Construção de nova arena para time da NBA abre disputa entre bilionários

Proprietários do Philadelphia 76ers querem uma novo local de jogos para o time, mas enfrentam oposição de executivos da Comcast, donos do ginásio atual do time

Vista do Wells Fargo Center, atual sede do Philadelphia 76ers, uma das franquias mais tradicionais da NBA
Por Gerry Smith
20 de Agosto, 2023 | 04:00 PM

Bloomberg — Há não muito tempo, a competição mais acirrada no basquete de Filadélfia envolvia os 76ers contra o Boston Celtics. Mas recentemente, ela abarca a disputa entre grandes bilionários americanos.

De um lado estão os proprietários dos 76ers: Josh Harris, co-fundador da Apollo Global Management, David Blitzer, executivo do Blackstone Group, e o empreendedor imobiliário David Adelman. Do outro lado está Brian Roberts, CEO da Comcast.

Os 76ers querem construir uma nova arena de US$ 1,3 bilhão. A Comcast, conglomerado de mídia e televisão a cabo que é proprietária do local atual da equipe da NBA, o Wells Fargo Center, quer que eles fiquem. Desde que foi anunciado há mais de um ano, o projeto do novo local, chamado de 76 Place, dividiu a cidade e se transformou em uma disputa de relações públicas cada vez mais desagradável. Ainda assim, nenhum dos lados está recuando.

Por seis décadas, os 76ers têm empolgado e decepcionado os fãs em Filadélfia, uma cidade que às vezes é chamada de “Comcast Country”, refletindo o peso excessivo da empresa na política local. A Comcast é um dos maiores empregadores da cidade e ocupa seus dois prédios mais altos. Se a nova arena proposta para a equipe for construída, isso se tornará um grande teste para a influência política da Comcast.

PUBLICIDADE

“Basicamente, eu moro em uma cidade de uma empresa só”, disse Adelman, que lidera o projeto. A Comcast, ele acrescentou, “tem medo de perder [as atenções] para o novo prédio brilhante”.

Adelman, CEO da Campus Apartments, uma das maiores empresas privadas de alojamento estudantil do país, deu entrevista a partir de seu escritório em casa nos arredores de Filadélfia, onde mantém uma bola de basquete autografada pelos membros dos 76ers e uma garrafa de vodka American Harvest, uma marca de bebidas alcoólicas que ele possui.

No outono passado, ele comprou uma participação no grupo que é dono dos 76ers, a Harris Blitzer Sports & Entertainment, de Michael Rubin, fundador da gigante de vestuário esportivo Fanatics.

PUBLICIDADE

Por meses, Adelman tentou conquistar céticos, argumentando que a nova arena seria boa para a equipe, para os fãs e para a comunidade ao redor. Ele disse que o Wells Fargo Center, inaugurado no sul de Filadélfia em 1996, está “velho e funcionalmente obsoleto”. A equipe planeja se mudar após o vencimento do contrato de locação atual em 2031.

Ser proprietário de sua própria arena, disse ele, ajudaria os 76ers com a agenda de jogos - a equipe às vezes joga em noites consecutivas devido a concertos e outros eventos no Wells Fargo Center, um arranjo cansativo para os jogadores que os coloca em desvantagem.

Os 76ers não conquistam um campeonato desde 1983. Recentemente, James Harden, um dos melhores jogadores da equipe, criticou publicamente Daryl Morey, o presidente de operações de basquete da franquia - fornecendo ainda mais material para programas de rádio para uma base de fãs que teve muito do que reclamar nos últimos anos.

Uma nova arena também permitiria que a equipe oferecesse comodidades mais modernas aos fãs, disse Adelman.

“Estou no negócio de apartamentos”, disse ele. “Em algum momento, meus inquilinos saem e compram sua primeira casa. Estamos apenas procurando fazer o mesmo.”

Ao contrário de muitos novos locais esportivos, que são construídos com dinheiro dos contribuintes, a arena proposta para os 76ers seria financiada com recursos privados. A equipe prevê que ela geraria US$ 1 bilhão em novas receitas fiscais para a cidade, distrito escolar e estado ao longo de 30 anos, e promete revitalizar a área ao redor da Market Street no Centro da Cidade.

A equipe planeja construir apartamentos no topo da arena, reservando cerca de 80 unidades para habitação acessível. Ansiosos pelos empregos na construção, os sindicatos de comércio da cidade apoiam o projeto, assim como alguns grupos afro-americanos proeminentes.

PUBLICIDADE

Eventos ao vivo

Irving Azoff, o magnata da música, disse que há necessidade de um novo local de shows na Filadélfia, porque os 76ers e a equipe de hóquei Flyers ocupam muitos finais de semana no Wells Fargo Center.

“O mercado de Filadélfia não está atraindo tantos shows de arena porque não tem datas boas disponíveis”, disse Azoff, co-fundador da Oak View Group, um negócio de eventos ao vivo que tem uma parceria proposta com a equipe para o novo local.

A Comcast, que vendeu os 76ers para um grupo liderado por Harris em 2011, discorda. Ela é proprietária do Wells Fargo Center, dos Flyers e de outros negócios por meio de uma subsidiária chamada Comcast Spectacor.

Um recente projeto de reforma de US$ 400 milhões fez várias melhorias no Wells Fargo Center, segundo um porta-voz da Comcast Spectator que contestou a ideia de que o processo de agendamento atual da arena seja injusto.

PUBLICIDADE

“Os habitantes de Filadélfia merecem os fatos, não as mentiras e distorções que estão sendo ditas sobre o Wells Fargo Center, o agendamento de jogos e eventos e muito mais”, disse o porta-voz em um comunicado.

A arena recebe cerca de 220 eventos por ano e acomoda pelo menos 98% das solicitações de agendamento de grandes concertos, disse o porta-voz. Entre os artistas que se apresentaram lá este ano estão Drake e Bruce Springsteen.

“Na verdade, não há muitos - se houver algum - shows adicionais que queiram vir para Filadélfia, tocar em um local de tamanho de arena e não possam fazê-lo no Wells Fargo Center”, disse o porta-voz.

Larry Magid, um promotor de concertos de longa data em Filadélfia, disse que “é difícil imaginar” que a cidade possa sustentar outra nova arena.

PUBLICIDADE

“Filadélfia não é Nova York”, disse Magid.

Os 76ers esperam preencher a nova arena proposta com eventos pelo menos 150 noites por ano. Adelman disse que está em conversa com agentes de reservas cujos clientes estão ansiosos para se apresentar em um novo local.

PUBLICIDADE

“Estamos confiantes de que haverá ainda mais shows no mercado que beneficiarão a todos”, disse ele.

Preocupações em Chinatown

A nova arena ficaria perto do bairro Chinatown. Em junho, defensores da comunidade marcharam pelas ruas para protestar contra o projeto. Os moradores estão céticos em relação às promessas de empregos e revitalização da equipe e estão preocupados com o impacto que a construção teria sobre o meio ambiente, a saúde e o tráfego, disse Mohan Seshadri, diretor executivo da Aliança Política das Ilhas do Pacífico Asiático.

“É uma ameaça existencial para nossa comunidade”, disse Seshadri, cujo grupo faz parte de uma coalizão de bairro que se opõe à arena proposta.

PUBLICIDADE

A equipe está trabalhando com especialistas em sustentabilidade, tráfego e segurança pública e está disposta a adaptar seus planos, disse o porta-voz dos 76ers.

O destino do projeto provavelmente dependerá em grande parte de Mark Squilla, membro do conselho da cidade de Filadélfia cujo distrito inclui a arena.

Squilla disse que ainda não decidiu se é a favor do projeto, observando que ainda há estudos de planejamento a serem feitos. Depois disso, o Conselho da Cidade precisaria votar sobre a legislação antes que ela possa avançar. Isso provavelmente será considerado no próximo ano, quando um novo governo assumir o cargo.

PUBLICIDADE

Squilla disse que recebe “pressões de todos os lados, o tempo todo” sobre a arena e outros assuntos, mas não deixa que isso influencie o processo.

“A Comcast é uma grande parte de Filadélfia”, disse ele. “Eles têm influência? Vou dizer que sim.”

“Mas precisamos deixar de lado todas essas coisas”, acrescentou ele, “e analisar os benefícios e impactos em nossa área do Centro da Cidade e na comunidade de Chinatown e nas pessoas que serão mais afetadas por isso.”

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Golden visa na Europa: emissão segue alta apesar de tentativa de limitar programas

De ‘miojo’ a bilionário na Nasdaq: quem é o vietnamita que quer enfrentar Elon Musk