‘Próxima revolução industrial começou’, diz CEO da Nvidia sobre demanda por IA

Jensen Huang diz que começa a vender sua tecnologia para mercado que vai de empresas de internet a clientes de saúde; receitas triplicam no trimestre e novo guidance supera projeções

Jensen Huang Nvidia CEO GTC 2024
Por Ian King
22 de Maio, 2024 | 06:35 PM

Bloomberg — “A próxima revolução industrial começou,” disse o CEO da Nvidia, Jensen Huang, em comunicado sobre os resultados trimestrais da gigante de chips para Inteligência Artificial, ecoando um de seus temas favoritos.

“A IA trará ganhos significativos de produtividade para quase todas as indústrias e ajudará as empresas a serem mais eficientes em termos de custos e energia, ao mesmo tempo que amplia as oportunidades de receita”, disse o executivo que, de certa forma, advoga também em causa própria, mas cujos números apresentados trimestre após trimestre corroboram o diagnóstico.

A Nvidia (NVDA), fabricante de chips no centro das atenções sobre o mercado potencial que envolve o avanço da inteligência artificial, apresentou outra previsão otimista de vendas para o atual trimestre, em uma amostra de que os gastos corporativos com computação de IA continuam fortes.

A receita do segundo trimestre será de cerca de US$ 28 bilhões, disse a empresa em um comunicado nesta quarta-feira (22) depois do fechamento do mercado. Analistas de Wall Street previam no consenso US$ 26,8 bilhões, segundo dados da Bloomberg News.

PUBLICIDADE

Os resultados do primeiro trimestre fiscal, que terminou em abril, também superaram as projeções (veja mais abaixo).

Leia mais: O que o balanço da Nvidia pode sinalizar sobre o futuro das big techs na bolsa

O guidance reforça o status da Nvidia como a maior beneficiária dos gastos de outras companhias com o desenvolvimento da IA.

Os chamados aceleradores de IA da empresa - chips que ajudam data centers a desenvolver chatbots e outras ferramentas de ponta - se tornaram um produto muito procurado nos últimos dois anos. O valor de mercado da Nvidia também disparou no período, ultrapassando US$ 2,3 trilhões.

A ação subia cerca de 6% nas negociações estendidas do mercado nesta quarta-feira, superando a marca simbólica de US$ 1.000. Elas já haviam subido cerca de 95% neste ano até o fechamento, impulsionadas pelas esperanças dos investidores de que a empresa continuaria a superar as expectativas.

A empresa também anunciou um desdobramento de ações de 10 para 1.

A Nvidia, co-fundada por Huang em 1993, começou como uma fornecedora de placas gráficas para games de computador. Sua percepção de que os chips da empresa eram adequados para desenvolver software de inteligência artificial ajudou a abrir um novo mercado - e proporcionou uma vantagem sobre os concorrentes.

PUBLICIDADE

O lançamento do ChatGPT da OpenAI em 2022 desencadeou uma corrida entre grandes empresas de tecnologia para construir sua própria infraestrutura de IA. A corrida fez dos aceleradores H100 da Nvidia um produto indispensável. Eles são vendidos por dezenas de milhares de dólares por chip e muitas vezes estão em escassez.

Diversificação da demanda e IA soberana

Mas grande parte dessa nova receita veio de um pequeno grupo de clientes.

Um grupo de quatro empresas - Amazon, Meta Platforms, Microsoft e Google, da Alphabet - são os maiores compradores da Nvidia e representam cerca de 40% das vendas.

Huang, 61 anos, tem buscado diversificar suas apostas ao produzir computadores completos, software e serviços, voltados para ajudar mais empresas e agências governamentais a implantarem seus próprios sistemas de IA.

Receitas trimestrais da Nvidia continuam a disparar com demanda por IA e já superam o ganho de anos inteiros em anos recentesdfd

No primeiro trimestre fiscal, a receita da Nvidia mais que triplicou na base anual, chegando a US$ 26 bilhões. Excluindo certos itens, o lucro foi equivalente a US$ 6,12 por ação. Analistas previam no consenso vendas de cerca de US$ 24,7 bilhões e ganhos de US$ 5,65 por ação.

A divisão de data centers da Nvidia - agora de longe sua maior fonte de vendas - gerou US$ 22,6 bilhões em receita. Os chips de jogos forneceram US$ 2,6 bilhões. Analistas tinham estabelecido metas de US$ 21 bilhões para a unidade de data centers e US$ 2,6 bilhões para jogos.

A Nvidia enfatizou que pretende vender sua tecnologia para um mercado mais amplo, indo além dos grandes provedores de computação em nuvem conhecidos como hyperscalers.

Huang disse que a IA está se movendo para empresas de internet voltadas para consumidores, fabricantes de automóveis e clientes de saúde. Países também têm desenvolvido seus próprios sistemas - uma tendência conhecida como IA soberana.

Leia mais: Na ‘Woodstock da IA’, CEO da Nvidia aponta ‘novo motor para revolução industrial’

Essas oportunidades estão “criando múltiplos mercados verticais de bilhões de dólares” além dos provedores de serviços em nuvem, disse o cofundador da Nvidia.

Ainda assim, os hyperscalers permaneceram um motor de crescimento crítico para a Nvidia no último trimestre. Eles geraram aproximadamente 45% da receita de data centers da empresa. Isso sugere que a Nvidia está nos estágios iniciais de diversificação de seus negócios.

A nova plataforma de chips da empresa, chamada Blackwell, agora está em plena produção, disse Huang. E ela estabelece a base para a IA generativa que pode lidar com trilhões de parâmetros. “Estamos preparados para nossa próxima onda de crescimento,” ele disse.

Leia também

Nubank mal começou sua expansão global, diz David Vélez sobre planos do banco