Milei agora diz que descarta dolarização antes de eleição legislativa de 2025

Em entrevista à CNN en Español, presidente da Argentina disse que a dolarização só ocorreria depois que o governo limpasse o balanço do BC; ‘objetivo continua a existir’, afirmou

Milei
Por Manuela Tobías
01 de Abril, 2024 | 02:53 PM

Bloomberg — O presidente argentino Javier Milei disse que descarta uma dolarização da economia antes das eleições legislativas do ano que vem, o primeiro indício de um cronograma para sua proposta de campanha mais ambiciosa.

“Não creio que chegaremos lá antes das eleições legislativas do ano que vem, mas o objetivo continua a existir”, disse Milei à CNN en Español em entrevista que foi ao ar no domingo (31) à noite.

Milei já havia dito que a dolarização viria só depois que seu governo limpasse o balanço do banco central e reformasse o sistema financeiro do país, sem sinalizar datas.

Leia mais: Por que a dolarização da economia argentina pode ser benéfica para o país?

PUBLICIDADE

Milei acrescentou que trabalha em uma “reforma do sistema financeiro”, que servirá como passo fundamental para o eventual fechamento do banco central, outro componente do plano econômico de sua campanha. Milei não deu detalhes sobre a reforma nem disse quando ocorrerá, mas confirmou sua visão de fechar a autoridade monetária em algum momento.

“Podemos fazer todas as reformas que quisermos, mas se deixarmos o banco central viver, mais cedo ou mais tarde, políticos delinquentes vão usá-lo para roubar o povo”, disse Milei.

O presidente libertário criticou os políticos por roubarem “grosseira e violentamente” os cidadãos, referindo-se à ideia de que a emissão desenfreada de dinheiro pelo banco central colocou a inflação argentina entre as mais altas do mundo.

PUBLICIDADE

Leia mais: Mentor das reformas de Milei na Argentina avisa: ‘estamos só começando’

Durante a entrevista, Milei criticou vários líderes latino-americanos, incluindo o presidente colombiano Gustavo Petro. Depois de chamá-lo de “terrorista, assassino e comunista”, o governo da Colômbia expulsou funcionários da embaixada argentina.

Colômbia e Argentina divulgaram uma declaração conjunta domingo à noite de que mantiveram conversações para “superar quaisquer diferenças” e que a ministra das Relações Exteriores da Argentina, Diana Mondino, visitaria Bogotá em breve.

Veja mais em Bloomberg.com