Jovens trocam megalópoles da China por cidades menores em busca de qualidade de vida

Nova geração de chineses tem provocado uma migração inversa no país, impulsionando os negócios em municípios de médio porte e atraindo grandes marcas internacionais

Pessoas passando em frente a uma unidade da Pizza Hut e uma unidade do KFC
Por Bloomberg News
05 de Maio, 2024 | 09:38 AM

Bloomberg — Zhao Xiaowei fez o que seria impensável há apenas alguns anos: largou o emprego de barista em Pequim e voltou para sua cidade natal, no nordeste do país, em busca de um futuro melhor.

Cansado de batalhar para ganhar a vida na capital do país, onde os custos são altos, o jovem de 25 anos agora ganha mais dinheiro administrando seu próprio café boutique que serve café feito com grãos Geisha de alta qualidade por 60 yuans (US$ 8,30) a xícara.

“Fico perto da minha família e posso jantar quando chegar em casa”, disse Zhao depois de voltar para Dandong em junho passado. “E o mais importante, tenho meu próprio negócio”.

Ele faz parte de uma crescente onda de migração inversa de trabalhadores para regiões remotas no meio de uma crise econômica nas megacidades da China, que levou a demissões e a uma competição feroz pelos cargos restantes.

PUBLICIDADE

Este reassentamento tem transformado as chamadas “cidades de nível menor”, à medida que lojas de fast food ocidentais, cadeias de chás e concessionárias de veículos elétricos surgem ao longo das ruas principais para servir os repatriados e os habitantes locais com mais rendimentos à sua disposição.

Embora os recém-formados e os profissionais ainda procurem empregos bem remunerados nas grandes cidades, os dados colhidos pela consultora MetroDataTech, com sede em Xangai, revelam uma saída líquida de pessoas no centro financeiro da China, Xangai, e na cidade em expansão tecnológica, Shenzhen, em 2023.

Leia mais: Semana de trabalho de quatro dias: o que a experiência na América Latina aponta

Gráficodfd

Os gastos mensais dos consumidores nas cidades menores aceleraram em quase todas as categorias no segundo semestre de 2023, enquanto a situação foi oposta nas grandes cidades, de acordo com uma pesquisa de janeiro em cidades menores realizado pelo UBS Evidence Lab.

A frequência do consumo em lojas de chá e café acelerou significativamente nas cidades menores em comparação com uma pesquisa anterior do UBS.

“O custo de vida dos jovens nas cidades menores não é tão alto, então eles têm orçamento para desfrutar de comida e bebida”, disse Joey Wat, CEO da Yum China Holdings, que opera o KFC e a Pizza Hut, à Bloomberg TV em fevereiro. “Os jovens nas cidades maiores precisam economizar alguns centavos, pois o custo de vida é mais alto”.

Leia mais: Do Brasil à China: o dilema que Jerome Powell cria para os bancos centrais

PUBLICIDADE
Gráficodfd

A Yum China planeja abrir mais de 5.000 unidades até 2026, sendo mais de 50% delas fora das megacidades. Cerca de 80% dos 180 restaurantes que a operadora Domino’s Pizza China, DPC Dash, abriu no continente no ano passado, não estavam em Pequim e Xangai.

Não são apenas as marcas internacionais que visam os consumidores rurais. Aproximadamente metade do total de lojas operadas por alguns dos maiores nomes de fast-food da China – incluindo a rede de hambúrgueres Fuzhou Tastien Catering Operation e a fornecedora de chás Mixue Bingcheng – está localizada em cidades classificadas no nível 3 ou menos, de acordo com Canyandata, uma plataforma de dados de pontos de vendas de alimentos e bebidas com sede em Pequim. Tastien e Luckin Coffee dobraram suas lojas na China no ano passado.

Na verdade, aqueles que regressam às suas cidades de origem encontram shoppings chiques, novos veículos elétricos pelas ruas e lojas repletas de consumidores.

Leia mais: TikTok arrisca proibição nos EUA com lei contra controle chinês

Os preços das residências são apenas uma fração daqueles praticados nas metrópoles e os pais contribuem com entradas ou mais parcelas.

Com mais renda disponível, os consumidores não hesitam em gastar em jantares no KFC ou em moletons caros da Lululemon (LULU). Alguns compram carros da Tesla (TSLA), à medida que a China recorre às áreas rurais para impulsionar o crescimento das vendas de veículos elétricos.

Os consumidores das pequenas cidades têm carreiras mais estáveis em cargos públicos, hospitais e empresas estatais, ao contrário das contrapartes em grandes cidades, pressionados por salários e cortes de empregos em empresas, desde empresas de internet a instituições financeiras.

A cultura de trabalho “996″ das principais cidades, das 9:00 às 21:00 seis dias por semana é praticamente inexistente em muitas áreas menores.

Gráficodfd

Guan Yinglu deixou seu emprego em uma empresa de transporte marítimo de Xangai e voltou para sua cidade natal, Luzhou, na região central da China, onde abriu uma padaria na primavera passada.

O que ela perdeu em poder aquisitivo – ela ganha cerca de um terço do que ganhava anteriormente – Guan ganhou em experiências de vida mais ricas e poder de compra porque o yuan vale mais em cidades menores. Hoje ela é casada, tem um cachorro e termina os dias com tempo para saborear o jantar preparado pelos pais ou sogros.

“Senti que não estava vivendo para mim mesma ou para as pessoas que amo e odiava isso”, disse Guan, de 29 anos.

Leia mais: Como o fortalecimento do dólar afeta os mercados e a economia mundial

Gráficodfd

A transferência de mais recursos governamentais para áreas fora das grandes cidades está reduzindo a lacuna entre zona urbana e zona rural e criando vitalidade econômica em pequenos condados, disse Ernan Cui, analista de consumo da Gavekal Dragonomics.

Ainda assim, embora as regiões leste e sul da China se beneficiem beneficiar desta mudança, outras pequenas cidades não fazem parte desse grupo, acrescentou.

Além disso, alguns repatriados mudaram-se apenas por necessidade econômica e tendem a regressar às grandes cidades quando as oportunidades permitirem, disse Cui.

O regresso de Chen a Nanchang, na província de Jiangxi, no sudeste da China, vindo da metrópole global Hong Kong, durou apenas seis meses.

A jovem de 30 anos, que pediu para usar apenas o sobrenome por questões de privacidade, investiu em um restaurante local depois de ser demitida em 2023. Quando uma empresa de private equity lhe ofereceu um emprego no início de 2024, ela vendeu sua participação no restaurante e retornou a Hong Kong para trabalhar como diretora de investimentos.

“A vida não é muito fácil em Nanchang”, disse Chen. “Eu começava às 10:00 e fechava o restaurante às 22:00”.

Ymir Li, porém, está aproveitando a nova oportunidade nas pequenas cidades. Ele abriu uma franquia da popular rede de bubble tea Heytea em uma cidade de 2,5 milhões de habitantes no sudoeste do país em 2022, após deixar a megacidade Chengdu.

Ele agora opera duas lojas e emprega três pessoas que retornaram depois de trabalhar em cidades grandes como Shenzhen e Xangai.

“Eles conheceram o mundo e decidiram que a vida é muito mais fácil em casa”, disse Li.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

De Senna a Cem Anos de Solidão: a estratégia da Netflix na América Latina

Ex-banqueira acerta as contas da Americanas e quer ‘dividir a dor de forma igual’