Kashkari, do Fed, enxerga de dois a três cortes nos juros como apropriados em 2024

Segundo Neel Kashkari, presidente do Fed Bank de Minneapolis, será o mercado de trabalho que ditará a velocidade de redução das taxas do Fed

Neel Kashkari, presidente do Federal Reserve Bank de Minneapolis
Por Catarina Saraiva
07 de Fevereiro, 2024 | 12:33 PM

Bloomberg — Neel Kashkari, presidente do Federal Reserve Bank de Minneapolis, disse que os membros da autoridade monetária gostariam de ver “mais alguns meses” de dados de inflação antes de reduzirem as taxas de juros, acrescentando que ele acredita que dois a três cortes serão apropriados para 2024.

“Não estamos procurando por melhores dados de inflação, apenas por dados adicionais de inflação que também estejam em torno desse nível de 2%”, disse Kashkari nesta quarta-feira à CNBC. “Se conseguirmos ver mais alguns meses desses dados, acho que isso nos dará mais confiança.”

Ele também disse que o mercado de trabalho ditará a velocidade com que o Fed reduz as taxas de juros, observando que, se os empregos permanecerem fortes, isso dará ao banco central a flexibilidade de agir lentamente.

LEIA +
Goldman Sachs e BofA revisam previsão de cortes de juros nos EUA após decisão do Fed

A projeção de Kashkari de dois a três cortes de taxa é ligeiramente mais hawkish (isto é, favorável a juros mais altos) do que a estimativa média de dezembro entre os formuladores de políticas para três reduções de 0,25 ponto percentual, embora os mercados estejam precificando até cinco cortes.

PUBLICIDADE

Kashkari, que não vota nas decisões de política monetária este ano, escreveu em um artigo publicado no início desta semana que os funcionários do Fed têm tempo para avaliar os dados que chegam antes de reduzir as taxas, citando mudanças na economia pós-pandemia.

Os funcionários do Fed têm mantido as taxas de juros inalteradas desde julho e sinalizaram que o próximo movimento do banco central provavelmente será um corte.

Vários funcionários – incluindo o presidente Jerome Powell – indicaram que não estão com pressa para fazê-lo, ajudando a mudar as expectativas de mercado para o momento do primeiro corte de taxa de juros para maio ou junho.

PUBLICIDADE

O chefe do Fed de Minneapolis também disse que o banco central está observando de perto o mercado imobiliário comercial, embora ele não o veja atualmente como um risco sistêmico.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

As ações mais recomendadas para fevereiro, segundo 14 bancos e corretoras

Petrobras enfrenta desafio de recompor reservas a longo prazo