Como a Apple chegou a um acordo antes improvável com a OpenAI para abraçar a IA

Parceria que deve ser anunciada na próxima semana pelo CEO Tim Cook no evento anual para desenvolvedores superou uma série de obstáculos e resistências na big tech

Tim Cook (à esquerda) e Sam Altman: um acordo com a OpenAI deve ser anunciado na conferência de desenvolvedores da Apple na próxima semana (Ilustração: Bloomberg)
Por Mark Gurman
05 de Junho, 2024 | 12:31 PM

Bloomberg — Quando Sam Altman, de 23 anos, subiu ao palco da conferência anual de desenvolvedores da Apple em 2008, ele se entusiasmou com a possibilidade de usar a nova App Store da empresa para promover seu software, um serviço de localização de amigos chamado Loopt. “Acreditamos que esta é uma nova era dos dispositivos móveis e estamos entusiasmados por fazer parte dela”, disse Altman.

Agora, 16 anos depois, a Apple está chamando o empresário novamente - mas com uma reviravolta. Desta vez, a empresa precisa de sua ajuda tanto quanto ele precisa da Apple.

Altman atualmente dirige a OpenAI, a startup líder em Inteligência Artificial generativa. E a Apple, que está em busca de reduzir o seu atraso nessa área, firmou uma parceria para integrar o ChatGPT da OpenAI ao sistema operacional do iPhone.

Embora seja improvável que o agora polêmico Altman suba ao palco do evento, o acordo será um dos principais focos da Conferência Mundial de Desenvolvedores (WWDC) da Apple na próxima semana - e mostra o quanto o poder no Vale do Silício mudou nos últimos anos.

PUBLICIDADE
Sam Altman, CEO da OpenAI, fechou um acordo com a Apple que colocará o ChatGPT no iPhone: volta ao palco de evento anual da big tech após 16 anos (Foto: Dustin Chambers/Bloomberg)dfd

O acordo proporciona à OpenAI acesso a centenas de milhões de usuários da Apple, incluindo aqueles que poderiam ter hesitado em experimentar o ChatGPT de outra forma.

Para a Apple, o acordo traz a tecnologia mais quente da era da IA - um chatbot com habilidades assustadoramente poderosas -, que pode ser combinado com seus próprios serviços.

A Apple vem desenvolvendo uma série de recursos de IA, incluindo aqueles que são executados em seus dispositivos e outros que exigem computação em nuvem. Ela também está incorporando IA à sua assistente de voz Siri. Mas o próprio chatbot da empresa ainda não está à altura.

A parceria com a OpenAI é provavelmente um “relacionamento de curto a médio prazo” para a Apple, disse Dag Kittlaus, um veterano em tecnologia que cofundou e dirigiu o negócio da Siri antes de ser adquirido pela Apple. “Mas o senhor pode apostar que eles trabalharão duro para desenvolver suas próprias competências aqui.”

Leia mais: ‘Siri, controle os apps do iPhone’: Apple prevê assistente avançado com IA

O discurso de abertura da WWDC, proferido pelo CEO Tim Cook em 10 de junho, é visto como o maior discurso de vendas da Apple em anos. A empresa precisa convencer consumidores, desenvolvedores e investidores de que pode prosperar na era da IA. E há uma pressão adicional porque os negócios existentes da Apple estão estagnados, com queda de receita em cinco dos últimos seis trimestres.

As duas empresas ainda não divulgaram o acordo publicamente, e os termos do acordo não estão claros. A Apple, com sede em Cupertino, Califórnia, não quis comentar, assim como a OpenAI, que fica em São Francisco.

PUBLICIDADE

A Apple (AAPL) já teve uma vantagem inicial em serviços de IA. Ela lançou o assistente digital Siri em 2011, superando a Alexa da Amazon (AMZN) e o Google Assistant no mercado. Mas logo ficou atrás dos rivais, e isso foi antes de uma mudança sísmica em 2022, quando o ChatGPT foi lançado.

A introdução do chatbot da OpenAI em novembro daquele ano capturou a imaginação dos consumidores e fez com que os gigantes da tecnologia se esforçassem para desenvolver seus próprios serviços de IA.

Desde então, todos os maiores concorrentes da Apple fizeram progressos.

O chatbot Gemini do Google (GOOG) compete com o ChatGPT pela supremacia no mercado nascente. A Microsoft (MSFT), maior investidora da OpenAI, começou a incorporar seu Copilot assistido por IA ao software. E a Amazon demonstrou uma versão aprimorada de IA da Alexa.

Em contrapartida, a Apple manteve suas ambições de IA em segredo até agora. Cook disse no ano passado que a empresa teria cuidado com o novo espaço e só adicionaria tecnologia de IA em uma “base muito cuidadosa”.

Mais recentemente, ele argumentou que a Apple terá uma vantagem em IA devido à sua "combinação única de integração perfeita de hardware, software e serviços".

Nos bastidores, os funcionários da Apple têm trabalhado arduamente para cumprir essa promessa. Na época do lançamento do ChatGPT, pequenas equipes das divisões de IA e engenharia de software da empresa começaram a trabalhar em um concorrente do ChatGPT, usando uma estrutura chamada Ajax.

Crescimento das vendas da Apple tem desacelerado nos últimos trimestresdfd

O chefe de software, Craig Federighi, pressionou os gerentes a incluírem a versão mais recente do sistema operacional do iPhone e do iPad - conhecido internamente como “Crystal” - com o máximo de IA possível.

A divisão de serviços de Eddy Cue começou a trabalhar em uma nova infraestrutura de data center para alimentar os serviços de IA online. Os funcionários também começaram a investigar como a IA poderia chegar ao Apple Music e aos aplicativos de produtividade de escritório da empresa.

A Apple descobriu que sua IA é capaz o suficiente para alimentar recursos como transcrições de notas de voz e edição de fotos, bem como novos recursos de pesquisa no navegador Safari e respostas automáticas em aplicativos como o Messages. No entanto, logo no início, ela percebeu que a OpenAI e o Google estavam muito à frente em chatbots e assistência imediata.

Leia mais: Apple atrai hedge funds atentos a potencial salto com IA em iPhones, diz JPMorgan

Isso colocou a Apple em uma situação difícil.

A tecnologia da própria empresa não estava pronta, e os executivos estavam preocupados com os danos à reputação causados por um chatbot desonesto. Algumas pessoas dentro da Apple tinham até uma aversão filosófica a ter um chatbot, disseram pessoas familiarizadas com a situação.

Mas já estava claro que os consumidores esperariam que a Apple oferecesse esse serviço, e isso colocou a empresa no caminho do acordo com a OpenAI.

Há vários meses, a empresa começou a se reunir com a startup - juntamente com o Google e outros fornecedores de chatbot - para integrar a tecnologia em seu software iOS.

Ao terceirizar a função de chatbot, a Apple pode se distanciar da tecnologia em si, incluindo suas imprecisões e alucinações ocasionais, disseram as pessoas.

Mas isso também vincula a Apple a uma startup assolada por tumultos e controvérsias. Altman, agora com 39 anos, foi brevemente demitido no ano passado por motivos que permanecem obscuros, e recentemente atraiu a ira da estrela de cinema Scarlett Johansson por causa de uma voz de IA semelhante.

Embora a Apple continue em negociações com o Google sobre o uso do Gemini em seus dispositivos, o fabricante do iPhone chegou primeiro a um acordo com a OpenAI.

No final, a Apple poderá oferecer uma série de chatbots de terceiros, mas negocia os acordos caso a caso, de acordo com as pessoas com conhecimento da situação.

A Apple escolheu a OpenAI como sua primeira parceira de IA por alguns motivos, disse uma das pessoas. Ela obteve melhores condições comerciais do que o Google estava oferecendo, e a Apple acredita que a tecnologia da OpenAI é a melhor disponível no mercado.

A integração da IA do Google ao iPhone também pode ter dado a impressão de que o maior rival tecnológico da Apple a superou em uma nova área vital.

O CEO da Apple, Tim Cook, disse que a capacidade da empresa de integrar hardware, software e serviços lhe dará uma vantagem em IA (Foto: David Paul Morris/Bloomberg)dfd

A OpenAI, por sua vez, terá a exposição gigantesca que advém do fato de estar profundamente integrada a alguns dos smartphones e tablets mais vendidos do mundo.

Ainda assim, o envolvimento da Apple pode trazer um novo exame minucioso das questões de segurança e privacidade que giram em torno do ChatGPT.

A depender da profundidade com que a Apple planeja integrar o chatbot ao seu software, isso também pode significar que a OpenAI tem acesso a informações pessoais, o que pode irritar alguns usuários.

Mas espera-se que a Apple ofereça seus novos recursos de IA como um serviço opcional, de acordo com as pessoas familiarizadas com o assunto. Assim, os clientes mais cautelosos poderiam facilmente se afastar deles, se preferirem.

Independentemente disso, o acordo com a OpenAI é provavelmente uma medida provisória. A Apple tem um longo histórico de eventualmente trazer tecnologia externa para dentro da empresa, como quando substituiu os chips da Intel (INTC) por seu próprio silício.

Leia mais: Apple: decisão de abandonar projeto de carro mostra maior aposta em IA e headsets

A Apple também procura ir além dos chatbots. Ela pretende usar grandes modelos de linguagem (LLM) - uma tecnologia-chave por trás da IA generativa - para ajudar a alimentar um par de dispositivos robóticos que está desenvolvendo secretamente, disseram as pessoas à Bloomberg News.

Isso inclui um braço robótico de mesa com uma tela grande, semelhante à do iPad. A empresa também trabalha em um robô móvel que pode seguir os usuários e realizar tarefas em seu nome. E procura equipar seus AirPods com câmeras e recursos de IA.

De forma mais imediata, há a oportunidade de a Siri finalmente atingir seu potencial, disse Kittlaus. Isso poderia trazer alguma justificativa para uma empresa que idealizou o sonho de um assistente pessoal inteligente sob o comando do cofundador Steve Jobs.

"Não há mais restrições técnicas para concretizar a visão original da Siri", disse Kittlaus.

- Com a colaboração de Rachel Metz e Shirin Ghaffary.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Ele ajudou a popularizar o PC. E avisa: computador com IA será bem comum já em 2025

Como a Microsoft superou a Apple e se tornou a empresa de maior valor de mercado

©2024 Bloomberg L.P.