Quem são os nomes do varejo na lista dos 500 da Bloomberg Línea

Líderes com atuação no mercado brasileiro nos segmentos de vestuário, calçados, cosméticos, além dos varejos de alimentos, eletrodomésticos e medicamentos, são destacadas em seleção da Bloomberg Línea

Alexandre Birman, CEO da Arezzo, é um dos nomes que figuram na lista
30 de Setembro, 2023 | 08:24 AM

Bloomberg Línea — 2023 tem sido um ano desafiador para o varejo brasileiro, marcado pela recuperação judicial da Americanas (AMER3) e por uma série de renegociações de dívida por companhias do setor, enquanto o país tenta conter as pressões inflacionárias e vislumbrar um ciclo de desaperto monetário capaz de reduzir as despesas financeiras com pagamento de juros e captação de recursos.

Nesse cenário ainda dependente de uma recuperação expressiva do consumo e da renda das famílias, os principais grupos varejistas têm ajustado suas operações nos últimos anos e buscado preservar suas participações de mercado, em meio a um ambiente competitivo de avanço dos marketplaces asiáticos no país, que atraem clientes devido à isenção em encomendas de até US$ 50 por pessoa.

Considerando esse panorama, a equipe de jornalistas de Bloomberg Línea selecionou alguns dos principais nomes do varejo nacional que moldam as tendências do setor e trazem impacto social com suas atividades, tornando-se as principais referências do ramo no Brasil. Elas estão na nova edição da lista das 500 pessoas mais influentes da América Latina.

Confira a lista dos 500 da América Latina

É o caso de Roberto Jatahy, CEO do Grupo Soma (SOMA3), maior grupo de varejo de moda do Brasil, dono de um portfólio de 15 marcas, entre elas FARM, Animale e Hering. O executivo tem conduzido a companhia com foco no consumidor de alta renda, tradicionalmente o menos afetado em suas decisões de compra no contexto de uma economia de crédito limitado e preços nas alturas.

PUBLICIDADE

O Soma foi apontado como uma das 100 maiores empresas de artigos de luxo do mundo no relatório “Poderosos do Varejo de Luxo 2022″, divulgado pela Deloitte, que colocou a empresa brasileira no Top 100, ao lado de gigantes como Louis Vuitton, Chanel e Moncler.

Essas marcas de vestuário são encontradas em centros comerciais voltados para o mercado de luxo, como os administrados pelo grupo Iguatemi (IGTI3), comandado por Cristina Betts, outro nome na lista dos 500 mais influentes da região, pela Multiplan (MULT3), que tem Eduardo Peres como novo CEO desde o fevereiro, ou pela JHSF (JHSF3), cujo chairman e ex-CEO José Auriemo Neto também está presente na seleção.

Atuando da indústria ao varejo de calçados, com planos de internacionalização de marcas em andamento, o CEO da Arezzo (ARZZ3), Alexandre Birman, figura entre os 179 brasileiros citados na lista. O empresário tem dobrado a aposta no mercado norte-americano com abertura da loja da Schultz no SoHo, em Nova York, em maio. O grupo possui 22 marcas na composição de sua House of Brands.

PUBLICIDADE

O segmento de maquiagem tem ganhado maior relevância no varejo da beleza com o fenômeno de engajamento das redes sociais nas vendas. Influenciadoras digitais como Virginia Fonseca, Bianca Andrade e Bruna Tavares são consideradas empresárias de sucesso desse ramo, até então dominados por gigantes como a Natura (NTCO3), comandada por Fábio Barbosa, também listado.

A seleção da Bloomberg Línea traz ainda nomes tradicionais do varejo alimentar, como o veterano Abílio Diniz, membro do conselho do Carrefour Brasil (CRFB3), de redes de eletrodomésticos, como Luiza Trajano, fundadora do Magazine Luiza (MGLU3), e farmacêutico, como Marcilio D’Amico Pousada, CEO da RaiaDrogasil (RADL3).

Leia também

Bilionários gastam US$ 750 mil para preparar filhos para faculdades de elite

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.