Companhias aéreas caminham para receita recorde em 2023 com covid-19 no retrovisor

Associação Internacional de Transporte Aéreo estima lucro líquido de US$ 23,3 bi da indústria este ano, mais que o dobro do que o esperado em junho

Global Airline
Por Charlotte Ryan
08 de Dezembro, 2023 | 09:25 AM

Bloomberg — As companhias aéreas globais estão prestes a gerar receitas recordes este ano e continuarão a aumentar os ganhos em 2024, à medida que a indústria se recupera da pandemia.

Embora os juros mais altos possam limitar o crescimento dos lucros, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês) prevê que o lucro líquido da indústria deverá alcançar US$ 23,3 bilhões este ano, mais que o dobro do que a entidade esperava em junho e quase cinco vezes a estimativa do início do ano.

A partir de agora, a recuperação da pandemia deve se moderar, segundo a IATA.

LEIA +
SpaceX: venda de ações pode avaliar empresa de Elon Musk em mais de US$ 175 bi

A receita deverá aumentar 7,6% para US$ 964 bilhões em 2024, em comparação com os US$ 896 bilhões deste ano, enquanto o lucro líquido subirá para US$ 25,7 bilhões.

PUBLICIDADE

O grupo reforçou que as taxas de juros mais altas estão elevando o custo de capital, corrompendo também os ganhos extraordinários das tarifas mais altas de carga aérea.

As receitas de carga devem cair para US$ 111 bilhões em 2024, uma queda acentuada em relação ao pico de US$ 210 bilhões em 2021, mas ainda acima das receitas de 2019, que foram de US$ 101 bilhões.

“A partir de 2024, a perspectiva indica que podemos esperar padrões de crescimento mais normais tanto para passageiros quanto para carga”, disse Willie Walsh, diretor-geral da IATA, no comunicado.

PUBLICIDADE

A entidade estima que cerca de 4,7 bilhões de pessoas viajarão em 2024, um recorde histórico que ultrapassa o nível pré-pandêmico de 4,5 bilhões registrado em 2019.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

BTG Pactual dobra a aposta em estratégia para avançar em venture capital

Gol caminha para nova reestruturação e S&P corta nota de crédito

Os planos de Ermenegildo Zegna para a Tom Ford e o mercado de luxo