Santander vê nova onda de ofertas de títulos corporativos no Brasil e em LatAm

Ofertas recentes de Cosan, Codelco e América Móvel sugerem início de ano mais movimentado para as emissões de dívida na região, segundo chefe global de dívida corporativa do banco

Prédio da B3, a bolsa de valores de São Paulo
Por Giovanna Bellotti Azevedo - Vinícius Andrade
24 de Janeiro, 2024 | 11:00 AM

Bloomberg — Uma onda de vendas de títulos por empresas latino-americanas nesta semana é um prenúncio de um ano de recuperação na emissão de dívida corporativa, de acordo com a maior coordenador de emissões de títulos da região.

Somente na terça-feira (23), a mineradora chilena de cobre Codelco, a empresa de telecomunicações América Móvil, do México, e a brasileira Cosan (CSAN3) voltaram aos mercados globais, aumentando a atividade no mês mais movimentado de negociações corporativas da América Latina em mais de dois anos, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

As companhias correm para emitir títulos à medida que os investidores observam um possível início dos cortes nas taxas de juros nos EUA, o que tende a reduzir volatilidade no mercado de títulos do Tesouro americano.

Isso tem diminuído os custos de empréstimos e abrindo espaço para empresas lançarem uma série de ofertas que estavam em espera. O ano pode ver um aumento do volume vendido de cerca de US$ 44 bilhões em 2023, disse Conor Hennebry, chefe global de dívida corporativa do Santander.

PUBLICIDADE

“No caso da América Latina, o principal risco é a inflação e as taxas de juros dos EUA”, disse ele em entrevista. “Se as taxas de juros dos EUA começarem a cair, isso será muito positivo para os títulos da América Latina.”

O Santander, o principal coordenador de emissões de títulos em dólar e moedas locais da região com 12% das operações do ano passado, espera que os bancos sejam particularmente ativos à medida que buscam fortalecer os índices de capitalização.

Apenas neste mês, o BBVA México vendeu cerca de US$ 900 milhões em dívidas e o BTG Pactual (BPAC11) anunciou a recompra de parte dos seus títulos em dólares.

PUBLICIDADE
dfd

As transações ocorrem em meio a uma retomada das vendas de títulos tanto em mercados emergentes quanto nos desenvolvidos. A Europa teve seu janeiro mais movimentado da história, enquanto o governo brasileiro realizou uma oferta recorde de dívida.

A exceção provavelmente será o México, onde as empresas buscarão aproveitar a força da moeda do país, mantendo-se em títulos denominados em peso, disse Alejandro Capote, chefe da divisão de banco corporativo e de investimento do Santander no país.

“Empresas que historicamente não estavam ativas no mercado local agora podem potencialmente se tornar ativas”, disse ele em uma entrevista separadamente.

Espera-se que os formuladores de políticas do país sejam os últimos da região a começar a reduzir os juros elevados, o que significa que o peso provavelmente continuará sendo o ativo favorito dos operadores de carry trade.

Negócios de baixo valor

Empresas emissoras de outros países buscarão ocupar o espaço nos mercados internacionais à medida que os governos da América Latina se concentram em seus mercados domésticos, disse Hennebry.

O mercado está aberto para empresas com classificação de investimento - como a América Móvil, do bilionário Carlos Slim, que é a maior operadora de telefonia móvel e fixa da América Latina - e para emissores com rating de risco.

A empresa estatal de petróleo da Colômbia, Ecopetrol, vendeu US$ 1,85 bilhão em títulos de risco. A empresa brasileira de petróleo júnior 3R Petroleum (RRRP3) anunciou planos de emitir até US$ 500 milhões em títulos com vencimento em 2031, de acordo com um registro regulatório. E a empresa de gestão de resíduos Ambipar realizou reuniões de investidores para títulos verdes denominados em dólares.

PUBLICIDADE

Parece que a situação está se revertendo para um "mercado ruim" em 2023, que seguiu uma atividade ainda pior no ano anterior.

“As emissões corporativas em 2022 foram provavelmente as piores da memória recente”, disse Hennebry. “Se os mercados continuarem assim, a emissão será substancialmente maior.”

- Com a contribuição de Michael O’Boyle.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Lucro de big techs deve destoar de novo da economia ‘normal’, segundo analistas

Cervejaria AB InBev, dona da Ambev, faz demissões nos Estados Unidos