SoftBank começa a vender, com lucro, alguns de seus investimentos em LatAm

Em entrevista à Bloomberg News, Alex Szapiro, líder para a região, cita negócios recentes do grupo japonês como a venda da Pismo para a Visa e diz que novos estão por vir

Soft Bank
Por Cristiane Lucchesi - Daniel Cancel
22 de Agosto, 2023 | 11:35 AM

Bloomberg — O SoftBank iniciou a venda de algumas de suas participações na América Latina com lucro, mesmo com o mercado de capitais fechado para ofertas públicas iniciais de ações das startups da região.

O fundo japonês está entre os vendedores na Pismo, uma empresa brasileira de tecnologia financeira que a Visa concordou em adquirir por US$ 1 bilhão em um negócio anunciado em junho.

Com a transação, prevista para ser concluída até o final do ano, o SoftBank mais que dobrou seu investimento inicial na Pismo em 18 meses, de acordo com Alex Szapiro, managing partner dos fundos da América Latina e responsável pelo SoftBank no Brasil.

A taxa interna de retorno, uma medida de lucratividade, foi de 54%, disse Szapiro.

PUBLICIDADE

O SoftBank está vendendo participações para “investidores estratégicos” porque, com altas taxas de juros, os mercados de capitais estão mais difíceis para startups, disse Szapiro em entrevista. E mais desinvestimentos estão por vir, disse ele.

Em junho, o fundo tinha US$ 7,6 bilhões em capital comprometido na região, com um valor justo de US$ 6 bilhões.

O ritmo de investimentos do SoftBank na América Latina diminuiu recentemente depois que o grupo chegou à toda em 2019, quando começou a alocar um fundo de US$ 5 bilhões dedicado a startups na região.

Cerca de 30 meses depois anunciou um segundo fundo, com US$ 3 bilhões. Szapiro foi um dos fundadores de empresas de tecnologia no final dos anos 90. Ele iniciou os negócios locais da Apple (AAPL) e da Amazon (AMZN) quando essas empresas se aventuraram no Brasil e está no SoftBank desde 2021.

Venda de participação na Avenue

O SoftBank também está vendendo sua participação na Avenue, corretora digital que atende brasileiros de classe média que investem em títulos e ações nos EUA, para o Itaú (ITUB4), maior banco da América Latina em valor de mercado.

O Itaú está comprando a Avenue em três parcelas, com término em 2026, por cerca de R$ 1,25 bilhão. Se o mercado abrir nesse meio tempo, a Avenue pode fazer uma oferta pública inicial de ações, de acordo com os termos da operação.

SoftBank mais que dobrou seu investimento inicial na Pismo em 18 meses, segundo o executivodfd

Outro desinvestimento é na empresa de pagamentos mexicana Yaydoo, que está sendo adquirida pela PayStand, líder em pagamentos feitos entre empresas baseados em blockchain que também tem investimentos do SoftBank. O valor da transação, anunciada em agosto de 2022, não foi divulgado.

PUBLICIDADE

Uma pessoa familiarizada com o assunto disse à Bloomberg News que os investimentos do SoftBank na Avenue e Yaydoo tiveram retornos semelhantes ou maiores do que no caso Pismo e pediu para não ser identificada porque a informação não é pública.

O SoftBank também vendeu a Inco, conhecida como Isaac, uma empresa brasileira que fornece plataformas financeiras e software para escolas, quando a Arco comprou a participação que ainda não possuía na empresa em uma troca de ações concluída em janeiro.

Agora, o SoftBank detém as ações da Arco e está decidindo se venderá em uma transação que deve acontecer no quarto trimestre em que o Dragoneer e o General Atlantic planejam fechar o capital da empresa de educação. O retorno não foi divulgado.

- Matéria corrigida às 19h com a alteração do título, que apontava que o SoftBank estava em busca de sócios estratégicos, algo que o managing partner, Alex Szapiro, não disse na entrevista.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Arm protocola pedido para IPO do ano e sinaliza impacto para chips na era da IA

Microsoft: acordo bilionário para compra da Activision Blizzard ganha nova oferta