadas com conhecimento do assunto. As primeiras lojas devem ser abertas em Ohio e Califórnia e terão cerca de 2.800 metros quadrados, menores do que uma loja de departamento típica, segundo o WSJ.

A notícia derrubou ações de grandes varejistas na manhã de quinta-feira, que depois mostraram ligeira recuperação.

A Amazon não quis comentar.

O projeto levanta dúvidas sobre a parceria entre a Amazon e a Kohl’s Corp., que há vários anos aceita devoluções de itens comprados na gigante de comércio eletrônico. A CEO da Kohl, Michelle Gass, citou a parceria como um fator de maior tráfego de clientes para a rede e disse que isso ajudou a atrair consumidores mais jovens.

Em entrevista na quinta-feira, Gass observou que a parceria de sua rede com a Amazon ainda representa uma situação “ganha-ganha” para ambas as empresas.

Veja mais: Amazon atrai anunciantes de Facebook depois de mudanças da Apple

“É muito importante termos uma oferta diferenciada em relação a toda a concorrência no varejo”, disse Gass. “Há muita participação de mercado” a ser conquistada, acrescentou.

A Amazon tem um histórico de assustar investidores quando entra em um setor, seja de supermercados ou saúde. Mas as ações muitas vezes se recuperam quando as ambições da Amazon se chocam com a realidade, como seu empreendimento fracassado com o JPMorgan Chase e Berkshire Hathaway para remodelar o seguro de saúde.

Embora a Amazon seja conhecida pelo comércio eletrônico, não é novata no mundo físico. A empresa tem livrarias físicas depois de estrear em Seattle em 2015 e é dona da rede de supermercados Whole Foods. A Amazon também já estudou a abertura de lojas de varejo de desconto para a venda de artigos domésticos e eletrônicos, informou a Bloomberg.

‘Falta de inovação’

Neil Saunders, diretor-gerente da GlobalData, disse que a recente cartada da Amazon será “experimental no início”, mas pode acabar sendo “uma notícia muito ruim para lojas de departamento tradicionais”.

Veja mais: Amazon desenvolverá instalação de carga aérea no aeroporto de Newark

“A Kohl’s pode ser impactada, no mínimo porque a Amazon tende a favorecer locais semelhantes aos seus”, disse Saunders por e-mail. “A Macy’s, que supostamente está desenvolvendo seu próprio conceito de loja de departamento de menor porte, chamada Market by Macy’s, está atrasada na implantação.”

Ele acrescentou que “com a falta de inovação das lojas de departamento tradicionais, suas defesas são muito frágeis, então a última coisa de que precisam é se defender de um novo invasor em seu espaço”.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Ibovespa se encaminha para 4ª queda consecutiva com exterior; dólar avança acima de R$ 5,40

Citi contrata executivo do BofA e traz chefe de ações da América Latina a SP

Estudo britânico indica menor eficácia de vacinas contra delta