Postura do Fed é ‘muito restritiva’ para 21% dos economistas, maior nível em 13 anos

Pesquisa de associação indica que uma parte dos especialistas considera que a taxa de juros do banco central americano está elevada demais

Sede do Fed, em Washington
Por Matthew Boesler
12 de Fevereiro, 2024 | 12:32 PM

Bloomberg — Os economistas estão começando a pensar que o Federal Reserve está mantendo a política monetária um pouco apertada demais.

Essa é a conclusão dos resultados de uma pesquisa da National Association for Business Economics (NABE) publicada na segunda-feira (12), que mostrou que 21% dos entrevistados consideraram a postura monetária atual do banco central dos EUA como “muito restritiva” - o maior percentual desde 2011.

dfd

Os resultados, publicados antes da conferência anual de política econômica da NABE nesta semana em Washington, foram coletados entre 23 e 30 de janeiro, pouco antes da reunião de política mais recente do Fed em 30 e 31 de janeiro.

As autoridades do Fed aumentaram sua taxa de juros de referência em mais de cinco pontos percentuais entre março de 2022 e julho do ano passado, no ciclo de aperto mais rápido desde o início dos anos 80.

PUBLICIDADE

A inflação recuou rapidamente no segundo semestre de 2023, alimentando expectativas nos mercados financeiros de que o banco central começaria a reduzir as taxas no início de 2024.

Na reunião de janeiro, o presidente do Fed, Jerome Powell, e seus colegas votaram para manter a taxa de referência inalterada e sinalizaram que a próxima reunião em março seria um ponto de partida improvável para cortes nas taxas. Os investidores atualmente apostam que a flexibilização começará em maio.

Powell citou o crescimento econômico robusto e um mercado de trabalho forte como razões pelas quais o Fed poderia levar seu tempo antes de começar a desfazer as medidas de aperto.

Um relatório mensal de emprego publicado em 2 de fevereiro mostrou que a criação de empregos foi muito maior do que o esperado no início do ano, e o crescimento do emprego em 2023 também foi revisado para cima.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

As ações mais recomendadas para fevereiro, segundo 14 bancos e corretoras