Na França, bilionários da Peugeot enfrentam revolta de investidores descontentes

Um dos clãs mais tradicionais do país europeu, sob liderança da oitava geração, é questionado por acionistas de sua holding de investimento após perdas e retorno aquém dos pares

a
Por Julien Ponthus - Tara Patel - Michael Msika
25 de Maio, 2024 | 05:50 PM

Bloomberg — A família bilionária Peugeot está sob pressão sem precedentes de certos acionistas em relação ao desempenho de seu veículo de investimento listado em bolsa, após as perdas relacionadas às suas participações no império imobiliário europeu Signa, que entrou em colapso.

A Peugeot Invest, controlada pelo clã francês e dirigida pelo descendente da oitava geração, Robert Peugeot, 74 anos, enfrentou um grupo de investidores minoritários insatisfeitos em sua reunião anual na sexta-feira (24), que tornaram pública uma longa lista de queixas, incluindo seu profundo desconto das ações.

Eles também criticam o aumento dos custos operacionais, a governança, as políticas de remuneração e a estratégia de investimento.

Robert Peugeot, membro da oitava geração da dinastia francesa (Foto: Eric Piermont/AFP/Getty Images)dfd

Entre suas principais queixas: os ativos da empresa - que incluem participações na montadora Stellantis, no banco de investimentos Rothschild & Co. e em um vinhedo em Bordeaux - valem quase € 6 bilhões (US$ 6,5 bilhões), em comparação com o market cap de € 1 bilhão no mercado de ações.

PUBLICIDADE

Esse desconto sobre o valor de seus ativos é um dos maiores entre as holdings de investimento europeias.

Uma grande maneira de fechar essa lacuna, dizem os investidores dissidentes, seria pagar uma parcela maior de dinheiro em dividendos. No entanto a Peugeot Invest rejeita a ideia e prevalecerá na reunião anual, dado que a família controla quase 80% das ações e 89% dos direitos de voto.

Leia mais: De magnata a ex-bilionário: como este empresário chinês perdeu a Inter de Milão

“Os interesses dos acionistas minoritários e majoritários não estão alinhados”, disse Colette Neuville, presidente da Associação para a Defesa dos Acionistas Minoritários, que se uniu aos investidores Moneta Asset Management e Sycomore Asset Management para pressionar por mudanças na forma como a Peugeot Invest opera. “Eles estão agindo como se não houvesse investidores minoritários.”

A enxurrada de críticas públicas é a primeira enfrentada pela empresa do clã secreto, que começou a ser negociada em 1989 em uma bolsa de valores agora extinta na cidade de Nancy, no leste do país.

Desconto no valor de mercado da Peugeot Invest é o maior entre as principais holdings de investimento da Europadfd

A fortuna da família gira em torno da fabricante de automóveis de mesmo nome, que há três anos se fundiu com a Fiat Chrysler (FCA). O clã ficou com uma participação de 7% no grupo combinado, a Stellantis, uma das montadoras mais lucrativas do mundo, com um valor de mercado de cerca de € 64 bilhões.

A participação é detida indiretamente pela Peugeot Invest, que foi dirigida nos últimos 22 anos por Robert Peugeot e usada pela família para se diversificar fora do setor automobilístico.

PUBLICIDADE

A empresa adquiriu participações em dezenas de empresas listadas e não listadas, bem como em uma carteira de fundos de private equity e imobiliários.

Embora tenha extraído um valor significativo de participações como a fabricante de eletrodomésticos SEB e a empresa de investimentos Tikehau Capital SCA, o histórico da Peugeot Invest foi manchado por perdas relacionadas à Orpea, a operadora de casas de repouso que se envolveu em um dos maiores escândalos de governança corporativa da França e, mais recentemente, à empresa imobiliária falida Signa.

Em março, a Peugeot Invest anunciou a saída futura do CEO Bertrand Finet. Ele assumiu o cargo em 2020, em substituição a Robert Peugeot, que permaneceu como presidente do conselho, mas está programado para sair em 2025. O conselho inclui uma série de herdeiros da próxima geração.

Agora, alguns acionistas querem ver mais mudanças. Eles pressionam para que os dividendos anuais reflitam melhor o valor dos ativos da empresa. A Peugeot Invest aumentou o pagamento para 2023 em 14%, em comparação com um aumento de 21% no valor do ativo líquido no mesmo período.

Ações da Peugeot Invest ficam para trás da valorização da Stellantis e da Exor, a holding de investimentos da família italiana Agnellidfd

"Não estamos pedindo a lua", disse Gregoire Uettwiller, gestor de fundos da Moneta Asset Management, que, juntamente com a Sycomore, detém 6,4% da Peugeot Invest. "O melhor ângulo para reduzir o desconto é extrair todo ano parte do valor do ativo líquido."

A empresa diz que um grande motivo para o desconto de negociação é a liquidez relativamente baixa das ações e rejeita a ideia de vínculos mais estreitos entre o pagamento e o valor dos ativos.

"Não queremos injetar a volatilidade do valor de nossos ativos líquidos em nossos dividendos", disse o CEO adjunto Sebastien Coquard, que supervisiona os investimentos. "Nosso objetivo é entregar um dividendo que seja regular e crescente."

Embora o desconto da Peugeot Invest tenha se ampliado há vários anos, disse Coquard, isso é apenas uma prova de que um desconto menor é possível. Outras holdings também tiveram um aumento, disse ele.

A opinião da empresa sobre os dividendos é apoiada por Joren Van Aken, analista da Degroof Petercam, que publicou um relatório recente sobre descontos comerciais de empresas de investimento, incluindo a Peugeot Invest.

“Preferimos que as empresas de investimento façam o que está em seu nome, que é investir, e não pagar [dividendos]”, disse ele. “Se o senhor basicamente pagar todo o seu valor patrimonial líquido aos acionistas, estará dando a entender que não acredita que a holding possa criar valor.”

No entanto, como investimento, Van Aken prefere a Exor, a holding dos herdeiros do bilionário italiano Agnelli, da Fiat, que controlam uma participação de 14% na Stellantis e também tentaram diversificar seus negócios. A Exor criou mais valor fora da empresa automobilística, disse ele.

Na Peugeot Invest, disse o analista, “além da liquidez, acho que parte da questão do desconto tem a ver com comunicação e transparência e com o sentimento negativo sobre investimentos recentes que não deram certo, como Orpea e Signa”.

Incluindo os dividendos reinvestidos, as ações da Peugeot Invest tiveram um retorno anual de 5,5% nos últimos cinco anos, metade do retorno anual do CAC All-Tradable Index, da Bolsa de Paris.

As queixas do grupo de acionistas minoritários também incluem as perdas da Orpea e da Signa, a falta de supervisão por parte de diretores independentes e os possíveis conflitos de interesse entre alguns executivos com cargos na Peugeot Invest e em outras empresas familiares.

Eles também pedem a suspensão da diversificação até que o CEO e o presidente do conselho sejam substituídos e a empresa demonstre sua capacidade de criar valor, “o que não tem acontecido desde o final de 2017″. Além disso, os investidores descontentes dizem que a empresa teria ocultado informações sobre a decisão de pagar royalties à família Peugeot pelo uso do nome Peugeot.

Leia mais: Herdeiros de fundador da Casas Bahia travam disputa na Justiça sobre fortuna

O grupo pressionou por uma série de resoluções na reunião anual, incluindo a política de pagamento e a vinculação da remuneração dos executivos ao preço das ações e ao desconto comercial. A diretoria da empresa se opôs a essas propostas.

A Peugeot Invest rejeitou as críticas e disse que todos os acionistas se beneficiam dos pagamentos da empresa pelo uso do nome da família.

“Ser chamado de Peugeot abre portas”, disse Coquard, ao acrescentar que esse seria particularmente o caso no exterior.

Veja mais em bloomberg.com

©2024 Bloomberg L.P.