Na Argentina, vitória de Milei renova as esperanças de grandes empresários

De Marcos Galperin, do Mercado Livre, a Eduardo Elsztain, da IRSA, grandes nomes da elite empresarial veem oportunidade de mudar as perspectivas da economia argentina, apesar dos desafios

Javier Milei, da Argentina
Por Patrick Gillespie
21 de Novembro, 2023 | 03:14 PM

Bloomberg — Existem um tango amado pelos argentinos conhecido como “Balada para un loco”, que defende que a loucura é uma forma de desfrutar a vida em liberdade. A eleição de Javier Milei como o próximo presidente da Argentina ressoou no país com esse mesmo espírito da canção. Como afirmou um magnata em Buenos Aires: somente um louco pode fazer o que é necessário para levar o país adiante.

A frase resume o clima entre os líderes empresariais após a vitória maior do que o esperado alcançada pelo ultraliberal, à medida que os argentinos optam por um novo caminho drástico após décadas de fracassos econômicos, apesar dos medos do desconhecido.

Do setor de a tecnologia até o mercado imobiliário e a agricultura, os executivos argentinos comemoraram a vitória de Milei após quatro anos de políticas labirínticas que apenas agravaram os problemas crônicos do país e a crise econômica.

“É uma notícia tão boa para a Argentina”, disse Eduardo Elsztain, que comanda um império de shoppings, terras agrícolas, escritórios e minas de ouro como CEO da IRSA Inversiones y Representaciones, sobre a eleição de Milei. “Os argentinos estão dispostos a mudar, é um bom sinal.”

PUBLICIDADE

Um forte rali de mercado na segunda-feira (20) confirmou o quanto a vitória de Milei mudou rapidamente as expectativas no mercado, mesmo que a perspectiva sombria do país, que inclui inflação acima de 140%, falta de acesso ao crédito internacional e uma economia em queda livre, ainda esteja muito viva após a eleição.

Títulos e ações dispararam, com algumas ações argentinas subindo até 40%. A euforia dos investidores, não vista no país há anos, contrastou com os avisos de economistas de que as propostas econômicas de Milei — incluindo a dolarização e o fechamento do Banco Central — poderiam catapultar a Argentina para uma maior volatilidade ou até mesmo hiperinflação.

No entanto, Elsztain desconsiderou as preocupações, dizendo que o maior desafio da Argentina não é sua moeda, mas conter a generosidade fiscal do governo. “A reação do mercado — é apenas o primeiro dia, mas deveria ser contínua”, disse em uma entrevista na segunda-feira.

PUBLICIDADE

Marcos Galperin, CEO da gigante de comércio eletrônico Mercado Livre (MELI) e crítico recorrente do governo peronista do presidente Alberto Fernández, celebrou eufemisticamente a vitória eleitoral de Milei com uma imagem no X (ex-Twitter) de pássaros quebrando suas correntes. Ele adicionou apenas uma palavra: “Livre.”

'Livre'dfd

Enquanto isso, Martin Migoya, fundador e CEO da multinacional de software Globant (GLOB) — outra empresa argentina com ações negociadas nos EUA — parabenizou Milei. “Liberdade, trabalho árduo, muita humildade e pensamento de longo prazo para construir o país que sonhamos e podemos construir”, ele escreveu.

E Cristiano Rattazzi, herdeiro da família Agnelli da Itália, que fundou a gigante automobilística Fiat, disse ao jornal La Nacion que “entre o louco e o astuto, felizmente os argentinos votaram no louco.”

“Agora começa o trabalho árduo para levar a Argentina ao que era há 100 anos”, acrescentou Rattazzi.

O bilionário Marcelo Claure, ex-executivo do SoftBank Group, que tem com extensos negócios na América Latina, e Elon Musk, fundador da Tesla (TSLA), também comemoraram a vitória de Milei.

Reação inicial

O entusiasmo inicial com Milei entre a elite empresarial argentina — desencadeado pelo seu discurso moderado de vitória no domingo à noite — contrasta com as dúvidas e divisões vistas até poucos dias atrás.

Durante eventos separados no histórico Hotel Alvear em Buenos Aires na semana passada, líderes empresariais questionaram Milei e seu rival no segundo turno, o ministro da Economia Sergio Massa, sobre detalhes de seus planos de estabilização.

PUBLICIDADE

As preferências estavam divididas. Massa era visto como uma opção menos disruptiva, mas quase ninguém esperava que o candidato libertário vencesse seu rival peronista por quase 12 pontos percentuais.

Ao mesmo tempo, os executivos argentinos ainda querem ver mais detalhes do congressista de primeiro mandato, que chegou à presidência ao derrotar as duas principais forças políticas estabelecidas da Argentina.

Também é verdade que o clima e as expectativas entre os grupos que dependem de negócios governamentais eram muito mais pessimistas no domingo, dada a incerteza que as políticas de Milei geram, de acordo com uma pessoa com contato regular com a elite corporativa em Buenos Aires.

O executivo mais próximo de Milei, o bilionário Eduardo Eurnekian, não comentou a vitória publicamente desde que seu ex-funcionário venceu a presidência.

PUBLICIDADE

Eurnekian, fundador do conglomerado Corporación América, se distanciou das declarações controversas de Milei às vezes e até sinalizou apoio para a ex-rival de Milei, Patricia Bullrich, antes do primeiro turno.

Ainda assim, um porta-voz disse que Eurnekian está “feliz e expectante” com o novo governo. E um ex-alto executivo de uma das empresas de Eurnekian, Nicolás Posse, juntou-se à campanha de Milei e o acompanhou em uma reunião com o presidente Alberto Fernández nesta terça-feira (21).

Milei vai precisar de todo o apoio que puder conseguir, já que suas principais políticas econômicas provavelmente enfrentarão forte resistência em um congresso fragmentado onde seu partido controla apenas uma fração dos assentos.

Os cortes de gastos drásticos e a terapia de choque que Milei se comprometeu a fazer para reduzir o déficit fiscal crônico também provavelmente gerarão tensões com grupos sociais e sindicatos.

PUBLICIDADE

Líderes de Wall Street e Washington provavelmente terão sua primeira chance de se encontrar com Milei como presidente eleito — e esperamos obter detalhes das políticas — quando ele fizer o que chama de uma viagem “espiritual” a Nova York e Miami nos próximos dias antes da posse em 10 de dezembro.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Na Argentina, queda da produção de soja é entrave para o próximo presidente

Por que a inflação cede nos EUA, mas ainda persiste em Miami e na Flórida