Lucro de big techs deve destoar de novo da economia ‘normal’, segundo analistas

Investidores avaliam que os resultados financeiros das grandes empresas de tecnologia podem continuar a impulsionar o mercado de ações neste ano

Microsoft marcó un máximo histórico este año gracias al optimismo sobre la IA y el crecimiento de la nube.
Por Jeran Wittenstein
23 de Janeiro, 2024 | 03:17 PM

Bloomberg — As apostas de alta no mercado de ações nos EUA para além das big techs neste ano se deparam com uma realidade já familiar: o setor continua sendo a fonte mais provável de crescimento de lucros entre as empresas de capital aberto, segundo analistas.

A temporada de balanços do quarto trimestre começa nesta semana com os resultados da Netflix (NFLX), Tesla (TSLA) e Intel (INTC). A expectativa de analistas é a de que as chamadas “Magnificent Seven” devem apresentar um crescimento combinado de lucros de cerca de 46%, segundo dados compilados pela Bloomberg Intelligence.

Isso é um pouco mais baixo que o crescimento de 53% do terceiro trimestre, mas ainda supera quase todos os principais setores do índice S&P 500.

Considerando quão importantes essas empresas são para o mercado de ações como um todo - elas responderam por praticamente todo o avanço de 24% do ano passado -, as expectativas de lucros impulsionaram o S&P 500 para um recorde na segunda-feira (22).

PUBLICIDADE

“O crescimento dominante no mercado vem das big techs”, disse Anthony Saglimbene, estrategista-chefe de mercado da Ameriprise Financial. “Se eles decepcionarem, isso é um risco real para o mercado como um todo.”

Os otimistas contam com resultados financeiros fortes para reacender uma alta no S&P 500. O índice desacelerou no início do ano após o ritmo frenético de 2023. Apple (AAPL), Microsoft (MSFT), Alphabet, Amazon, Nvidia, Tesla e Meta responderam por cerca de dois terços do ganho no ano passado.

A Apple, uma das principais ações que impulsionaram a alta do ano passado após adicionar quase US$ 1 trilhão em valor de mercado, começa 2024 com preocupações sobre suas perspectivas de crescimento.

PUBLICIDADE

Seu produto mais inovador em anos, o fone de ouvido Vision Pro, de US$ 3.499, começa a ser entregue aos consumidores no próximo mês, mas não deve proporcionar um impulso nas vendas tão cedo.

Enquanto isso, a Microsoft avançou ainda mais em território recorde com expectativas crescentes de que sua crescente linha de produtos de software com inteligência artificial alimentará lucros maiores. A empresa sediada em Redmond, em Washington, anunciou em 15 de janeiro que cobrará US$ 20 por mês pelo seu assistente de IA no Windows.

adfd

Mudança de liderança

Ao analisar o mercado de ações como um todo, o S&P 500 teve um início de ano turbulento, caindo no início de janeiro antes de subir para uma nova máxima na segunda-feira.

Os investidores tentam avaliar a força da economia dos EUA e determinar quando o Federal Reserve começará a cortar sua taxa de juros de referência, que está no nível mais alto desde a bolha da internet.

A liderança do S&P 500 mudou nas últimas semanas. A Advanced Micro Devices, Broadcom, Eli Lilly e Merck estavam entre as ações que mais avançaram até agora em 2024. Enquanto isso, a Tesla, que está com uma queda de mais de 15% desde o ano-novo, se tornou a maior empresa no S&P, com a Apple logo atrás.

Para os investidores em tecnologia, uma grande questão é quanto a febre da inteligência artificial contribuirá para os lucros e, em seguida, se refletirá nos preços das ações.

A Nvidia, que é a melhor ação do S&P 500 neste ano e no ano passado, domina o mercado de chips usados na computação de IA e espera-se que apresente lucros no quarto trimestre de mais de US$ 10 bilhões, em comparação com US$ 1,4 bilhão no ano anterior.

PUBLICIDADE

Sem a Nvidia, o crescimento projetado de lucros do quarto trimestre do Índice de Tecnologia da Informação do S&P 500 seria mais que cortado pela metade, de acordo com Wendy Soong, analista da Bloomberg Intelligence.

“Acreditamos que mais empresas provavelmente encontrarão maneiras de monetizar sua exposição à IA, e os investidores estarão procurando evidências de como as empresas podem manter ou melhorar suas margens”, escreveu Solita Marcelli, diretora de investimentos para as Américas na UBS Global Wealth Management, em um relatório em 17 de janeiro. “Estamos apenas nos primeiros innings da história da IA.”

Preocupações

Ao mesmo tempo, sinais de posições grandes demais em tecnologia levantam preocupações sobre o risco de uma venda se os resultados de alguns dos gigantes decepcionarem.

Uma pesquisa global de gestores de fundos do Bank of America neste mês mostrou que a estratégia mais comum é estar posicionado a favor das big tech e de outras ações de crescimento no setor de tecnologia.

PUBLICIDADE

Para Matt Maley, da Miller Tabak + Co., as negociações recentes mostraram que as big tech impulsionam o mercado novamente e a alta concentração é um “alerta” para os investidores de algo que pode voltar a prejudicá-los.

“Quando os fundos de hedge têm posições tão concentradas, deixa o mercado muito vulnerável a um choque de curto prazo”, disse Maley, estrategista-chefe de mercado da empresa.

Apesar dessa configuração, o mercado de opções precifica um “risco virtualmente inexistente” para as ações de altíssima capitalização de mercado (megacaps), segundo Brian Donlin, chefe de estratégia de derivativos de ações na Stifel Nicolaus.

Saglimbene, da Ameriprise Financial, está confiante de que qualquer venda seria relativamente curta, pois a atração das ações das big techs provavelmente não diminuirá.

PUBLICIDADE

“A longo prazo, os investidores voltarão a olhar para essas empresas e se aproximarão delas porque realmente têm crescimento, receitas recorrentes e potencial para um crescimento maior no futuro”, disse ele. “Nenhum outro setor oferece esse tipo de caminho para os lucros.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Nubank avaliaria retornar à Argentina se a economia melhorar, diz Cristina Junqueira

Carros elétricos terão no máximo 30% do mercado, diz presidente do conselho da Toyota