Por que os balanços de Microsoft, Alphabet e AMD ficaram aquém das expectativas

Apesar do crescimento na área de inteligência artificial, os resultados não foram o suficiente para satisfazer as esperanças de investidores; ações caem

Símbolos de ações da Nasdaq, em Nova York
Por Jackie Davalos - Ian King
31 de Janeiro, 2024 | 10:38 AM

Bloomberg — A Microsoft (MSFT), o Google, da Alphabet (GOOGL) e a Advanced Micro Devices (AMD) — três empresas que trabalham mais do que quase qualquer outra para integrar inteligência artificial em seus produtos — têm descoberto que as expectativas dos investidores para a tecnologia são difíceis de serem alcançadas.

As ações das gigantes de tecnologia caíram nas negociações antes da abertura do mercado na quarta-feira (31), a manhã seguinte à divulgação dos resultados dos últimos três meses de 2023 e previsões para o trimestre atual.

A Microsoft caiu até 2,3% nas negociações iniciais. O Google caiu até 5,9% e a AMD caiu até 7,3% antes da abertura do mercado em Nova York.

As três empresas fizeram questão de destacar o progresso em IA. No caso da AMD, a empresa previu que seus novos processadores de IA gerarão ainda mais vendas do que o esperado.

PUBLICIDADE

A Microsoft destacou como os usuários estavam adotando seus assistentes de IA, e o Google disse que a tecnologia estava melhorando seus serviços de busca e computação em nuvem.

Mas os investidores tinham impulsionado as ações das empresas para máximas históricas nas últimas semanas, apostando que os ganhos relacionados à IA impulsionaria os resultados. O que eles ouviram na terça-feira não foi suficiente para satisfazer essas esperanças.

“As empresas continuamente precisam se provar e provar continuamente a proposta de valor da IA”, disse Katrina Dudley, gestora de portfólio e analista da Franklin Templeton, na Bloomberg Television.

PUBLICIDADE

Microsoft e Google, dois rivais em software de IA e computação em nuvem, entregaram principalmente boas notícias em seus balanços — mas ainda assim os investidores deram de ombros.

Na Microsoft, a receita aumentou na taxa mais rápida desde 2022, impulsionada em parte por produtos de IA que ajudam a elevar a adoção de seus serviços de data center. A receita de sua unidade de serviços em nuvem Azure aumentou 30%.

A demanda por IA impulsionou a taxa de crescimento em 6 pontos percentuais, disse a diretora financeira Amy Hood. Isso foi superior aos 3 pontos percentuais do trimestre anterior — uma aceleração que o analista do UBS, Karl Keirstead, chamou de “apenas extraordinária” em uma ligação com executivos da empresa.

A Microsoft não divulgou quanto esperava que a IA impulsionasse o Azure no período atual.

Apesar do impulso, Wall Street queria mais clareza sobre quanto a IA contribuirá para o desempenho financeiro no futuro, disse o analista da CFRA Research, Angelo Zino. “Os investidores querem que eles quantifiquem o potencial da IA nos próximos anos”, disse ele.

Mas a Microsoft não vai seguir o mesmo padrão da Nvidia (NVDA), fabricante de processadores de IA que viu as vendas explodirem.

“No que diz respeito à contribuição de IA para a Microsoft, não é assim que isso vai funcionar”, disse Zino. “Isso será uma luta mais lenta do que talvez alguns tenham antecipado.”

PUBLICIDADE

Novo chip da AMD

As ações da AMD haviam sido uma das escolhas favoritas dos investidores que procuravam formas de apostar na computação de IA. Suas ações foram o segundo melhor desempenho no Índice de Semicondutores da Bolsa de Valores de Filadélfia neste ano, seguindo um desempenho semelhante em 2023.

Isso significava que a AMD tinha um obstáculo alto para superar com seu relatório trimestral.

Não ajudou que a previsão de vendas da fabricante de chips para o trimestre atual ficasse aquém da maioria das estimativas. Mas a empresa disse que seu chip acelerador de IA MI300 está gerando vendas muito maiores do que o esperado.

O processador, semelhante ao popular H100 da Nvidia, ajuda a desenvolver modelos de IA bombardeando-os com dados. A demanda é tão alta pelo produto que a AMD agora espera faturar mais de US$ 3,5 bilhões em vendas este ano, acima da previsão anterior de US$ 2 bilhões.

PUBLICIDADE

A pegadinha: alguns em Wall Street estavam prevendo números tão altos quanto US$ 8 bilhões, de acordo com Chris Caso, analista da Wolfe Research.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Fabricante do Ozempic é 2ª empresa europeia a atingir US$ 500 bi em valor de mercado

Copel mira novo investimento em eólica e solar após privatização