Por que o UBS espera que o Fed seja agressivo e corte o juro já em março de 2024

Estrategistas esperam que taxa caia do atual intervalo de 5,25% a 5,50% para 2,5% a 2,75% até o fim de 2024, em estimativa de corte mais agressiva que a precificada no mercado

Sede do UBS em Zurique: banco tem projeção que difere do consenso de mercado para os juros (Foto: Arnd Wiegmann/Bloomberg)
Por Alice Atkins - Sujata Rao
13 de Novembro, 2023 | 01:13 PM

Bloomberg — Os estrategistas do UBS preveem que o Federal Reserve reduzirá as taxas de juros em 275 pontos-base no próximo ano, quase quatro vezes mais do que os mercados estão precificando, conforme previsto por Alice Atkins e Sujata Rao em um artigo na Bloomberg em 13 de novembro de 2023.

A previsão é baseada em um cenário projetado de contínua queda na inflação, que permitirá ao banco central americano começar a flexibilizar a política a partir de março, com cortes nas taxas provavelmente ocorrendo em grandes incrementos típicos de um ciclo de flexibilização, de acordo com Arend Kapteyn e Bhanu Baweja.

Baweja afirmou em uma entrevista no escritório de Londres do UBS: “Não vemos as condições para que desta vez seja tão diferente. A inflação está normalizando rapidamente e, até março, o Fed estará lidando com taxas reais que são muito altas”.

Os estrategistas esperam que a taxa de juros de referência caia para o intervalo entre 2,5% e 2,75% até o final de 2024, com a taxa terminal atingindo 1,25% no início de 2025.

PUBLICIDADE

Essa previsão é fundamentada na expectativa de que a economia dos EUA entrará em recessão no segundo do próximo ano. As taxas estão atualmente no intervalo entre 5,25% e 5,50%.

Em contraste, os mercados monetários estão precificando uma redução de apenas 75 pontos-base pelo Fed, a começar em julho.

Para fundamentar suas previsões, Kapteyn e Baweja apontaram para ciclos de flexibilização nas últimas três décadas, nos quais os bancos centrais do G10, excluindo o Japão, tendem a reduzir as taxas em uma média de 320 pontos-base ao longo de um período de 15 meses.

PUBLICIDADE

Kapteyn afirmou: “Acreditamos que teremos um ciclo normal de cortes. Cada banco central — exceto o Japão — estará flexibilizando muito mais do que os mercados estão precificando”.

Há divisão entre os bancos de Wall Street quanto à perspectiva de flexibilização da política, com o Morgan Stanley prevendo cortes profundos, enquanto o Goldman Sachs prevê menos reduções e um início mais tardio.

O UBS também tem uma visão não consensual sobre a zona do euro, prevendo que ela escapará por pouco de uma recessão, permitindo ao Banco Central Europeu adiar a flexibilização da política monetária.

Baweja e Kapteyn esperam que o BCE inicie seu ciclo de redução após o Fed, a partir de junho de 2024, e reduza a taxa em apenas 75 pontos-base. No entanto os mercados monetários estão precificando 100 pontos-base de flexibilização, começando já em abril.

Embora o caminho projetado para as taxas de juros do Fed provavelmente enfraqueça o dólar e reduza os rendimentos dos Treasuries, Baweja antecipa que o rendimento do Tesouro de 10 anos terá um patamar mínimo de 3,5% no próximo ano, à medida que os volumes de emissão de dívida dos EUA permanecem elevados.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Verde Asset, de Luis Stuhlberger, amplia a aposta em juros no Brasil

Goldman Sachs e Morgan Stanley divergem sobre trajetória de juros do Fed

Rio Bravo vê risco em aposta em juro no país com incerteza fiscal e aperto do Fed