Boeing recebe pedido de 150 jatos Max da mais nova companhia aérea da Índia

Fabricante norte-americana enfrenta crise de confiança de empresas de transporte aéreo depois de falhas encontradas em modelos Max 9 nos Estados Unidos

A norte-americana ganhou um pedido de 150 jatos Max da mais nova companhia aérea da Índia
Por Ragini Saxena
18 de Janeiro, 2024 | 05:18 AM

Bloomberg — A Boeing (BA) recebeu da mais nova companhia aérea da Índia um pedido de 150 jatos Max, em uma rara notícia positiva para a fabricante de aviões dos Estados Unidos desde que uma peça de fuselagem se soltou de um voo da Alaska Airlines há quase duas semanas.

A Akasa Air, que começou a voar comercialmente há menos de dois anos, fez uma compra firme dos aviões 737 Max 10 e Max 8-200 para serem entregues até 2032, anunciou a companhia no Wings India air show na quinta-feira.

O pedido não inclui a variante Max 9 envolvida no incidente da Alaska Airlines em 5 de janeiro, quando um painel da porta de plástico se soltou logo após a decolagem.

O carteira de pedidos total da Akasa agora é de 226 aeronaves, fortalecendo seus planos de expansão doméstica e internacional, de acordo com o comunicado. A companhia aérea, que atualmente opera uma frota de 22 aviões Max, continuará a depender principalmente do financiamento de venda e leaseback para seu novo pedido, afirmou o diretor financeiro Ankur Goel.

PUBLICIDADE

O quase desastre da Alaska Air desencadeou uma crise de confiança na empresa Boeing. Embora ninguém tenha morrido e o avião tenha retornado em segurança, o incidente renovou o foco no histórico de segurança e controle de qualidade do gigante da fabricação de aeronaves. Os reguladores americanos ordenaram a suspensão dos aviões Max 9 e as ações da Boeing caíram 22% este ano, com preocupações de que um escrutínio aumentado possa retardar as entregas de aviões.

O acordo com a Akasa Air se soma a uma onda de pedidos de companhias aéreas indianas no ano passado, apostando no aumento da demanda de viagens aéreas da classe média em crescimento do país, à medida que as companhias aéreas de baixo custo oferecem passagens baratas. A IndiGo, maior companhia aérea da Índia, e a Air India fizeram pedidos recordes de mais de 900 aeronaves com a Boeing e a Airbus.

Embora nenhuma das companhias aéreas indianas opere o mesmo tipo de jato envolvido no incidente da Alaska Air, os passageiros nas redes sociais têm resistência em voar com qualquer variante do 737 Max, incluindo a da Akasa. Os 737 Max estão ligados a alguns dos piores problemas de segurança e falhas de design na história recente da aviação, incluindo os acidentes fatais da Lion Air e da Ethiopian Airlines que mataram 346 pessoas.

PUBLICIDADE

A Akasa afirmou na semana passada que realizou uma "inspeção completa" em toda a frota operacional de aeronaves 737 Max, sem encontrar "resultados adversos".

A Akasa enfrenta concorrência da IndiGo e da Air India, que controlam quase três quartos do mercado de aviação altamente competitivo da Índia. A companhia aérea, que possui 4,4% de participação de mercado, enfrentou desafios ao longo do caminho - foi obrigada a reduzir sua programação depois que rivais aliciaram alguns de seus pilotos no ano passado, e a morte de seu investidor bilionário Rakesh Jhunjhunwala em 2022 gerou preocupações sobre a saúde financeira da empresa.

A companhia aérea afirmou que o acordo com a Boeing mostra sua "sólida base financeira".

A Akasa atualmente voa para 18 cidades da Índia, incluindo a rota mais movimentada Mumbai-Nova Deli, e planeja expandir sua rede para o Oriente Médio e Sudeste Asiático.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Não é cedo para dizer que a Boeing tem falhas sistêmicas ainda sem solução

©2024 Bloomberg L.P.