CEO da Coca-Cola diz que não vê impacto de Ozempic e outros remédios para emagrecer

James Quincey afirmou em Davos que a ampla linha de produtos protege a companhia, mesmo em caso de mudanças de hábitos de consumo

James Quincey em Davos, na Suíça
Por Brett Pulley
18 de Janeiro, 2024 | 02:10 PM

Bloomberg — O CEO da Coca-Cola (COKE), James Quincey, afirmou que a ampla linha de produtos da empresa protegerá seu negócio se medicamentos como Ozempic e Wegovy - cada vez mais utilizados para perda de peso e supressão do apetite - causarem mudanças nos hábitos de consumo.

Em uma entrevista para a Bloomberg Television em Davos, na Suíça, Quincey disse que, em praticamente todas as categorias, a fabricante de refrigerantes, sucos e bebidas esportivas oferece produtos sem calorias e açúcar. Ele acrescentou que a empresa já tem os produtos para responder às mudanças de comportamento.

“Quando analisamos os dados, não acredito que seja algo grande para nós”, afirmou. “Se você quiser simplificar, nós vendemos uma variedade de bebidas. No final do dia, você pode ingerir menos calorias, mas não pode ingerir menos líquido.”

Empresas de consumo, desde varejistas até fabricantes de alimentos embalados, avaliam até que ponto devem levar em conta os efeitos do crescimento de medicamentos conhecidos como GLP-1 em suas estratégias, à medida que seu uso aumenta rapidamente. Alguns analistas projetaram riscos para lanches e empresas de bebidas.

PUBLICIDADE

Em relação ao refrigerante original de Coca-Cola, adoçada com açúcar, Quincey disse: “Acredito que ela continuará sendo uma grande parte do negócio.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Gigantes farmacêuticas suíças perderam a onda do Ozempic. Agora buscam virar o jogo

El Niño mais forte é novo risco ao agro brasileiro e ao crescimento da economia