Dengo investe US$ 20 milhões para expansão global de olho em demanda ESG

Nova fábrica de 11.000 metros quadrados da empresa está prevista para ser inaugurada no primeiro trimestre de 2025 e deverá expandir a produção em 500%

A Dengo agora possui 38 lojas nas maiores cidades da América Latina e duas em Paris
Por Rachel Gamarski
07 de Fevereiro, 2024 | 01:13 PM

Bloomberg — A maioria das pessoas olharia para o paradisíaco litoral da Bahia e pensaria em férias na praia e no lugar onde o piloto de Fórmula 1 Lewis Hamilton escolheu para comemorar o réveillon.

Mas um empresário empreendedor viu na região a oportunidade de produzir um chocolate inovador.

A Dengo, cuja base é aquele trecho belíssimo do sul da Bahia, próximo a Trancoso, se esforça para ser a melhor e mais ecológica produtora de chocolate do mundo.

LEIA +
Pacaembu é um ativo imobiliário que vai muito além do futebol, diz CEO

A empresa fabrica produtos como barras de chocolate com banana e castanha de caju em embalagens coloridas e atraentes que evocam as florestas tropicais do Brasil. Neste processo, a Dengo trabalha para reduzir desperdício, duplicar a renda dos produtores de cacau e incentivar o cacau orgânico e a agricultura regenerativa.

PUBLICIDADE

Para produzir o seu chocolate, a Dengo compra cacau com um prêmio que varia entre 70% e 200% do preço de mercado — quanto mais sustentável for o produto, maior será o prêmio pago a mais de 160 produtores locais e pequenos produtores em uma das zonas mais pobres do país.

A empresa começou em 2017 em São Paulo; agora possui 38 lojas nas maiores cidades da América Latina e duas em Paris. E mais estão por vir: a Dengo, cujo maior investidor é Guilherme Leal, fundador da Natura (NTCO3), está investindo cerca de R$ 100 milhões (US$ 20 milhões) em uma nova fábrica.

A instalação de 11.000 metros quadrados está prevista para ser inaugurada no primeiro trimestre de 2025 e expandirá a produção da Dengo em 500% (a empresa não confirma a quantidade de chocolate que produz).

PUBLICIDADE

Com suas credenciais de impacto social e ambiental, incluindo a certificação B Corp, a empresa vê oportunidades de expansão no mercado europeu, que tem regras ESG rigorosas em vigor, e também na América do Norte nos próximos anos. A meta é pelo menos mais duas lojas em Paris e uma presença nos EUA até 2026, disse Tulio Landin, co-CEO da Dengo, em entrevista à Bloomberg News.

Ele acredita que a qualidade do chocolate deve ser tão boa quanto as suas credenciais ESG. “Se você me perguntar quem é meu concorrente, no segmento de chocolate premium e pelo preço, eu diria que é a suíça Lindt”, disse Landin.

LEIA +
Chocolate ESG: a aposta da Dengo no modelo que fez da Natura uma gigante global

O chocolate Dengo tem um sabor pronunciado e puro de cacau; é suave e frutado sem ser muito doce. As barras são repletas de ingredientes locais, incluindo frutas da floresta amazônica, como o cupuaçu, que tem sabor doce de mamão e antioxidantes como vitamina C, além de fibras e ferro.

Outro sabor não convencional da Dengo é manga, limão e tapioca. Esses ingredientes incomuns ajudam a destacar o produto, acrescenta Landin, que trabalhou no JPMorgan (JPM). Mesmo assim, os produtos mais vendidos da Dengo em todo o mundo são as barras de banana e castanha de caju.

As barras custam cerca de US$ 12 por 200 gramas no Brasil e 16 euros pelo mesmo produto na França. Uma quantidade igual de chocolate Lindt custaria cerca de US$ 10.

Expansão

Com o seu novo investimento, a Dengo planeja aumentar exponencialmente o número de produtores registados para cerca de 3.000, ou cerca de 1.775%, disse Landin.

A expansão da empresa ocorre em um momento em que o apetite do Brasil por chocolate cresce. No terceiro trimestre de 2023, o país consumiu 597.000 toneladas de chocolate, um aumento de 10,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

PUBLICIDADE

Nos três primeiros trimestres de 2023, o país produziu 615.000 toneladas de chocolate, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas, um aumento de 10,6% em relação ao ano anterior.

A empresa utiliza ferramentas para rastrear a origem do cacau, o que segue uma diretriz da União Europeia para proteger as florestas tropicais através do comércio. Segundo Luiza Aguiar, analista da XP, as novas regras da União Europeia afetarão diretamente o mercado brasileiro de chocolate e cacau. “As empresas terão que provar que não têm nada relacionado ao desmatamento.”

A Dengo ainda não gera lucro, mas Landin disse acreditar que a nova fábrica aumentará a receita da empresa em 600%. “Estamos muito perto do breakeven e nossas receitas aumentaram mais de 30% em 2023″, disse ele.

Chocolateria Dengo antes de inauguração da loja no shopping Cidade São Paulodfd

O Brasil é o sexto maior produtor mundial de cacau. A maior parte da produção do país vem do Nordeste. A iniciativa da Dengo inclui apenas uma fração dos produtores do país – são 90.000 no total e 69.000 estão na Bahia, segundo a Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC).

PUBLICIDADE

Mas a remuneração mais elevada da Dengo e as exigências de cacau de origem ética está impactando a cadeia de abastecimento global. “O empreendimento da Dengo ajuda a incentivar a cadeia de desenvolvimento do cacau fino como um todo no Brasil”, disse Leonardo Rossetti, analista de cacau da StoneX.

A cadeia do cacau no Brasil já está vinculada às diretrizes internacionais de ESG, disse a CEO da AIPC, Anna Paula Losi, em entrevista. O governo tem a meta de aumentar a produção de cacau para 400.000 toneladas por ano em 2030, contra 220.000 toneladas em 2023.

A Dengo, que tem mais de 500 funcionários, também planeja reduzir o uso de plásticos de 7% para zero, em parte mudando suas embalagens, embora não tenha um cronograma definido para isso.

Entre outras iniciativas ESG da empresa, a Dengo firmou parceria com o Bradesco (BBDC4). Em novembro passado, uma equipe do Bradesco viajou à Bahia para dar aos produtores de cacau uma cartilha sobre finanças, incluindo abertura de contas bancárias e investimento em equipamentos de produção.

PUBLICIDADE

Há também uma lista de sete critérios de código de conduta com os quais os produtores devem concordar, para serem aprovados pela Dengo. Entre elas: nenhum plantio pode resultar em desmatamento; e todas as crianças que vivem nas fazendas de cacau têm de frequentar a escola.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Bradesco terá evolução gradual, sem apostar em ‘bala de prata’, diz novo CEO

ESPN, Fox, TNT e ABC estarão juntas em novo streaming com foco em esportes