Milei suspende plano de privatizar YPF, a estatal de petróleo da Argentina

Pacote de reformas liberais do presidente foi alterado após negociações com parlamentares

Refinaria de Luján de Cuyo, em Mendoza, Argentina
Por Jonathan Gilbert - Manuela Tobías - Kevin Simauchi
22 de Janeiro, 2024 | 04:23 PM

Bloomberg — A privatização da empresa estatal de petróleo YPF SA não está mais incluída nas reformas que o presidente Javier Milei está tentando aprovar no Congresso argentino, segundo um resumo da legislação divulgado pelo governo na segunda-feira.

O chamado projeto de lei geral, atualmente em debate na Câmara dos Deputados, foi alterado após negociações com parlamentares. Essa é a indicação mais clara até agora de que Milei, um linha-dura libertário, cujo partido tem uma minoria no Congresso, está disposto a fazer concessões para impulsionar um pacote de reformas que mudariam a estrutura da economia intervencionista da Argentina em direção a um livre mercado.

A YPF é a maior perfuradora e refinadora de petróleo da Argentina. Ela foi nacionalizada em 2012 para liderar o desenvolvimento das riquezas do xisto em Patagônia, depois que os proprietários espanhóis foram acusados de negligenciar a produção. E embora a YPF tenha obtido algum sucesso nessa área - o petróleo de xisto agora representa quase metade da produção de 760.000 barris por dia do país - ela tem sido prejudicada pela intervenção governamental nos preços dos combustíveis para conter a inflação galopante.

Suas ações negociadas em Nova York caíram quase 30% desde a nacionalização. Mas alguns investidores haviam comprado recentemente títulos da YPF na esperança de que Milei concluísse a reprivatização, o que teoricamente poderia tornar a empresa mais eficiente e lucrativa.

PUBLICIDADE

Paula La Greca, analista da TPCG em Buenos Aires, disse que a privatização sempre foi improvável de acontecer. Isso ocorre porque, mantendo a YPF sob controle estatal, o governo tem uma ferramenta garantida para melhorar o saldo comercial de energia da Argentina, o que, por sua vez, auxilia os objetivos orçamentários e monetários.

“A YPF foi concebida como uma empresa para garantir que a independência energética fizesse parte da segurança nacional”, disse La Greca.

Os títulos de depósito americanos da YPF subiram cerca de 1% ao meio-dia em Nova York, depois de terem caído acentuadamente antes do início das negociações regulares.

PUBLICIDADE

Certamente, Milei, que originalmente disse que queria colocar a YPF em ordem antes de buscar uma venda a meio do seu mandato, ainda pode reviver os planos. No entanto, seria um desafio obter a aprovação de dois terços necessária no Congresso.

Complicando as coisas está uma decisão judicial dos EUA ordenando que a Argentina pague cerca de US$ 16 bilhões após falhar em etapas técnicas durante a nacionalização de 2012.

Desde que o governo falhou em prometer a equidade da YPF como garantia aos investidores durante um processo de apelação em andamento, um juiz de Manhattan deu luz verde para que esses investidores cobrem a sentença indo atrás dos ativos da Argentina.

Milei ainda buscará a privatização de dezenas de outras empresas estatais ao reduzir um governo inchado. Mas a versão revisada da legislação também reduz os planos de privatização da operadora nuclear estatal, uma empresa de satélites e o Banco Nación.

O presidente também fez concessões sobre como os benefícios de aposentadoria devem ser calculados. A resistência às suas reformas no Congresso inclui uma greve geral planejada esta semana por sindicatos poderosos.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Por que o investidor aposta em Milei, segundo o ex-head de RI de Meli e Nubank

Como o México se tornou o novo queridinho de bancos de Wall Street na região