Além dos dados: como o Fed tem buscado histórias da vida real para avaliar a economia

Diretores têm feito visitas de campo e encontros com empresários para entender a real situação dos Estados Unidos e os efeitos do aperto dos juros

Jerome Powell e Patrick Harker durante visita a mercado em Nova York
Por Steve Matthews
20 de Novembro, 2023 | 01:09 PM

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve de Richmond, Thomas Barkin, fez uma pergunta recentemente a uma plateia: quantos empresários esperam que os aumentos de preços de seus produtos sejam maiores no ano que vem do que antes da pandemia de covid-19? Cerca de dois terços dos participantes levantaram as mãos.

“Vamos lá, pessoal, estou apenas tentando controlar a inflação”, disse Barkin em 14 de novembro a um grupo de 120 empresários na pequena cidade de Westminster, na Carolina do Sul. “A má notícia que ouço é que o gênio dos preços foi libertado da garrafa, e é difícil colocá-lo de volta.”

A reunião é um exemplo de como as autoridades do Fed, lideradas pelo presidente Jerome Powell, têm cada vez mais buscado informações em tempo real e no local sobre a economia dos Estados Unidos - não a partir de dados puros processados por agências governamentais de estatísticas, mas de feedback de pequenos empresários e consumidores comuns.

Esses relatos da economia real - alguns coletadas sistematicamente por pesquisadores do Fed e publicados mensalmente, outros descobertos por presidentes do Fed em viagens de campo - apoiaram a visão da autoridade monetária de que a economia dos EUA começou a desacelerar no final deste ano, ao contrário dos dados oficiais que mostravam crescimento acelerado no terceiro trimestre.

PUBLICIDADE

Como mostrou o experimento de Barkin, elas também revelam pressões inflacionárias contínuas, mesmo quando o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) permaneceu inalterado em outubro.

“A inflação é um grande problema”, disse Dari McBride, presidente da Câmara de Comércio do Condado de Oconee, um grupo empresarial da região que inclui a cidade de Westminster, visitada por Thomas Barkin. “Somos apenas uma pequena engrenagem na engrenagem. Então, eu aprecio a disposição dele em ouvir.”

A conclusão é que os diretores do Fed querem ser pacientes diante das incertezas e das histórias às vezes conflitantes entre os relatos da vida real e dos dados oficiais.

PUBLICIDADE

Os formuladores de políticas monetária elevaram as taxas em mais de 5 pontos percentuais no ciclo de aumento mais agressivo em 40 anos, mas mantiveram os juros estáveis desde julho e não mostram interesse em reduzi-los tão cedo. Os diretores do Fed realizarão sua última reunião de política do ano em 12 e 13 de dezembro.

“Definitivamente, notamos mais discussão sobre os dados do cotidiano”, disse Jeremy Schwartz, economista sênior dos EUA na Nomura Securities International. “A paciência e a estratégia [do Fed] de esperar para ver parece fazer parte desse conflito entre os dados brutos e os dados leves.”

Avaliação mais precisa

Os funcionários do Fed dizem que os relatos cotidianos podem ser especialmente poderosos para avaliar o curso da economia e da inflação nos pontos de virada. E, com mudanças rápidas nas condições financeiras, incluindo um aumento e subsequente queda no rendimento do Tesouro de 10 anos e em outras taxas de empréstimos, os dados estatísticos podem parecer desatualizados.

“Os relatórios econômicos frequentemente são retroativos e passíveis de revisão”, disse Lorie Logan, presidente do Federal Reserve Bank de Dallas, a economistas de negócios em 9 de outubro. “Minhas conversas com líderes empresariais fornecem um complemento crítico aos dados duros. Isso nunca foi mais verdadeiro do que nos últimos meses, à medida que o cenário econômico se tornou mais complexo.”

Embora o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês, órgão equivalente ao Copom) tenha atualizado suas previsões de crescimento econômico em 2023 repetidamente, os funcionários do Fed que visitam comunidades em seus distritos saíram com uma imagem mista.

Patrick Harker, presidente do Fed da Filadélfia, falando a um grupo de banqueiros em 16 de outubro, citou suas conversas com contatos empresariais e empresas financeiras para explicar por que os formuladores de políticas deveriam adiar novos aumentos de taxas.

“Pequenas empresas estão com dificuldade de acesso a capital”, disse ele. “Alguns dos banqueiros com quem conversei estão preocupados que seus planos de negócios simplesmente não vão conseguir se sustentar nas taxas mais altas. Ouvi esse aviso muitas vezes durante o verão.”

PUBLICIDADE

Os dados oficiais e o feedback dos empregadores também apontam para uma moderação no mercado de trabalho, embora muitas indústrias e setores ainda estejam com dificuldades para preencher vagas.

Raphael Bostic, presidente do Fed de Atlanta, diz que a maioria dos contatos comerciais com quem conversou no Sudeste não planeja grandes expansões de suas forças de trabalho. Mas ele teve uma visão em primeira mão de um crescimento de empregos em uma visita em 9 e 10 de novembro à cidade de Mobile, no Alabama, onde o porto está em expansão, um fabricante de aeronaves faz contratações e empregos na construção estão vagos.

Bradley Byrne, presidente da Câmara de Comércio de Mobile, que hospedou Bostic, disse que sua mensagem para o líder do Fed foi que o maior desafio é “mão de obra, mão de obra, mão de obra”.

Enquanto o crescimento do emprego nacional está desacelerando, “vimos o oposto. Estamos acelerando”, disse ele.

PUBLICIDADE

Como muitos trabalhadores em potencial não têm transporte, as empresas do Alabama organizam um projeto piloto para fornecer transporte regular para eles, um programa que Byrne descreveu como “Uber para trabalhadores”.

É uma maneira inovadora de tentar aumentar a participação da força de trabalho, o que poderia permitir que a economia crescesse mais rapidamente sem inflação.

Coleta sistemática

Além das visitas oficiais, os funcionários regionais do Fed de Atlanta se encontram regularmente com executivos para obter insights para a Rede de Informações Econômicas Regionais do banco, questionando-os sobre demanda, necessidades de emprego e planos de investimento.

Bostic, em visitas, insta os empresários a atenderem as chamadas de seus executivos para discutir detalhes de seus negócios.

PUBLICIDADE

“Presidentes como Bostic construíram uma infraestrutura inteira para fazer isso de forma muito sistemática”, disse Julia Coronado, fundadora da MacroPolicy Perspectives e ex-economista do Fed, que vê os relatos reforçando a postura de cautela.

“Isso não são apenas relatos aleatórios. É uma coleta sistemática de dados em uma pesquisa de campo que ele viu utilidade como um indicador para os dados oficiais.”

PUBLICIDADE

O tom pessimista do relatório Bege do Fed em 18 de outubro apontou para a economia ter um “crescimento estável ou ligeiramente mais fraco”, contrariando os dados oficiais de crescimento, uma visão que os funcionários do Fed endossaram ao manter as taxas no mesmo patamar em 1º de novembro.

Embora os mercados tenham começado a precificar cortes nas taxas de juros já em maio de 2024, os relatos que os líderes do Fed coletam sugerem paciência e podem argumentar contra movimentos de curto prazo.

Powell visitou York, na Pensilvânia, em 2 de outubro como parte de sua própria campanha de escuta, onde ouviu muitas críticas sobre os preços altos do dono de um pomar e fazenda e de um fabricante de produtos de banho e corpo.

PUBLICIDADE

“As pessoas estão realmente sofrendo com a alta inflação”, lembrou Powell em entrevista coletiva em 1º de novembro. “Conversamos com algumas pessoas que estavam sentindo isso em seus negócios e outras pessoas que estavam sentindo em suas vidas domésticas também. É doloroso para as pessoas” e “isso ficou muito claro nas conversas que tivemos em York.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

China prepara lista do setor imobiliário para ajuda financeira; minério de ferro sobe

Milei inaugura nova era na Argentina e terá de enfrentar uma série de desafios

Guerra, da Legacy, vê juro ‘fora do lugar’ e espera aceleração no ritmo de cortes