Ibovespa recua em dia de payroll nos EUA, com Petrobras e commodities; dólar cai

Dados de emprego nos EUA são monitorados de perto nesta sexta (5), enquanto investidores aguardam novas falas de membros do Federal Reserve

Ibovespa recua em dia de payroll nos EUA, com Petrobras e commodities; dólar cai |
05 de Abril, 2024 | 10:34 AM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) tem leve queda nesta sexta-feira (5), em uma sessão de baixa para as ações da Petrobras (PETR3; PETR4) e com investidores analisando dados de emprego nos Estados Unidos.

Por volta das 10h30 (horário de Brasília), o índice cedia 0,08%, aos 127.321 pontos. O dólar, por sua vez, tinha queda de 0,20%, a R$ 5,05. Os papéis da petroleira, com grande peso do índice, recuavam até 1,7% no mesmo horário, diante de especulações sobre uma possível saída do CEO Jean Paul Prates da Petrobras.

Segundo fontes da Bloomberg News, o executivo busca uma reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para verificar se segue com apoio para o cargo.

Na agenda do dia, os Estados Unidos criaram 303 mil vagas de emprego em março, enquanto a taxa de desemprego ficou em 3,8%, segundo o relatório de folha de pagamento (payroll) divulgado nesta manhã.

PUBLICIDADE

O resultado, que ficou acima das 231 mil vagas registradas um ano atrás, também veio maior que as previsões de economistas consultados pela Bloomberg, que previam a criação de 214 mil postos de trabalho. Em fevereiro, o total havia sido de 270 mil.

Os dados sinalizam que, apesar dos juros altos, o mercado de trabalho segue resiliente. E pode endossar o discurso do Fed de que não há pressa para cortar os juros.

O payroll é acompanhado de perto enquanto investidores também monitoram falas de membros da autoridade monetária em busca de pistas sobre o rumo dos juros nos EUA.

PUBLICIDADE

Comentários hawkish (favoráveis a juros mais altos) de membros do Fed têm pesado sobre o sentimento nos últimos dias. Na quarta-feira (3), o chefe do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, disse que prevê apenas um corte dos juros nos EUA este ano, no quarto trimestre.

Já o presidente do Federal Reserve Bank de Minneapolis, Neel Kashkari, disse ontem que cortes nas taxas de juros podem não ser necessários este ano se o progresso na inflação estagnar, especialmente se a economia se mantiver robusta.

Michelle Bowman, Susan Collins e Tom Barkin, membros do Fed, discursam nesta sexta.

Enquanto isso, no Brasil, o mercado acompanha declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em meio às especulações sobre uma possível Selic terminal mais alta este ano e à pressão recente sobre o câmbio.

Ainda no âmbito corporativo, o Itaú BBA elevou para outperform (recomendação acima da média do mercado, equivalente a compra) as ações da B3 (B3SA3). “Este parece ser um daqueles momentos extremos de baixa que eventualmente prova ser um ponto de entrada”, escrevem os analistas liderados por Pedro Leduc, em relatório.

A revisão para cima dos papéis da bolsa brasileira acontece um dia depois de o Santander (SANB11) também ter elevado a recomendação da B3 para compra.

-- Com informações da Bloomberg News

Mariana d'Ávila

Editora assistente na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.