Rali da Dell encontra barreira, mas analistas ainda recomendam compra de ações

Ações da fabricante de computadores subiram quase 90% até o final de novembro para patamar recorde. Perspectiva é de que inteligência artificial exija hardwares de qualidade

a
Por Carmen Reinicke
06 de Dezembro, 2023 | 12:33 PM

Bloomberg — Alguns investidores da Dell estão questionando se o preço das ações justifica um crescimento que ainda não se materializou.

As ações da fabricante de computadores pessoais subiram quase 90% para um recorde até o final de novembro, em meio às expectativas de impulso da demanda por inteligência artificial. Os papéis, porém, que estão sendo negociados acima da média dos últimos cinco anos a cerca de 10 vezes o lucro futuro, perderam força desde que o balanço do terceiro trimestre da Dell mostrou que o impulso da IA está longe.

“Estamos aguardando para encontrar um ponto de entrada melhor”, disse Hendi Susanto, analista da Gabelli Funds. “As ações subiram significativamente, e estamos adotando uma abordagem paciente quando se trata da oportunidade de crescimento em IA.”

A Dell gerou otimismo em agosto ao superar as expectativas de vendas no segundo trimestre e dizer que via a demanda por servidores que suportam cargas de trabalho de IA como um vento favorável a longo prazo. No entanto, os resultados do mês passado mostraram que, mesmo que tenha registrado US$ 500 milhões em receita no terceiro trimestre com esses servidores de alto desempenho, não foi o suficiente para compensar a queda nos PCs.

PUBLICIDADE
LEIA +
As 10 ações mais recomendadas para dezembro, segundo 14 bancos e corretoras

É um cenário sobre o qual analistas como William Kerwin, da Morningstar, têm alertado. As ações receberam três classificações equivalentes a venda desde agosto. Kerwin, que reduziu sua classificação para venda em setembro, diz que as ações estão supervalorizadas nos níveis atuais.

Os analistas do Barclays liderados por Tim Long também rebaixaram as ações da empresa para uma classificação equivalente a venda em setembro, citando pressões macroeconômicas levando a dificuldades nos mercados de PCs e servidores/armazenamento que a IA provavelmente não seria capaz de compensar.

adfd

“O crescimento nessa área exigirá um ciclo em que as pessoas estejam atualizando porque a IA permite que elas façam algo novo no dispositivo”, disse Daniel Newman, CEO do The Futurum Group. “Todos parecem convencidos de que o fundo do ciclo dos PCs está aqui, e há alguns aspectos positivos nisso, mas o crescimento real não virá até que PCs e telefones baseados em IA sejam lançados.”

PUBLICIDADE

Isso pode não acontecer até a segunda metade de 2024, acrescentou Newman. As estimativas de consenso agora esperam que a receita da Dell no primeiro trimestre fiscal de 2025 diminua ainda mais para cerca de US$ 21 bilhões antes de se recuperar para quase US$ 23 bilhões no segundo trimestre e crescer até o final do ano.

Ainda assim, Wall Street permanece otimista em relação à Dell como um todo. Mais de 70% dos que cobrem a empresa têm uma classificação equivalente a compra, e a meta de preço média de US$ 79 implica quase 14% de valorização, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Seu ganho de cerca de 70% este ano é “um sinal de que a Dell ainda é vista como relevante”, disse Peter Garnry, chefe de estratégia de ações no Saxo Bank AS. “A empresa está na mesma posição da Oracle anos atrás, com um negócio estável e de margem alta, mas sem crescimento.”

Para alguns investidores, a sólida posição financeira da Dell a deixa bem posicionada para resistir a uma desaceleração antes de potencialmente se beneficiar da próxima onda de demanda por inteligência artificial.

“Gostamos de empresas que têm um balanço muito sólido, não se endividam muito e não estão sujeitas às vicissitudes do mercado e da economia”, disse Jack Ablin, diretor de investimentos da Cresset Capital LLC. “IA poderia ser o próximo catalisador para impulsionar o próximo ciclo de hardware.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Wall St luta para monitorar comunicação por apps, mesmo após multas de US$ 2 bi

Retomada de IPOs só acontece com sentimento de confiança, diz UBS