Mentor das reformas de Milei na Argentina avisa: ‘estamos só começando’

Economista Federico Sturzenegger diz que medidas pretendem ‘reestruturar’ o poder no país e que nem protestos sociais vão fazer o novo governo recuar dos seus planos

Federico Sturzenegger é o principal conselheiro de Milei para desregulamentar a economia da Argentina
Por Ignacio Olivera Doll
01 de Janeiro, 2024 | 03:52 PM

Bloomberg — O arquiteto por trás do ambicioso plano de reformas pró-negócios do novo presidente da Argentina, Javier Milei, disse que está apenas começando e que novas mudanças na política serão reveladas em breve, independentemente dos distúrbios sociais e dos protestos trabalhistas desencadeados.

Federico Sturzenegger, um dos economistas mais citados da Argentina e principal conselheiro de Milei para desregulamentar a economia em crise, disse que o governo enviará outro projeto de lei ao congresso na próxima semana para eliminar 160 regulamentações “absurdas” que dificultam a atividade.

Juntamente com um decreto abrangente e outro projeto de lei de mesma alcance que a administração de Milei apresentou em suas primeiras três semanas no poder, eles buscam transformar radicalmente a nação sul-americana, segundo ele.

“As reformas têm uma dimensão que vai além das próprias reformas - é como uma reestruturação da estrutura de poder econômico na Argentina”, disse Sturzenegger em uma entrevista à Bloomberg News na Casa Rosada, o palácio presidencial em Buenos Aires.

PUBLICIDADE

E acrescentou que as medidas representam apenas 40% das mudanças que Milei quer alcançar. “Eu não me lembro de ninguém com tanta força.”

O economista libertário Milei não perdeu tempo desde que assumiu o cargo em 10 de dezembro com um mandato popular para controlar a inflação acima de 160% ao ano e recuperar uma economia estagnada.

O decreto com 300 medidas emitido na semana passada, que busca reduzir bastante o alcance da intervenção do estado na economia da Argentina, foi seguido na última quarta-feira (27) por um projeto de lei omnibus que segue para o congresso com outros 664 artigos.

PUBLICIDADE

A nova legislação está de acordo com a estratégia de “terapia de choque de Milei, que também incluiu uma desvalorização cambial de 54% e grandes cortes de gastos para alcançar um orçamento equilibrado em 2024, com o objetivo de reverter a crise econômica do país.

O decreto, que entrou em vigor nesta sexta-feira (29), enfrentou resistência da oposição, com alguns legisladores argumentando que ele vai além dos poderes do presidente.

Sturzenegger, 57 anos, disse que tais críticas são uma “cortina de fumaça” para não discutir o conteúdo das reformas, enquanto acrescentou que o decreto é uma aposta “tudo ou nada” porque o congresso pode rejeitá-lo, mas não pode modificá-lo.

Milei conta com o fato de que nenhum de seus antecessores imediatos teve um decreto rejeitado pelo congresso, mas essa luta política ocorrerá no início de 2024.

Protestos e greve

Embora as mudanças ambiciosas do governo já tenham desencadeado alguns protestos esparsos em Buenos Aires e outras cidades, o grande teste de Milei virá em 24 de janeiro, quando o maior grupo sindical da Argentina, o CGT, planeja uma greve nacional para protestar contra as medidas.

A greve geral será a mais precoce no mandato de um presidente argentino nos últimos 40 anos de democracia, um sinal da hostilidade que Milei pode esperar da CGT, um grupo tradicionalmente ligado à oposição peronista.

Além disso, vários pedidos foram apresentados nos tribunais para impedir legalmente o decreto uma vez que esteja em vigor.

PUBLICIDADE

Sturzenegger permanece tranquilo, dizendo que espera que os legisladores aprovem a lei “de alguma forma” antes de março de 2024 e que a legislação é crucial para alcançar equilíbrio fiscal no ano que começa. Ele está confiante de que, no final, as reformas “pró-empregos” facilitarão a realização de negócios e impulsionarão a atividade em diversos setores, desde contratos de aluguel até satélites.

“Alguém vai entrar com um processo no sistema judiciário dizendo que que não pode haver internet por satélite, que não pode haver concorrência? É um tanto ridículo”, disse Sturzenegger, referindo-se às restrições recentemente retiradas para a operação da Starlink, de Elon Musk, na Argentina.

Czar da desregulamentação

Para Sturzenegger, que possui um doutorado em economia pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), esta é a segunda tentativa de alto perfil de corrigir a crise perene da Argentina, depois de liderar o banco central de 2015 a 2018 durante o governo do presidente Mauricio Macri.

Antes de se juntar às fileiras de Milei, o economista passou os últimos 18 meses projetando reformas de desregulamentação para Patricia Bullrich, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno das eleições presidenciais em outubro, mas posteriormente se juntou ao governo como ministra da Segurança.

PUBLICIDADE

Sturzenegger então combinou os seus planos de reforma com os do secretário de Energia, Eduardo Chirillo, que trabalhou na campanha de Milei.

Em um nível mais profundo, Sturzenegger disse que as reformas rápidas e abrangentes vão além de apenas mudar os detalhes, mas têm como objetivo desafiar o establishment político, ecoando as promessas de campanha de Milei.

“A única maneira de alcançar a mudança é desarmar essa estrutura e, de certa forma, esgotar seus recursos, porque é isso que eles usam para sustentar o status quo”, disse Sturzenegger.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Choque na economia e improvisos: como foi a primeira semana de Milei no governo

PUBLICIDADE

Como Portugal se tornou símbolo da crise de moradia cara que avança na Europa

©2023 Bloomberg L.P.