WhatsApp prepara serviço de pagamentos para grandes empresas, diz executivo

Em entrevista à Bloomberg Línea, Guilherme Horn, head do WhatsApp para Mercados Estratégicos, explicou a estratégia de monetização do aplicativo no Brasil

Sede da Meta, dona do WhatsApp, em Menlo Park, na Califórnia: holding investe para ampliar a monetização por meio do app (Foto: David Paul Morris/Bloomberg)
30 de Agosto, 2023 | 04:50 AM

Bloomberg Línea — Depois de disponibilizar um serviço de pagamentos a pequenas e médias empresas no Brasil, o WhatsApp se prepara para expandir a ferramenta para atender grandes empresas, afirmou Guilherme Horn, head do WhatsApp para Mercados Estratégicos, em entrevista à Bloomberg Línea.

Segundo Horn, que não abriu a data exata do início da ampliação do serviço, o objetivo é atender desde profissionais autônomos até grandes empresas por meio do WhatsApp Pay, que concorre também com outros meios de pagamentos digitais usados no Brasil, incluindo o Pix.

“Em julho o WhatsApp Pay chegou finalmente a 100% do mercado. Portanto isso é muito recente. Essa jornada de comprar pelo WhatsApp já existe. O objetivo agora é oferecer aos usuários a conveniência de realizar transações dentro do próprio aplicativo, eliminando a necessidade de alternar entre diferentes plataformas”, disse. “Até agora, o comportamento está sendo como esperávamos.”

O executivo destacou que o Brasil desempenha um papel vital na estratégia do WhatsApp, sendo um país referência em termos de uso da plataforma para comunicação e comércio.

PUBLICIDADE

Em abril, o WhatsApp começou a permitir que empresas recebam pagamentos de clientes por meio do aplicativo no Brasil. O serviço é integrado com bandeiras emissoras de cartões e adquirentes, mas não aceita Pix. É possível pagar por bens e serviços usando cartões de débito, crédito e pré-pagos da Mastercard (MA) e da Visa (V).

Pequenas empresas que utilizam o aplicativo WhatsApp Business podem vincular um parceiro de pagamento compatível, como Cielo (CIEL3), Mercado Pago, a fintech do Mercado Livre (MELI) ou Rede, do Itaú (ITUB4), e criar um pedido dentro do aplicativo para aceitar pagamentos de clientes.

Além dos pagamentos, a solução para negócios da Meta (META) engloba tanto as mensagens pagas, enviadas a partir da API do WhatsApp, como os anúncios “Clique-para-Mensagem”, formato que leva o consumidor do Instagram e do Facebook para o WhatsApp, o Messenger ou o Instagram Direct para uma conversa com a marca.

'O objetivo agora é oferecer aos usuários a conveniência de realizar transações dentro do próprio aplicativo'dfd

Segundo Horn, mais de 40% dos anunciantes no Brasil usam o click-to-message e a receita diária de anúncios dessa funcionalidade cresceu mais de 80% em relação ao ano anterior. Ele afirmou que o WhatsApp já está gerando receitas significativas por meio de anúncios clicáveis e mensagens pagas. A Meta afirma que a receita do recurso “Clique-para-Mensagem”’ é de US$ 10 bilhões (annual run rate).

Além do serviço de pagamentos, o WhatsApp tem investido em outras ferramentas em um esforço estratégico para atender clientes corporativos. Uma delas é a integração com a inteligência artificial generativa para melhorar a experiência de comunicação com as empresas.

No Brasil, o Magazine Luiza (MGLU3) testa uma integração entre o catálogo do WhatsApp e os sistemas corporativos, permitindo atualizações instantâneas de preços e estoques no catálogo do aplicativo. Segundo Horn, essa funcionalidade foi lançada na Índia no ano passado.

Comunicação com empresas

O executivo do WhatsApp afirmou que o aplicativo é a plataforma de comunicação central para milhões de pessoas na América Latina e compartilhou dados sobre o crescente uso da ferramenta pelas empresas para se conectarem com clientes.

PUBLICIDADE

“Existe uma realidade hoje no Brasil que é o fato de que a grande maioria das pessoas está falando diariamente com as empresas por meio do WhatsApp”, disse Horn.

No primeiro semestre, a Meta encomendou uma pesquisa à Kantar, que foi realizada em 13 países (Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Espanha, Índia, México, Brasil, Indonésia, Tailândia, Vietnã, Malásia e Filipinas), para entender o comportamento dos usuários em relação a mensagens instantâneas de e-commerce. Segundo a empresa, o Brasil lidera no uso entre esses países.

De acordo com dados apresentados pela Meta, 76% dos brasileiros enviam mensagens para empresas uma vez por semana, e 80% dos brasileiros preferem se comunicar com elas por meio de mensagens.

“Uma surpresa do estudo foi que não esperávamos que 79% dos consumidores se sentem frustrados quando uma empresa não oferece mensagem como opção”, disse. “É uma reação negativa dos consumidores quando não encontram o ícone do WhatsApp. É uma sinalização.”

Leia também

Em ano de demissões, Meta quer crescer em pagamentos na América Latina, diz VP

WeWork aciona Alvarez & Marsal para reestruturar sua dívida fora dos tribunais

Arm usa 3.500 palavras para explicar seus riscos na China antes de IPO

Isabela  Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups