De júnior a sócio: gigantes da consultoria usam IA para acelerar a carreira até o topo

Atualmente, leva cerca de 17 anos para se tornar sócio em uma das Big Four; título de sócio se traduz em maiores atribuições e salários mais robustos

Escritório da KPMG
Por Irina Anghel
09 de Dezembro, 2023 | 07:45 AM

Bloomberg — As gigantes da consultoria e os escritórios de advocacia passaram a recorrer à inteligência artificial (IA) para acelerar o tempo que os funcionários juniores levam para alcançar o prestigiado cargo de sócio, à medida que a tecnologia elimina áreas de tarefas repetitivas e demoradas que normalmente ocupavam os primeiros anos de trabalho.

Na KPMG, por exemplo, recém-formados agora realizam trabalhos tributários que antes eram reservados para funcionários com pelo menos três anos de experiência.

Na PwC, os funcionários juniores passam mais tempo apresentando propostas aos clientes, em vez das horas que costumavam gastar preparando documentos de reunião. E na Macfarlanes, advogados juniores passaram a interpretar contratos complexos que costumavam ser tratados por colegas mais experientes.

“É um verdadeiro equilíbrio porque há muitos benefícios em aprender fazendo alguns desses documentos, mas você precisa fazer isso por dois anos?”, disse Jeff Westcott, diretor global de inovação e tecnologia no escritório de advocacia Bryan Cave Leighton Paisner. “Provavelmente não. Depois de ter feito isso três ou quatro vezes, você se sente confortável.”

PUBLICIDADE

Se as primeiras experiências derem certo, isso marcará uma mudança sísmica para as empresas de serviços profissionais, conhecidas por submeterem funcionários juniores a anos de trabalho tedioso antes de colocá-los no caminho para se tornarem sócios. O título de sócio se traduz em atribuições de clientes maiores e salários mais robustos.

Atualmente, leva cerca de uma década para se tornar sócio em um escritório de advocacia, de acordo com a Law Society, enquanto a Association of Chartered Certified Accountants constatou que leva em média 17 anos para atingir esse título em uma das chamadas “Big Four” de consultoria.

Tornar-se sócio nas gigantes da contabilidade são alguns dos empregos mais bem remunerados. Os sócios na filial do Reino Unido da EY embolsaram uma média de 761.000 libras em seu último ano fiscal, enquanto na Deloitte esse pagamento ultrapassou 1 milhão de libras este ano.

PUBLICIDADE

A PwC pagou aos sócios do Reino Unido uma média de 906.000 libras no último ano financeiro, enquanto tal compensação na KPMG atingiu 717.000 libras em 2022, mostram os registros.

Making Partner at Big Four Firm Results in Big Paychecks | The accounting firms are looking to AI to speed up that yearslong processdfd

“Estamos tentando reduzir anos do tempo que leva para alguém, desde que é contratado até se tornar sócio”, disse Jeff Wong, diretor de inovação da EY. “Estamos visando especificamente algumas acelerações e sei que fomos bem-sucedidos nesse caminho.”

As iniciativas mostram como as empresas têm adotado rapidamente a inteligência artificial generativa, popularizada pelo ChatGPT. A tecnologia pode produzir frases ou textos em resposta a perguntas simples e as elabora após ser treinada com grandes volumes de material existente.

Executivos da KPMG agora acreditam que a empresa pode economizar até 15 horas por trabalhador a cada mês com a ajuda da IA, de acordo com Stuart Tait, diretor de tecnologia na área tributária e legal da empresa no Reino Unido.

Por anos, funcionários juniores da KPMG gastavam horas decifrando informações em várias fontes, desde a autoridade fiscal do Reino Unido até bancos de dados internos. A empresa decidiu colocar todas essas informações em um só lugar e permitir que os funcionários consultassem o banco de dados usando tecnologia alimentada por IA generativa, transformando as primeiras quatro horas de pesquisa em uma tarefa que agora leva apenas minutos.

“Para muitos de nós, começamos nossas carreiras fazendo o trabalho necessário, mas muitas vezes tedioso, em apoio aos profissionais seniores”, disse Bret Greenstein, líder de IA generativa na PwC.

“Muito desse trabalho - escrever rascunhos, tomar notas em reuniões, pesquisar tópicos - é muito auxiliado pelo GenAI hoje. Isso permite que os funcionários juniores sejam mais produtivos e impactantes de forma mais rápida.”

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Como a Anacapri virou uma alavanca de vendas no portfólio de marcas da Arezzo

Venture capital mantém cautela no Brasil, sem sinal de volta de aportes em startups