Para Kolanovic, do JPMorgan, correção nas bolsas dos EUA ainda não acabou

Estrategista-chefe do banco americano afirma que inflação elevada, riscos geopolíticos e menores expectativas de corte dos juros nos EUA contribuem para visão negativa

Alerta vem depois que o Nasdaq 100 teve sua maior perda semanal em 17 meses
Por Alexandra Semenova
23 de Abril, 2024 | 11:11 AM

Bloomberg — A queda nas ações dos Estados Unidos ao longo das últimas três semanas foi o início de um selloff que provavelmente se aprofundará junto com os crescentes riscos macroeconômicos, incluindo o aumento dos rendimentos do Tesouro, um dólar forte e preços elevados do petróleo, avaliou Marko Kolanovic, do JPMorgan (JPM).

Embora os resultados das empresas americanas nesta semana possam estabilizar temporariamente o mercado, isso não significa que as ações estejam fora de perigo, disse o estrategista-chefe do banco.

A complacência em torno dos valuations das ações, a persistência da inflação elevada, as menores expectativas para cortes nas taxas de juros pelo Federal Reserve e as perspectivas excessivamente otimistas para os lucros estão entre as forças que Kolanovic diz estarem aumentando os riscos de baixa.

Leia mais: Wall Street se divide sobre as perspectivas de lucros de empresas em 2024

PUBLICIDADE

“A correção provavelmente tem mais para onde ir”, escreveu ele em uma nota para clientes, depois que o índice S&P 500 encerrou a semana passada mais de 5% abaixo de sua máxima de fechamento em 28 de março.

Uma correção de mercado é geralmente definida como uma queda de 10% ou mais. “A concentração do mercado tem sido muito alta, e a posição estendida, que são normalmente sinais de alerta, estão em risco de reversão.”

Gráfico: JPMorgan tem o menor preço-alvo estimado entre bancos de Wall Streetdfd

As ações dos EUA tiveram uma alta na segunda-feira (22), com o S&P 500 subindo 0,9%, antes de uma semana movimentada de balanços. Resultados são esperados de cerca de 180 membros do índice, representando mais de 40% de seu valor de mercado.

Microsoft (MSFT), a controladora do Google Alphabet (GOOGL), Meta (META) e Tesla (TSLA) estão entre os maiores nomes que devem reportar resultados nos próximos dias.

O alerta do estrategista do JPMorgan ocorre depois que o grupo levou o índice Nasdaq 100, concentrado em tecnologia, à sua maior perda semanal em 17 meses, em meio a preocupações de que o Fed manterá as taxas mais altas por mais tempo.

Para Kolanovic, os padrões recentes e a narrativa de mercado atual se assemelham aos da metade de 2023, quando surpresas positivas de inflação e revisões do Fed mais hawkish provocaram uma queda nos ativos de risco.

Exceto que agora a posição dos investidores parece mais elevada. O estrategista recomenda uma postura defensiva, com o panorama das ações parecendo “problemático”. Em sua carteira modelo, uma abordagem defensiva envolve a proteção dos ativos de risco com exposição à volatilidade e commodities, excluindo ouro.

PUBLICIDADE

Kolanovic e sua equipe têm sido parte de um pequeno grupo de pessimistas em Wall Street este ano.

Enquanto a maioria de seus colegas aumentava suas perspectivas para o mercado de ações dos EUA, a equipe do JPMorgan permaneceu avessa às ações e aos ativos de risco de forma ampla, com a menor projeção de final de ano para o S&P 500 entre os grandes bancos de Wall Street.

Gráfico: Nasdaq vê maior sequência de perdas desde novembro de 2022dfd

Com 4.200 pontos projetados para dezembro, sua previsão implica uma queda de cerca de 16% em relação ao nível do fechamento de segunda-feira.

A visão do banco sobre as ações dos EUA não se concretizou por dois anos consecutivos, já que Kolanovic permaneceu otimista durante grande parte da queda de 2022 e depois adotou uma postura pessimista durante o rali de 24% no S&P 500 no ano passado.

“A expansão múltipla vista nos últimos meses, métricas de volatilidade extremamente baixas até recentemente, spreads de crédito mais estreitos desde 2007 e a incapacidade geral dos participantes do mercado no início do ano de identificar qualquer catalisador negativo potencial para as ações estão começando a mudar”, disse Kolanovic.

Veja mais em bloomberg.com