Como a herdeira da L’Oréal se tornou a primeira mulher com US$ 100 bi em fortuna

Françoise Bettencourt Meyers se beneficiou do crescimento do varejo de luxo, o mesmo que gerou famílias bilionárias como o clã por trás da Hermès e o da LVMH, com Bernard Arnault

Francoise Bettencourt Meyers, herdeira da L'Orèal e dona de um patrimônio que superou US$ 100 bilhões (Foto: Francois Guillot/AFP/Getty Images)
Por Tara Patel
04 de Janeiro, 2024 | 05:05 PM

Bloomberg — Françoise Bettencourt Meyers se tornou a primeira mulher a acumular uma fortuna de US$ 100 bilhões, em novo marco para a herdeira e para os setores de moda e cosméticos da França.

Sua fortuna saltou para US$ 100,1 bilhões no fim de dezembro de 2023, de acordo com o Índice de Bilionários da Bloomberg.

O marco veio com a valorização das ações da L’Oréal, o império de produtos de beleza fundado por seu avô, a um recorde histórico e a caminho de seu melhor ano desde 1998. Ela é a 12ª pessoa mais rica do mundo, logo atrás do mexicano Carlos Slim.

Apesar do ganho, a fortuna de Bettencourt Meyers ainda é significativamente menor do que a de seu compatriota francês Bernard Arnault, fundador da gigante de artigos de luxo LVMH Moet Hennessy Louis Vuitton, que ocupa o segundo lugar no ranking global com US$ 179 bilhões.

PUBLICIDADE

O crescente domínio da França no varejo de luxo gerou várias outras famílias ultrarricas, incluindo o clã por trás da Hermès International, que acumulou a maior fortuna familiar da Europa, e os irmãos Wertheimer, donos da Chanel.

A reclusa Bettencourt Meyers, 70 anos, é vice-presidente do conselho da L’Oréal, uma empresa global de € 241 bilhões (US$ 268 bilhões) na qual ela e sua família são os maiores acionistas, com uma participação de quase 35%.

Seus filhos, Jean-Victor Meyers e Nicolas Meyers, também são diretores. Administrada por executivos de fora da família há décadas, a empresa foi fundada em 1909 pelo avô químico de Bettencourt Meyers, Eugene Schueller, para produzir e vender uma tintura de cabelo que ele havia desenvolvido.

PUBLICIDADE

Bettencourt Meyers mantém sua vida privada, evitando a vida social glamorosa procurada por muitos ricos do mundo. Ela escreveu dois livros - um estudo em cinco volumes da Bíblia e uma genealogia dos deuses gregos - e é conhecida por tocar piano por horas todos os dias.

Recuperação das ações

Como filha única, Bettencourt Meyers herdou sua fortuna após a morte de sua mãe, Liliane Bettencourt, em 2017, com quem teve um relacionamento às vezes contencioso.

Uma batalha legal nos anos 2000 cresceu de uma briga familiar para um escândalo político que girava em torno de saber se a mãe idosa era capaz de administrar a fortuna da família. No mês passado, a Netflix lançou um documentário de três partes, L’Affaire Bettencourt, relatando a saga que apresentava um ex-presidente francês e gravações secretas feitas por um mordomo.

A L’Oréal cresceu rapidamente na década anterior à pandemia, mas foi atingida durante a crise de saúde quando as pessoas sob lockdown usaram menos maquiagem. Isso foi seguido por uma rápida recuperação à medida que os consumidores gastaram em itens de luxo, fazendo com que as ações subissem 35% em 2023.

As ações da empresa podem subir mais 12% no próximo ano, já que a diversidade de produtos e geográfica mostra resiliência, de acordo com o analista da Consumer Edge Research, Brett Cooper.

Bettencourt Meyers também preside a holding familiar, Téthys, que detém a participação na L’Oréal. Seu marido, Jean-Pierre Meyers, é o presidente-executivo. Em 2016, os dois criaram a subsidiária Téthys Invest SAS, que investe em áreas que não competem com a empresa.

Com a intenção declarada de fazer “investimentos diretos de longo prazo em projetos empreendedores”, o CEO da Téthys Invest é Alexandre Benais, um ex-banqueiro de investimentos do Lazard.

PUBLICIDADE

A Téthys Invest recentemente adquiriu uma participação na corretora de seguros francesa April Group. Comprou a marca de moda Sezane, com uma década de existência, e também investiu na operadora francesa de hospitais privados Elsan. A empresa é parcialmente financiada por dividendos da L’Oréal.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Os 18 melhores destilados para experimentar neste ano, do uísque ao licor

Geração de adultos que moram com os pais impacta patrimônio e planos das famílias