Estrategistas alertam para risco de otimismo alto com as ações do mercado japonês

Alta nos juros do país poderia levar à decisão de venda entre os investidores, assim como a própria realização de lucros depois de as bolsas baterem recordes em 34 anos

Vista de Tóquio, Japão
Por Tassia Sipahutar, John Cheng e Yasutaka Tamura
20 de Janeiro, 2024 | 05:05 PM

Bloomberg — O mercado do Japão, o mais popular da Ásia, também tem seus críticos. O entusiasmo dos investidores por ações japonesas domina a região, com 59% dos gestores de fundos da Ásia com posição forte no país, segundo uma pesquisa do Bank of America (BAC) neste mês, sendo a Índia a segunda colocada com 18%.

O otimismo se baseia no fato dos índices Nikkei 225 e Topix do país atingirem seus níveis mais altos em 34 anos, aliados a um iene fraco e ao retorno da inflação.

Essa popularidade convenceu estrategistas do HSBC Holdings e do Societe Generale de que o mercado subiu muito e os investidores devem começar a realizar lucros.

A volatilidade do iene se tornou outra preocupação. A fraqueza da moeda foi impulsionada pelas taxas negativas do país, e os traders têm sido sacudidos à medida que especulações aumentam de que o Banco do Japão encerrará finalmente a política frouxa neste ano.

PUBLICIDADE

“Vou ter cuidado neste mercado”, disse Herald van der Linde, chefe de estratégia de ações na Ásia do HSBC em Hong Kong. “Todos estão bem posicionados para isso, todos compraram a ideia”, disse ele, acrescentando que grande parte das boas notícias já foram precificadas. A corretora tem uma classificação de subponderação para as ações do Japão.

Alguns indicadores técnicos apoiam essa visão. O Topix mostra sinais de superaquecimento, pois seu índice de força relativa atingiu recentemente o maior nível desde maio. Na última vez que ultrapassou o limite de sobrecompra em setembro, o mercado caiu cerca de 9%. Alguns observadores de mercado afirmam que as ações japonesas correm o risco de se tornarem uma operação excessivamente popular.

O HSBC prevê que o Topix encerrará o ano em 2.460, o que representaria uma queda de 1,3% em relação aos níveis atuais. O Societe Generale espera que o Nikkei 225 caia para 32.500 até o final de junho, uma queda de cerca de 8%.

PUBLICIDADE

“Muito já foi precificado no curto prazo”, disse Michael Dyer, diretor de investimentos em estratégias multi-ativos na M&G Investments em Hong Kong. “Reduzimos um pouco. Realizamos alguns lucros. Tornou-se mais uma vez um trade de consenso.”

Sua visão é ecoada por Kelvin Leung, gerente de portfólio na Robeco Hong Kong Ltd. A “recente alta ainda é impulsionada pelo momentum e ainda está bastante superaquecida, na minha opinião”, disse ele. “Se observarmos a amplitude do mercado, é impulsionada por grandes empresas, tecnologia e automóveis. Eu diria que ainda é bastante estreita.”

Quando e se o Japão aumentar as taxas, provavelmente estará se movendo na direção oposta ao Federal Reserve. Taxas mais baixas nos Estados Unidos enfraqueceriam a força do dólar em relação ao iene.

Isso influenciou a decisão do Societe Generale de reduzir sua alocação em ações japonesas para 8% em novembro, ante 15%, já que os movimentos excessivos do iene em relação ao dólar “tornam o risco-retorno um pouco menos atraente”, segundo Frank Benzimra, chefe de estratégia de ações na Ásia da empresa francesa.

“Temos que reconhecer algum risco no momento em que se espera que o Fed alivie e o Banco do Japão aperte”, disse Benzimra, com sede em Hong Kong.

Investidores otimistas destacam políticas destinadas a melhorar os valuations corporativos em seis anos. Ao mesmo tempo, mais de um quarto dos investidores pesquisados pelo Bank of America em janeiro esperam retornos de dois dígitos nos próximos 12 meses, um aumento em relação a um sexto na pesquisa anterior em dezembro.

Kiyoshi Ishigane, gestor de fundos-chefe da Mitsubishi UFJ Asset Management, disse que, embora tenha reduzido sua exposição, continua otimista para o futuro.

PUBLICIDADE

“Reduzi o peso das ações japonesas e obtive um pouco de lucro”, disse ele. “Também espero que o rendimento do Tesouro de 10 anos aumente novamente, potencialmente arrastando as ações para baixo no futuro. Dito isso, os fundamentos das ações japonesas não mudaram muito, então continuo otimista a longo prazo.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

De comissária de voo a CEO: executiva será primeira mulher a liderar a Japan Airlines

PUBLICIDADE

Por que esta corretora global vai na contramão do mercado e aposta na China

Da China em falso à febre em IA: os erros e as surpresas de investidores em 2023