Mercados

Ataque a Gaza, Biden em Israel e PIB chinês: os eventos que movem os mercados hoje

Os investidores também acompanham as ações do setor de tecnologia após Nvidia mostrar perdas com nova restrição dos EUA a exportações de chips avançados à China

Estes são os eventos que orientam os investidores e movem os mercados hoje
Por Bianca Ribeiro e Michelly Teixeira
18 de Outubro, 2023 | 06:38 AM

Barcelona, Espanha — O receio com a escalada da guerra entre Israel e o Hamas ganha força nos mercados após a explosão em um hospital em Gaza, que deixou centenas de vítimas. Os investidores também avaliam o crescimento acima do esperado da economia chinesa, embora os problemas no setor imobiliário do país ainda preocupem. E a visão de que os juros devem continuar altos por mais tempo ganha força após o aumento do petróleo se refletir na inflação do Reino Unido em setembro (+6,7% na base anual).

LEIA +
Credit Suisse na mira de Singapura por escândalo de lavagem de dinheiro por clientes

🪖 Biden em destaque. O ataque ao hospital em Gaza, atribuído a ambas as partes da guerra, frustrou o encontro do presidente Joe Biden com lideranças árabes na Jordânia e torna ainda mais crucial a viagem a Israel, nesta quarta-feira, para conter a expansão do estresse na região. Enquanto isso, o petróleo WTI sobe a mais de US$88 por barril e o ouro atinge uma nova máxima em quatro semanas (US$1.950), com os investidores buscando resguardo.

🇨🇳 Consumo x hipotecas. O PIB da China (+4,9%) indicou alta do consumo como um todo no terceiro trimestre, mostrando coerência com o objetivo de crescimento do país, de 5% no ano, mas o desempenho não apagou os temores dos investidores relacionados ao mercado imobiliário. A construtora chinesa Country Garden disse à Bloomberg News que é improvável que consiga pagar o total de US$15,4 milhões em juros de títulos em dólares que vencem hoje.

🔚 De saída do carvão. A mineradora BHP (BHP) dá mais um grande passo para se distanciar dos combustíveis fósseis e vender sua participação em duas operações australianas de carvão para a Whitehaven Coal por pelo menos US$3,2 bilhões, podendo chegar a um valor adicional de US$900 milhões. A BHP é co-proprietária das minas em uma joint venture com a Mitsubishi.

PUBLICIDADE
LEIA +
BHP venderá minas de carvão de coque na Austrália por no mínimo US$ 3,2 bilhões

📱 Chips em baixa. A ASML (ASML) sofreu um tombo de 42% em seus pedidos de semicondutores no terceiro trimestre, para €2,6 bilhões (US$2,8 bilhões), bem abaixo da média prevista pelo mercado (€4,5 bilhões). O setor continua fragilizado pela queda da demanda dos consumidores que levou as vendas da TSM (TSM), maior cliente da ASML, a um recuo de 11% no mesmo período, segundo a Bloomberg.

📉 Perdas por bloqueio. As ações da Nvidia (NVDA) caem desde ontem em resposta à restrição do governo dos EUA à venda de processadores projetados especificamente para o mercado chinês, para manter a China distante da tecnologia de ponta e chips avançados. A empresa norte-americana, que impulsionou o setor de tecnologia associada à inteligência artificial no último trimestre, disse que as novas regras podem gerar dificuldades, embora não tenham impacto financeiro no curto prazo. Suas ações recuaram -4,7% na véspera e perdiam cerca de -1,5% nas negociações prévias à abertura das bolsas dos EUA.

📈 O vaivém dos ativos. Os contratos futuros de índices dos EUA recuavam moderadamente e as bolsas europeias mostravam ligeiras variações e direções mistas. Na Ásia, o fechamento foi majoritariamente negativo. Em outros mercados, o prêmio de risco do título de 10 anos dos EUA, em alta, era de 4,84%. O ouro subia, assim como os contratos de petróleo bruto WTI, estes em alta de mais de 3%. No mercado cambial, o euro e a libra esterlina se apreciavam frente ao dólar, enquanto o iene se desvalorizava. A estrategista do Goldman Sachs (GS), Cecilia Mariotti, disse à Bloomberg que um período prolongado de risco geopolítico e inflação persistente pode reavivar as preocupações com o crescimento econômico e afetar a recuperação das ações no final do ano.

PUBLICIDADE

(Com informações de Bloomberg News)

Os mercados esta manhãdfd

🟢 As bolsas ontem (17/10): Dow Jones Industrials (+0,04%), S&P 500 (-0,01%), Nasdaq Composite (-0,25%), Stoxx 600 (-0,10%), Ibovespa (-0,54%)

Novos dados da economia dos EUA, como as vendas no varejo acima do previsto, reforçaram as apostas de que o Fed poderia manter os juros altos por mais tempo. A queda das ações da Nvidia também pesou no fechamento misto dos índices.

Saiba mais sobre o vaivém dos Mercados e se inscreva no After Hours, a newsletter vespertina da Bloomberg Línea com o resumo do fechamento dos mercados.

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

EUA: Livro Bege; Índice de Compras MBA; Índice do Mercado Hipotecário; Licenças de Construção/Set; Construção de Novas Casas/Set; Estoques de Petróleo Bruto

Europa: Zona do Euro (IPC/Set); Reino Unido (IPC e Índice de Preços no Varejo/Set)

Ásia: Japão (Balança Comercial); China (Preços de Imóveis/Set)

América Latina: Brasil (Vendas no Varejo/Ago)

Bancos centrais: Discursos de John Williams, Michelle Bowman, Patrick Harker, Lisa Cook (Fed)

PUBLICIDADE

Balanços: Tesla, Procter&Gamble, ASML, Abbott Labs, Netflix, SAP, Morgan Stanley, Volvo, Nasdaq, Deutsche Boerse, Alcoa

🗓️ Os eventos de destaque na semana →

Leia também:

Déficit primário fora da meta em 2024 já está no preço, diz Galípolo

Casa de Negócios: de um acidente de esqui à SmartFit, líder de academias em LatAm

Bianca Ribeiro

Bianca Ribeiro

Jornalista especializada em economia e finanças, com passagem por redações e veículos focados em economia, como Valor Econômico, Agência Estado e Folha de S.Paulo.

Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 13 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e fez um mestrado em Digital Business na ESADE.