Morgan Stanley e JPMorgan veem risco para o S&P com perspectiva de lucros mais fraca

Ganhos das ações nos últimos cinco meses foram impulsionados por condições financeiras mais flexíveis e múltiplos de preço mais altos, não em uma melhora dos fundamentos, segundo Michael Wilson, do Morgan Stanley

JPMorgan vê o S&P 500 encerrando o ano em 4.200 pontos
Por Farah Elbahrawy
25 de Março, 2024 | 04:12 PM

Bloomberg — O rali que levou as ações americanas a um novo recorde este ano irá estagnar se os lucros das empresas decepcionarem, disseram dois dos estrategistas mais pessimistas de Wall Street.

O Morgan Stanley (MS) e o JPMorgan (JPM) estão preocupados com perspectivas de lucros cada vez mais fracas nos Estados Unidos.

Os ganhos das ações nos últimos cinco meses foram impulsionados por condições financeiras mais flexíveis e múltiplos de preço mais altos, não em uma melhora dos fundamentos, segundo Michael Wilson, do Morgan Stanley.

“Uma expansão adicional dos múltiplos nos EUA dependerá provavelmente de uma inflexão ascendente nas expectativas de lucros”, escreveu a equipe liderada por Wilson. “É difícil justificar os valuations mais elevados ao nível do índice com base apenas nos fundamentos, dado que as previsões de lucros para 2024 e 2025 quase não mudaram durante este período.”

PUBLICIDADE

Leia também: Nome para o BC defensor de meta de inflação ajudaria expectativas, diz Mario Mesquita

De acordo com dados compilados pela Bloomberg Intelligence, as estimativas de lucros por ação foram revisadas para baixo nos últimos cinco meses, com o crescimento em 2024 previsto agora em cerca de 9%, contra 11% no início de novembro.

Mas embora as estimativas de lucros tenham caído, as ações americanas continuaram a subir, com o otimismo sobre cortes de juros e inteligência artificial. Os resultados do quarto trimestre mais fortes do que o esperado também ajudaram.

PUBLICIDADE

Mislav Matejka, do JPMorgan, também está preocupado com a disparidade entre expectativas de lucros e preços das ações.

“Nossa preocupação é que o crescimento dos lucros possa ser desanimador, por uma série de motivos”, escreveu a equipe liderada por Matejka. “Se a aceleração dos lucros não se materializar, isso poderá funcionar como uma restrição.”

Morgan Stanley e JPMorgan estão entre os mais pessimistas em Wall Street. O JPMorgan vê o S&P 500 encerrando o ano em 4.200 pontos – uma queda de 20% em relação ao fechamento mais recente – e Wilson espera que o índice de referência caia para 4.500 pontos.

A estrategista Lori Calvasina, do RBC Capital Markets, observou que o desempenho superior das principais ações do S&P 500 está estagnando após atingir novas máximas. “Continuamos a ver o sentimento como algo tenso e achamos que uma retração do mercado acionário americano está atrasada”, escreveu ela.

Veja mais em Bloomberg.com