Herdeiro da Hermès enfrenta sua própria fundação filantrópica por controle de herança

Nicolas Puech, que possui 5,7% do gigante do luxo, deseja cancelar o contrato de herança com organização que fundou para deixar fortuna para ex-jardineiro

Hermes Internacional Tiendas de Lujo Antes de los Resultados
Por Tara Patel
19 de Dezembro, 2023 | 05:55 PM

Bloomberg — Linhas de batalha estão sendo desenhadas no cantão de Valais, na Suíça, entre um dos bilionários herdeiros da maior fortuna familiar da Europa que está envelhecendo e a sua própria fundação beneficente.

Nicolas Puech, um recluso descendente de quinta geração do fundador da gigante francesa do luxo Hermès, deseja cancelar o contrato de herança com a Isocrates Foundation, afirmou o escritório de imprensa da instituição em comunicado. A organização está contestando publicamente o plano de romper os laços.

A decisão ocorre após Puech, 80 anos, ter iniciado procedimentos administrativos para adotar seu jardineiro de meia idade, a quem deixaria pelo menos parte de sua fortuna.

“Do ponto de vista legal, a anulação abrupta e unilateral de um acordo de sucessão parece nula e infundada”, afirmou a Isocrates no comunicado. “A fundação se opôs a essa medida, deixando a porta aberta para a discussão com seu fundador e presidente.”

PUBLICIDADE

O advogado de Puech, Jörn-Albert Bostelmann, se recusou a comentar detalhes sobre seu cliente, mas disse que pode realizar uma coletiva de imprensa “para separar os fatos da ficção e dissipar algumas das bobagens que foram divulgadas pela mídia.” Enquanto isso, a Hermès se recusou a comentar a notícia ou a participação de Puech na empresa.

A disputa incomum joga os holofotes sobre um dos herdeiros mais reservados da Hermès, que se tornou um pária na família há mais de uma década por seu papel em uma luta corporativa de quatro anos contra a rival LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton, fundada pelo magnata Bernard Arnault. Os valores envolvidos podem potencialmente alcançar bilhões de dólares, pois Puech, que não é conhecido por ter filhos, possui supostamente cerca de 5,7% da Hermes.

Um aumento na demanda por bolsas de couro e lenços de seda coloridos da Hermès pós-pandemia impulsionou o valor de mercado da empresa para 211 bilhões de euros (US$ 231 bilhões), o que tornaria a participação de Puech cerca de 12 bilhões de euros. A família emergiu este mês como a terceira mais rica do mundo na classificação anual da Bloomberg sobre fortunas familiares.

PUBLICIDADE

Ao longo das décadas, Puech permaneceu em grande parte fora do radar, descrito em documentos públicos como um francês com formação em artes que reside em Orsieres, no Valais, uma região alpina na fronteira entre França e Itália, conhecida por resorts de esqui chiques como Crans Montana e Verbier.

A divisão dentro de sua fundação tornou-se pública neste mês, quando o jornal suíço Tribune de Geneve informou que Puech estava tentando adotar seu jardineiro e torná-lo herdeiro da fortuna.

A Isocrates Foundation “não está em posição de julgar o processo ou contexto” do suposto desejo de Puech de adotar seu empregado doméstico, afirmou a organização em seu comunicado, acrescentando que deixará “as autoridades competentes decidirem sobre o assunto.”

A iniciativa de Puech seria uma reviravolta surpreendente na saga em curso do descendente da Hermes, que foi considerado traidor por sua família quando não se juntou a dezenas de parentes liderados por seu irmão Bertrand Puech para consolidar suas ações da Hermes, repelindo a LVMH, que havia adquirido furtivamente uma participação.

O tamanho da participação de Puech e seu papel na batalha corporativa de quatro anos estavam entre os maiores mistérios a surgir. Puech renunciou ao conselho de supervisão da Hermes em 2014 e não adicionou suas ações às duas participações familiares que têm um controle firme sobre a empresa. A Hermes parou de divulgar a participação de Puech em seu relatório anual de 2016.

Nos três anos anteriores, a empresa citava declarações assinadas indicando que ele possuía 5,8% do capital ou 6,08 milhões de ações, das quais 900.000 eram mantidas pela Fondation Nicolas Puech, o antigo nome da Isocrates criada em 2011. O último relatório da Hermes mostra que 5,7% da participação são de membros não identificados da família fora das participações consolidadas.

O escopo da fundação de Puech também mudou nos últimos anos. Com sede em Sion e escritórios em Genebra, inicialmente apoiava uma ampla gama de ações em áreas “caritativas, humanitárias, religiosas, médicas ou culturais, bem como em ciências ambientais”, conforme o registro corporativo de Valais mostra.

PUBLICIDADE

No ano passado, a Isocrates adotou novos estatutos e mudou seu foco para apoiar o interesse público e o jornalismo investigativo, a digitalização responsável e um “espaço público digital saudável”. O site da fundação, que adicionou detalhes sobre suas operações nos últimos meses, lista mais de uma dúzia de beneficiários, incluindo organizações de defesa da mídia e da democracia.

Puech doou inicialmente 10 milhões de francos suíços (US$ 11,5 milhões) em capital inicial para a Isocrates, e a fundação dependerá no futuro dos “frutos e receitas de sua fortuna”, além de subsídios, doações e ajuda governamental, de acordo com os estatutos. Não está claro quanto Puech deu anteriormente à organização sob seu antigo nome.

“Em nenhum caso os ativos da fundação podem ser devolvidos ao fundador, seus herdeiros ou doadores”, dizem os estatutos.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

De júnior a sócio: gigantes da consultoria usam IA para acelerar a carreira até o topo

Trader do Goldman Sachs que ganhou US$ 100 mi em três anos deixa o cargo

Por que esta gestora global foi na contramão do mercado e liberou o home office