Com economia resiliente nos EUA, Bostic, do Fed, diz que não há pressa em cortar juros

Chefe do Fed de Atlanta voltou a repetir que espera que o primeiro corte dos juros ocorra no terceiro trimestre deste ano

Raphael Bostic
Por Steve Matthews - Alex - ra Harris
16 de Fevereiro, 2024 | 08:46 AM

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve Bank de Atlanta, Raphael Bostic, disse que não há pressa para reduzir as taxas de juros, já que o mercado de trabalho e a economia dos Estados Unidos ainda estão fortes.

Ele alertou que ainda não está claro se a inflação está caminhando de forma sustentável para a meta de 2% do banco central.

“As evidências provenientes de dados, pesquisas e interações com o público nos mostram que a vitória ainda não está clara, o que me deixa desconfortável em afirmar que a inflação está declinando rumo ao nosso objetivo de 2%”, disse Bostic em discurso realizado na quinta-feira (15) em Nova York.

“Isso pode ser verdade por algum tempo, mesmo que o relatório de janeiro do CPI se prove uma aberração.”

PUBLICIDADE

Os integrantes do Fed passaram boa parte das sete primeiras semanas do ano contestando as expectativas de corte de taxa na próxima reunião de política monetária do banco central, em março.

O presidente Jerome Powell afirmou que o Fed precisa ter mais confiança de que a inflação está no caminho para retornar à meta, enquanto outros formuladores de políticas alertaram sobre diversos riscos que podem manter a inflação acima de 2%.

Embora o índice de preços ao consumidor de janeiro, que foi mais forte do que o esperado, possa ser uma exceção, Bostic disse que o relatório é evidência de que a luta contra a inflação do Fed ainda não terminou.

PUBLICIDADE

“Eu preciso de mais confiança antes de declarar vitória nesta luta pela estabilidade de preços”, disse Bostic, que é membro votante do comitê de definição de política monetária do Fed este ano.

O chefe do Fed de Atlanta disse no mês passado que espera que o primeiro corte ocorra no terceiro trimestre deste ano.

Ele repetiu essa visão na quinta-feira e observou que havia projetado dois cortes para 2024 no último conjunto trimestral de projeções econômicas do banco central. Participantes do mercado estão apostando que o Fed reduzirá as taxas de juros a partir de junho.

“Minha expectativa é que a taxa de inflação continue a diminuir, mas mais lentamente do que o ritmo indicado pelo mercado em relação à política monetária”, disse ele na Universidade de Nova York.

“Atualmente, um mercado de trabalho forte e uma macroeconomia oferecem a chance de tomar essas decisões de política sem grande urgência.”

De olho na inflação

Embora ele tenha dito que os riscos para a perspectiva da inflação e do pleno emprego estejam mais equilibrados, ele instou vigilância na luta contra a inflação.

Bostic disse que as pressões inflacionárias são ainda mais generalizadas do que o Fed gostaria e observou que o índice de inflação do Fed de Dallas, que elimina preços atípicos, sugere que a inflação subjacente permanece acima de 2%.

PUBLICIDADE

Ele também mencionou evidências anedóticas. Contatos empresariais demonstram "real expectativa de otimismo - talvez até mesmo exuberância contida" que poderia causar uma explosão na demanda capaz de reverter o progresso alcançado em relação à inflação, alertou Bostic.

"Isso constitui um novo risco potencial negativo para o meu cenário que deve ser observado nos próximos meses", disse Bostic.

O CPI subiu mais do que o previsto em todas as áreas em janeiro – tanto na comparação mensal quanto anual – assim como as medidas principais, que excluem os custos com alimentos e energia.

Dados do governo mostraram que um importante subconjunto de preços de serviços aumentou no ritmo mais rápido em quase dois anos, e os custos de moradia se elevaram.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Como a Globo Ventures mira além do retorno com seus investimentos em startups

Por que há prédios em Nova York que estão à venda com até 50% de desconto