MacKenzie Scott reduz sua participação na Amazon em estimados US$ 10,4 bi em 2023

Bilionária, uma das maiores acionistas da big tech, se comprometeu com a iniciativa Giving Pledge e já doou mais de US$ 16,5 bilhões desde que se separou de Jeff Bezos em 2019

MacKenzie Scott, bilionária filantropa e uma das maiores acionistas da Amazon
Por Tom Maloney - Sophie Alexander
28 de Janeiro, 2024 | 09:46 AM

Bloomberg — MacKenzie Scott vendeu 65,3 milhões de ações da Amazon (AMZN) no ano passado, cerca de um quarto de sua participação na empresa, de acordo com um registro regulatório. Essas ações valeriam US$ 10,4 bilhões pelo preço de fechamento de sexta-feira (26).

Após seu divórcio de Jeff Bezos em 2019, que encerrou 25 anos de casamento, Scott ficou com cerca de 4% do gigante da tecnologia, uma participação que na época valia cerca de US$ 37 bilhões. Apesar de ter se desfeito de cerca de metade de suas ações nos últimos cinco anos, a Amazon ainda representa a maior parte de sua fortuna de US$ 37,6 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

Sua fortuna seria muito maior se não fosse por sua filantropia sem precedentes.

Desde a separação, Scott doou mais de US$ 16,5 bilhões para uma ampla gama de instituições de caridade — uma quantia enorme mesmo para uma das pessoas mais ricas do planeta.

PUBLICIDADE

Scott divulga uma lista de beneficiários em seu site, incluindo mais de 360 organizações que receberam um total de US$ 2,15 bilhões no último ano.

Em 2019, Scott assinou o Giving Pledge, iniciativa que representa uma promessa não vinculativa que os bilionários fazem para doar a maior parte de sua riqueza.

“Além dos ativos que a vida nutriu em mim, tenho uma quantidade desproporcional de dinheiro para compartilhar”, escreveu ela em uma carta no site do Giving Pledge. “Minha abordagem à filantropia continuará a ser ponderada. Levará tempo, esforço e cuidado. Mas eu não vou esperar. E continuarei até que o cofre esteja vazio.”

PUBLICIDADE

Scott não pôde ser contatada pela Bloomberg News para comentar.

Bezos, cujo patrimônio está na casa de US$ 184,1 bilhões, não assinou o Giving Pledge, mas disse à CNN em 2022 que planejava doar a maior parte de sua riqueza.

Outros signatários do compromisso de doação da maior parte da riqueza são o colombiano David Vélez, cofundador e CEO global do Nubank e sua mulher, Mariel Reyes, o cofundador e CEO da Blackstone, Stephen Schwarzman, e Lynne e Marc Benioff, cofundador e CEO da Salesforce.

O movimento foi lançado por Warren Buffett, Melinda French Gates e Bill Gates em 2010, com o objetivo de incentivar que outras das pessoas mais ricas dos Estados Unidos e do mundo devolvam para a sociedade a maior parte do que ganharam.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Vélez vende ações do Nubank pela 1ª vez desde IPO e financiará sua fundação

Filantropia de bilionários chega à Flórida, com migração de gigantes de Wall St