De bilionários a startups: corrida para superar EUA em IA vira obsessão na China

Com aval do Partido Comunista, executivos e pesquisadores desenvolvem novas aplicações que, acreditam, vão definir dos líderes do futuro ao poderio geopolítico

Baidu
Por Jane Zhang - Sarah Zheng
28 de Junho, 2023 | 04:50 AM

Bloomberg — A indústria de tecnologia da China tem uma nova obsessão: competir com titãs dos EUA como Google (GOOG) e Microsoft (MSFT) na vertiginosa corrida global da Inteligência Artificial (IA).

De empresários bilionários a engenheiros de nível médio e veteranos de empresas estrangeiras, todos agora abrigam uma ambição notavelmente consistente: superar os Estados Unidos, principal rival geopolítico da China, em uma tecnologia que pode determinar as apostas de poder global.

Entre eles está o magnata da internet Wang Xiaochuan, que entrou em campo depois que o ChatGPT da OpenAI estreou causando uma tempestade em mídia social em novembro passado.

O empresário se junta às fileiras de cientistas, programadores e financiadores chineses - incluindo ex-funcionários da ByteDance, do TikTok, da plataforma de e-commerce JD.com e do Google -, que devem impulsionar cerca de US$ 15 bilhões em gastos com tecnologia de IA neste ano.

PUBLICIDADE

Para Wang, que fundou o mecanismo de busca Sogou que a Tencent comprou em um negócio de US$ 3,5 bilhões há menos de dois anos, a oportunidade surgiu rapidamente. Em abril, o graduado em ciência da computação já havia criado sua própria startup e garantido US$ 50 milhões em capital inicial.

Ele procurou ex-subordinados da Sogou, muitos dos quais ele convenceu a embarcar na empreitada. Em junho, sua empresa lançou um grande modelo de linguagem de código aberto que já está em uso por pesquisadores das duas universidades mais importantes da China.

3 anos em menos tempo

“Todos nós ouvimos o som da pistola de partida na corrida. As empresas de tecnologia, grandes ou pequenas, estão todas na mesma linha de partida”, disse Wang, que batizou sua startup de Baichuan ou “Cem Rios”, à Bloomberg News. “A China ainda está três anos atrás dos EUA, mas talvez não precisemos de três anos para alcançá-los.”

O talento chinês de primeira linha e o financiamento que flui para a IA refletem uma onda de atividade que convulsiona o Vale do Silício, o que tem profundas implicações para o crescente conflito de Pequim com Washington.

China ainda está atrás dos EUA no valor total de negócios envolvendo empresas de IAdfd

Analistas e executivos acreditam que a IA moldará os líderes tecnológicos do futuro, assim como a internet e o smartphone criaram titãs globais. Além disso, poderia impulsionar aplicações de supercomputação para proezas militares – potencialmente inclinando para algum lado o equilíbrio geopolítico.

A China representa um cenário muito diferente, controlado pelas sanções tecnológicas dos EUA, dados dos reguladores e demandas de censura e desconfiança ocidental que limita a expansão internacional de seus campeões nacionais. Tudo isso tornará mais difícil alcançar os EUA.

Os investimentos em IA nos EUA superam os da China, totalizando US$ 26,6 bilhões no ano até meados de junho, contra US$ 4 bilhões da China, de acordo com dados não relatados anteriormente levantados pela consultoria Preqin.

PUBLICIDADE

No entanto, essa lacuna diminui gradualmente, pelo menos em termos de fluxo de negócios (veja abaixo). O número de acordos de capital de risco chineses em IA representou mais de dois terços do total de cerca de 450 dos EUA no ano até meados de junho, contra cerca de 50% nos dois anos anteriores.

Os acordos de capital de risco para IA baseados na China também ultrapassaram a tecnologia de consumo em 2022 e no início de 2023, de acordo com a Preqin.

Tudo isso não está perdido em Pequim.

Apoio do Partido Comunista

A administração de Xi Jinping percebe que a IA, assim como os semicondutores, será fundamental para manter a ascendência da China e provavelmente mobilizará os recursos do país para impulsionar os avanços. Embora o investimento em startups tenha diminuído durante os anos em que Pequim foi atrás de gigantes da tecnologia e da “expansão imprudente do capital”, o sentimento é que o Partido Comunista encoraja a exploração da IA.

China começa a reduzir o gap em relação aos EUA no número de negócios envolvendo startups de IAdfd

É um desafio familiar para os players de tecnologia chineses.

Durante a era de ouro para celulares, uma geração de startups liderada pela Tencent, pelo Alibaba Group e pela proprietária do TikTok, a ByteDance, construiu uma indústria que poderia rivalizar genuinamente com o Vale do Silício. Ajudou o fato de Facebook, YouTube e WhatsApp terem sido excluídos do mercado em expansão com 1,4 bilhão de pessoas.

Ocidente fora da disputa na China

Em um ponto em 2018, o financiamento de capital de risco na China estava a caminho de superar o dos EUA – até que a guerra comercial exacerbou uma crise econômica. Essa situação, em que as empresas locais prosperam quando os rivais dos EUA estão ausentes, provavelmente acontecerá mais uma vez em uma arena de IA da qual o ChatGPT e o Bard do Google estão efetivamente barrados.

Grandes modelos de IA poderiam eventualmente se comportar como os sistemas operacionais de smartphones Android e iOS, que forneceram a infraestrutura ou plataformas nas quais Tencent, ByteDance e Ant Group abriram novos caminhos: nas mídias sociais com WeChat, em vídeos com Douyin e Tiktok e em pagamentos com o Alipay.

A ideia é que os serviços generativos de IA possam acelerar o surgimento de novas plataformas para hospedar uma onda de aplicativos revolucionários para empresas e consumidores.

Essa é uma potencial mina de ouro para uma indústria que acaba de emergir do trauma da repressão de dois anos na internet por parte de Xi, que privou as empresas de tecnologia do crescimento inebriante dos anos anteriores. Hoje, ninguém quer perder o que o CEO da Nvidia (NVDA), Jensen Huang, chamou de “momento iPhone” de sua geração.

“Esta é uma corrida armamentista de IA acontecendo tanto nos EUA quanto na China”, disse Daniel Ives, analista sênior da Wedbush Securities.

“A tecnologia chinesa está lidando com um ambiente regulatório mais rígido em torno da IA, o que coloca uma mão nas costas nesta batalha de ‘Game of Thrones’. Esta é uma oportunidade de mercado de US$ 800 bilhões globalmente na próxima década que estimamos em torno da IA, e estamos apenas nos estágios iniciais”, afirmou.

A determinação de capturar o OpenAI é aparente na maneira aleatória em que incumbentes que vão da Baidu e da SenseTime ao Alibaba lançaram bots de IA no espaço de poucos meses.

Juntando-se a eles estão alguns dos maiores nomes da indústria.

A lista inclui Wang Changhu, ex-diretor do Laboratório de IA da ByteDance; Zhou Bowen, ex-presidente da divisão de IA e computação em nuvem da JD.com; o co-fundador da Meituan, Wang Huiwen, e o atual chefe, Wang Xing; e o investidor de VC Kai-Fu Lee, que fez seu nome apoiando o Baidu.

O ex-presidente do Baidu, Zhang Yaqin, agora reitor do Instituto de Pesquisa da Indústria de IA da Universidade de Tsinghua e supervisor de vários projetos emergentes, disse à mídia chinesa em março que os investidores o procuraram quase diariamente naquele mês.

Ele estima que haja até 50 empresas trabalhando em grandes modelos de linguagem em todo o país. Wang Changhu, ex-pesquisador principal da Microsoft Research antes de ingressar na Bytedance em 2017, disse que dezenas de investidores o abordaram no WeChat em um único dia, quando ele se preparava para montar sua startup de IA generativa.

“Esta é pelo menos uma oportunidade única em uma década, uma oportunidade para as startups criarem empresas comparáveis aos gigantes”, disse Wang à Bloomberg News.

Muitas das empresas incipientes são voltadas diretamente para o público doméstico, dada a crescente preocupação do Ocidente com a tecnologia chinesa. Mesmo assim, há um campo aberto em um mercado consumidor cercado por eles mesmos, que também é a maior arena da internet do mundo.

Obstáculos ao desenvolvimento

Em andamento estão aplicativos alimentados por IA, desde um chatbot para ajudar os fabricantes a rastrear as tendências de consumo até um sistema operacional inteligente que oferece companhia para combater a depressão e ferramentas empresariais inteligentes para transcrever e analisar reuniões.

Ainda assim, as demonstrações chinesas até agora deixam claro que a maioria ainda tem um longo caminho a percorrer.

Os céticos apontam que a verdadeira inovação requer a exploração e a experimentação livres que os EUA cultivam, mas são contidas na China. A censura generalizada, por sua vez, significa que os conjuntos de dados que os aspirantes da China estão usando são inerentemente falhos e artificialmente limitados, argumentam eles.

“Os investidores estão perseguindo o conceito”, disse Grant Pan, diretor financeiro da Noah Holdings, cuja subsidiária Gopher investe em mais de 100 fundos, incluindo Sequoia China (agora HongShan) e ZhenFund na China. “No entanto o uso comercial e o impacto nas cadeias da indústria ainda não estão claros.”

Depois, há os regulamentos de Pequim sobre IA generativa, com seu principal supervisor da internet sinalizando que o ônus de treinar algoritmos e implementar a censura recairá sobre os provedores de plataforma.

“O regime de censura de Pequim colocará os aplicativos do tipo ChatGPT da China em séria desvantagem em relação aos seus pares americanos”, disse Xiaomeng Lu, diretor da prática de geotecnologia do Eurasia Group.

Por último, mas não menos importante, poderosos chipsets de empresas como Nvidia e Advanced Micro Devices (ADM)são cruciais no treinamento de grandes modelos de IA - mas Washington os proíbe no país.

Mas esses obstáculos não impediram que os ambiciosos na China, da Baidu e da iFlytek até uma série de novas startups, visassem igualar e superar os EUA em IA.

Executivos, inclusive da Tencent, argumentam que os modelos podem incluir mais chipsets para compensar o desempenho inferior. Wang, da Baichuan, diz que se dá bem com os chips A800 da Nvidia e obterá H800s mais capazes em junho.

Outros, como Lan Zhenzhong, um veterano do AI Research Institute do Google que fundou o Westlake Xinchen, com sede em Hangzhou, em 2021, empregam uma abordagem híbrida cara. A empresa apoiada pela Baidu Ventures usa menos de 1.000 GPUs para treinamento de modelos e, em seguida, implanta serviços domésticos de nuvem para inferência ou manutenção do programa. Lan disse que custa cerca de 7 a 8 yuans por hora para alugar um chip A100 de serviços em nuvem: “Muito caro”.

O bilionário fundador do Baidu, Robin Li, que em março divulgou a primeira resposta da China ao ChatGPT, disse que os EUA e a China representam aproximadamente um terço do poder de computação do mundo. Mas isso por si só não fará diferença porque “inovação não é algo que você pode comprar”.

“Por que as pessoas não estão dispostas a investir no longo prazo e sonhar alto?” perguntou Wayne Shiong, sócio da China Growth Capital. “Agora que recebemos essa missão do outro lado, a China poderá recuperar o atraso.”

- Com a colaboração de Zheping Huang e Vlad Savov.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Inteligência artificial tomará decisões melhores que CEOs, diz Nobel de Economia

ChatGPT fomenta mercado de IA que pode chegar a US$ 1,3 tri ao ano até 2032

Estes investidores apostaram antes em startups de IA. E agora miram bilhões