Os planos do CEO da Unilever para desmembrar a Ben & Jerry’s e retomar o crescimento

Presidente da companhia de bens de consumo afirma que ideia é ‘fazer menos coisas melhor e com maior impacto’; cerca de 7.500 empregos devem ser cortados

A tub of Ben and Jerry's ice cream.
Por Sabah Meddings e Deirdre Hipwell
24 de Março, 2024 | 04:33 PM

Bloomberg — O CEO da Unilever (UL) quer reverter anos de desempenho fraco com um plano ambicioso para separar o braço de sorvetes do conglomerado e remover camadas de média gerência.

Cerca de nove meses desde que assumiu o comando da empresa anglo-holandesa, Hein Schumacher tenta se desfazer de uma divisão avaliada em até US$ 18 bilhões, de acordo com analistas do Barclays.

Ela abriga marcas como Ben & Jerry’s e Magnum — que um ex-chefe da Unilever, Paul Polman, chamou de “uma das maiores histórias de sucesso do mercado de bens de consumo”.

A divisão é apenas uma parte do plano mais amplo de Schumacher para impulsionar o crescimento e aumentar os lucros na Unilever e desfazer um legado de expansão excessiva, oportunidades perdidas e fusões e aquisições malsucedidas.

PUBLICIDADE

Leia também: De bateria a software: os gargalos da GM para avançar no mercado de elétricos

O novo CEO, que foi nomeado após o investidor ativista Nelson Peltz adquirir uma participação na empresa e ingressar em seu conselho, também planeja cortar 7.500 empregos — quase 6% do total de 128.000 funcionários da fabricante de sabonetes Dove.

“Nossa ideia geral é fazer menos coisas melhor e com maior impacto”, disse Schumacher em uma entrevista a jornalistas por telefone. “Sorvete é realmente um negócio diferente. Ele já é gerenciado separadamente de nossas outras atividades.”

PUBLICIDADE

A divisão de sorvetes teve vendas de 7,9 bilhões de euros (US$ 8,6 bilhões) em 2023, mas a margem de lucro é menos da metade da unidade de cuidados pessoais da empresa, segundo dados compilados pela Bloomberg. Também é um negócio sazonal e intensivo em capital, exigindo logística de cadeia de frio mais complexa.

A empresa disse que uma cisão que cria uma nova entidade listada é a opção mais provável para separar a unidade, embora anteriormente tenha vendido outros negócios de crescimento lento para empresas de private equity.

A Unilever subiu 1,07% no pregão de Londres na sexta-feira (22), deixando as ações com uma queda de 2,7% no último ano.

A reestruturação mostra como Schumacher está deixando sua marca na empresa após assumir o cargo de Alan Jope, que havia irritado acionistas com um esforço fracassado para comprar a divisão de saúde ao consumidor da GSK.

O novo CEO tem como objetivo economizar 800 milhões de euros com cortes de custos nos próximos três anos, à medida que a Unilever responde a um período de crescimento lento, quando os gastos do consumidor foram limitados pela alta inflação e muitos compradores trocaram as marcas dos produtos comprados.

A reestruturação deixará a empresa focada em quatro negócios: beleza e bem-estar, cuidados pessoais, cuidados domésticos e nutrição.

“É uma tarefa complicada pela frente, mas no geral a empresa está caminhando na direção certa”, disse Roseanna Ivory, diretora de investimentos para ações do Reino Unido e Europa na gestora de fundos Abrdn.

PUBLICIDADE

A rival Nestlé anteriormente separou seu negócio de sorvetes ao criar uma joint-venture com a empresa de private equity PAI Partners.

A venda da unidade removerá uma dor de cabeça para a Unilever, que teve que lidar com controvérsias sobre posições políticas adotadas pela Ben & Jerry’s. Em dezembro de 2022, a Unilever chegou a um acordo judicial com o conselho independente da marca de sorvetes após a marca se opor à venda de seus produtos na Cisjordânia ocupada por Israel.

Em um incidente separado no início daquele ano, a Unilever criticou a Ben & Jerry’s depois que ela disse em uma postagem nas redes sociais que o presidente dos EUA, Joe Biden, estava acirrando “as chamas da guerra” ao enviar tropas para a Europa, semanas antes da Rússia invadir a Ucrânia.

Grandes empresas de alimentos também têm tentado ajustar seus portfólios à medida que novos medicamentos para perda de peso da Novo Nordisk e Eli Lilly ganham popularidade. Sorvete já não combina bem com outras marcas da Unilever, como os cubos de caldo Knorr e os limpadores Domestos, disseram analistas.

PUBLICIDADE

“Faz sentido”

“Acreditamos que a separação do negócio de sorvetes faz sentido, dada a trajetória mais lenta e falta de sinergias de custo devido à sua cadeia de suprimentos fria,” disse James Edwardes Jones, da RBC Capital Markets.

Se a redução de custo proposta impulsionar os lucros, a empresa poderá reinvestir em pesquisa e desenvolvimento e marketing, disse ele.

Após a separação do negócio de sorvetes, que também inclui a marca Cornetto, a Unilever disse que está mirando um crescimento de vendas subjacente no meio dígito, com uma “melhora modesta na margem”.

O que a Bloomberg Intelligence diz:

PUBLICIDADE

“O plano da Unilever de separar sua divisão de Sorvetes para possível desinvestimento faz sentido, removendo a sazonalidade do crescimento e um arrasto de baixa margem. No entanto, a data de separação prevista para o final de 2025 sugere que há um longo e acidentado caminho pela frente, combinado com a interrupção de um novo programa de produtividade.”

-- Deborah Aitken, analista sênior

PUBLICIDADE

A separação do negócio de sorvetes é a mais recente de uma série de movimentos da Unilever para simplificar o portfólio desde que resistiu a uma oferta de aquisição não solicitada da Kraft Heinz em 2017. Mais tarde naquele ano, vendeu o negócio de margarina e spreads para a KKR. Quatro anos depois, concordou em vender a unidade de chá para a CVC Capital Partners.

Schumacher ingressou na Unilever vindo da cooperativa de laticínios Royal FrieslandCampina. Sob Jope e seu antecessor, Polman, a empresa tornou o “propósito” social das marcas uma prioridade-chave, atraindo críticas de alguns investidores que queriam que a empresa se concentrasse mais em seu resultado final.

Se o negócio de sorvetes for desmembrado com uma listagem separada, o destino será decidido nos próximos 18 meses, disse Schumacher na ligação. As divisões de alimentos e sorvetes estão atualmente sediadas na Holanda, e o negócio de sorvetes está em processo de transferir sua sede de Roterdã para Amsterdã, disse ele.

PUBLICIDADE

A Unilever foi formada a partir da fusão de empresas britânicas e holandesas. Há cerca de quatro anos, decidiu consolidar sua sede geral em Londres após manter dupla nacionalidade por décadas. Schumacher disse que a Unilever como um todo está comprometida em permanecer em Londres.

Veja mais em Bloomberg.com