‘Como falar Faria Limês’: o espaço da comunidade LGBTQIA+ na Faria Lima

No novo episódio do videocast da Bloomberg Línea, Morena Carvalho, sócia do BTG Pactual, e Thiago Veras, diretor de RH da Empiricus, falam sobre a diversidade no mercado financeiro

Diversidade na Faria Lima
27 de Abril, 2024 | 05:45 AM

Bloomberg Línea — Todos os anos, o BTG Pactual, um dos maiores banco brasileiros, realiza uma festa de final de ano para os seus colaboradores. Nessa celebração, eles são convidados a levar quem namora e familiares para a integração, uma prática comum em outras empresas pelo país.

Para Morena Carvalho, em um desses anos, foi necessário tomar uma decisão: assumir, ou não, diante do ambiente de trabalho que era lésbica e que estava namorando uma mulher.

Funcionária do banco desde 2010, a economista formada pela Universidade Federal Fluminense havia assumido sua orientação sexual para amigos e a família no ano anterior, quando terminou com um namorado da época e passou a se relacionar com uma amiga.

Leia mais: ‘Como falar Faria Limês’: quem são as mulheres que trabalham no mercado financeiro

PUBLICIDADE

No ano em que ponderou sobre a possibilidade de levar a então companheira à celebração, não conhecia nenhuma outra mulher lésbica no BTG.

Depois de ponderar por alguns meses, contou para poucos colegas e tomou a decisão de ir acompanhada da namorada na festa, mesmo que isso significasse um possível conflito com a organização do evento.

“Sabe o que aconteceu?”, contou Carvalho, em entrevista ao videocast “Como falar Faria Limês”, da Bloomberg Línea. “Nada. Eu fui com a ‘faca nos dentes’, pronta para uma briga, e a menina que estava fazendo os registros da festa só pediu o CPF da minha namorada. Nenhum questionamento, nenhum tipo de confronto”.

Foi assim, disse ela, também na festa e nos anos seguintes, quando percebeu que sua orientação sexual não seria uma questão no ambiente de trabalho.

Hoje, há 14 anos no banco, Carvalho é sócia do BTG Pactual e atua na área de análise de risco de fundos de investimentos. É uma das fundadoras do Comitê de Diversidade e Inclusão da instituição, formado por quatro grupos, BTG Pride, BTG Blacks, BTG PCDs e BTG Women, e se descreve como uma autêntica faria limer - o apelido dos profissionais que circulam pela região da Faria Lima, em São Paulo.

“O seu marcador de diversidade pode trazer talentos inesperados para o ambiente de trabalho. Nesse caso, quando eu fui fazer o registro para a festa, eu fui preparada para todos os cenários. Essa habilidade de ponderar os múltiplos resultados de uma situação é algo que eu uso constantemente no meu trabalho”, contou.

Morena Carvalho, sócia do BTG Pactual, a apresentadora Ana Carolina Siedschlag e Thiago Veras, diretor de Recursos Humanos da Empiricusdfd

Thiago Veras, diretor de RH da Empiricus, teve uma trajetória parecida: também se assumiu gay no início de sua carreira, na época estimulado por um programa de formação de funcionários da Natura, empresa em que trabalhava.

PUBLICIDADE

Segundo ele, os colaboradores, além do treinamento técnico, também eram levados a refletir sobre suas próprias personalidades, e foi assim que se sentiu confortável em assumir sua orientação sexual e levar esse ponto como um fator fundamental para as escolhas de carreira que fez em seguida.

“Eu nunca vi pessoas que têm um enorme potencial deixarem 50% delas em casa, como, por exemplo, a orientação sexual. As organizações podem ser lugares legais, em que as pessoas mostram a sua potencialidade. E isso está ligado diretamente à autenticidade”, disse.

Nascido e criado na periferia de Diadema, na região do ABC paulista, Veras disse que foi por meio da educação e das oportunidades de trabalho que conseguiu conquistar espaços importantes para a sua carreira, sem nunca esconder que era um homem gay.

Ao ser contatado por uma agência de head hunting para a vaga na diretoria de RH da Empiricus, uma conhecida casa de análise de investimentos, ficou em alerta: como seria assumir sua sexualidade no mercado financeiro, que tem fama de ser um espaço fechado para a comunidade LGBTQIA+?

“Eu tinha muito medo, não iria voltar para ‘dentro daquele armário’ nunca. Decidi e falei logo de cara, na entrevista com os sócios”, contou. “A recepção foi muito tranquila. Me garantiram autonomia para fazer uma série de coisas, e agora estou há sete anos à frente disso.”

Leia mais: ‘Como Falar Faria Limês’: as falhas de urbanismo da Faria Lima

Para Veras e Carvalho, as oportunidades no mercado financeiro para a comunidade LGBTQIA+, além de outras minorias, estão crescendo.

Segundo eles, apesar dos estereótipos, a Faria Lima é formada por profissionais com vários backgrounds, em boa parte estimulados por políticas afirmativas de cada vez mais empresas.

Como Falar Faria Limês

A conversa com Morena Carvalho e Thiago Veras faz parte do videocast “Como Falar Faria Limês”, nova série da Bloomberg Línea que é gravada nos estúdios da B3, em São Paulo. A série com oito episódios tem como convidados profissionais de diferentes áreas para mergulhar no coração do mundo financeiro e corporativo brasileiro de forma divertida, acessível e esclarecedora.

Os debates abordam desde conceitos fundamentais de negócios até questões sociais e culturais, incluindo a presença de mulheres na Faria Lima e o espaço da comunidade LGBTQIA+. O quinto episódio, sobre carreira e salários, está disponível no YouTube e no Spotify.

Leia também

‘Como falar Faria Limês’: como as maratonas conquistaram o mercado financeiro

‘Como falar Faria Limês’: o que é preciso para abrir e liderar uma startup no país