CEO do Google Brasil: ‘IA é transformação mais significativa que veremos no planeta’

Em painel com a Intel e a Nvidia, o presidente do Google para o Brasil, Fábio Coelho, disse que os executivos precisam advogar junto às companhias que representam para trazer tecnologias para o país

Bloomberg Línea Summit 2023
23 de Outubro, 2023 | 05:10 PM

Bloomberg Línea — O CEO do Google no Brasil, Fábio Coelho, disse que a inteligência artificial é a “transformação mais significativa que veremos nesse planeta”. A declaração foi dada durante um painel sobre o tema no Bloomberg Línea Summit realizado nesta segunda-feira (23).

“Ela não é apenas incremental, mas é inovadora. Tem um pedaço disso que é da natureza humana, acreditar no grande. Já temos infraestrutura, data centers, modelo de processamento com chips muito bem feitos”, disse Coelho, em painel ao lado de Claudia Muchaluat, presidente da Intel (INTC) no Brasil, e Marcio Aguiar, diretor da América Latina para a Nvidia (NVDA).

Há sete anos o Google trabalha em inteligência artificial e agora possui recursos para sua IA generativa, o Bard, com ferramentas como o Vertex AI e o Duet AI.

Coelho fez uma analogia do impacto da IA com o de uma onda, parecendo pequena à distância, mas imensa quando se quebra perto da praia.

PUBLICIDADE
LEIA +
Varejo reforça a aposta em IA e redes sociais para captar tendências

Ele destacou o potencial do Brasil em resolver problemas locais utilizando IA, como na agricultura e no combate às mudanças climáticas.

Para ele, IA pode trazer melhoramento de eficiência em vários setores, desde seguradora melhorando sinistros com fotos, professoras virtuais, até prever doenças, como já tem sido feito com o Hospital Albert Einstein.

Potencial para o Brasil

Segundo Coelho, para além do aumento de eficiência do negócio em marketing e solução logísticas inteligentes, IA pode ser aplicada no Brasil como oportunidade de resolver a questão educacional e impulsionar o agro e resolver problemas para a população em situação vulnerável no país.

PUBLICIDADE

“Problemas de países emergentes são mais fáceis de serem resolvidos por quem vive nesses países. Primeiro é trazer tecnologia de fora e outra é desenvolver tecnologia no Brasil. Trazendo essa propriedade intelectual para o Brasil temos que advogar junto às companhias que representamos para trazer tecnologias para cá e também produzir propriedade intelectual brasileira”, disse Coelho.

Durante o painel, a presidente da Intel no Brasil, Claudia Muchaluat, disse que a inteligência artificial não é apenas um “hype” passageiro.

Ela destaca que o conceito já existe há décadas, e a era atual de IAs generativas, impulsionada por gigantes como Google, da Alphabet (GOOGL), e Microsoft (MSFT), trouxe uma onda de transformação sem precedentes.

“Aprendendo a fazer perguntas corretas, qualquer um pode se beneficiar de IA”, afirmou, evidenciando a importância da inclusão e da assistência em tempo real.

Marcio Aguiar, diretor da América Latina para a Nvidia, reforçou o compromisso da Nvidia com a IA, dizendo que a empresa tem otimizado plataformas de software e entregado soluções completas para empresas. Em sua visão, a ascensão da IA não é uma onda passageira, mas sim “um swell que estamos apenas começando”.

Tecnologia aplicada à prática

Aguiar mencionou a parceria da Nvidia com a BYD em veículos autônomos, enquanto Muchaluat falou sobre colaborações da Intel, como a tecnologia de visão computacional desenvolvida com a Asus, e uma solução de IA com o Incor.

Já Coelho destacou o poder dos dados e como a boa cultura de dados pode gerar eficiência nos negócios.

PUBLICIDADE

Os palestrantes reconhecem que o Brasil enfrenta desafios, mas também vêem oportunidades significativas. Coelho acredita que, ao trazer e desenvolver tecnologias no Brasil, podemos resolver problemas específicos de países emergentes.

Muchaluat reforçou a importância da capacitação da população brasileira em novas tecnologias, e Aguiar destacou o papel das startups, mencionando que a Nvidia já garantiu tecnologia para 300 focadas em IA.

Leia também

Bancos veem volta de IPOs em 2024 no Brasil, mas com foco em novo perfil de empresas

Isabela  Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups